28 de fevereiro de 2018 | Ano 4, Edição #42 | Texto: and | Ilustração: Gabriela Sakata
Amizades na Ficção

Como duas boas “loucas das séries” temos muitas opiniões. Aquela série que a gente tem certeza que ia ficar melhor se os criadores escutassem nossos conselhos ou aquela outra série que definitivamente não deveria ter sido desenterrada. Então resolvemos preparar uma listinha com algumas coisas que já se tornaram clichês nas amizades nas séries.

  1. Melhores amigos que se apaixonam

Apesar de esse ser um dos meus tropes preferidos de romance, ele também passa uma ideia meio errada dos relacionamentos entre homens e mulheres. Bater na tecla de melhores amigos que eventualmente se apaixonam reforça a noção de que homens e mulheres não podem ser amigos sem que haja algum interesse sexual de uma ou ambas as partes. Já está na hora da gente ver amigos que são somente amigos do início ao fim do livro, né?

  1. Eu-só-tenho-um-amigo

Esse clichê é mais presente na literatura Young Adult contemporânea, e coloca o protagonista em uma situação quase de pária social – ele ou ela tem apenas um amigo, ou um único círculo de amizades com duas ou três pessoas, e é isso. Agora, sejamos honestas, quantos grupos de amigos você tem? É o pessoal da escola, a galera do condomínio, os amigos virtuais, aquele pessoal do curso de inglês… A exclusão social do protagonista que não serve para construção ou evolução do personagem é o tipo de coisa que nem deveria existir. Quanto mais amigos, melhor.

  1. Mulheres que se juntam pra se vingar do ex?

Parece que às vezes os roteiristas não entendem o conceito de amizade feminina e acham que “garotas se juntando pra se vingar do ex” é uma boa premissa. Pode parecer, num primeiro instante, algo muito empoderador e que ajuda a acabar com a falácia de que mulheres não são amigas, mas acabamos reforçando a ideia de que os homens são sempre o centro das atenções da vida das mulheres.

  1. Amigos perfeitos demais

Pode ser sincera: você já brigou com algum amigo ou amiga sua pelo menos uma vez na vida. Seja por motivos bobos ou por alguma coisa realmente grande, amigos também brigam. Mas, na ficção, as amizades às vezes parecem ser perfeitas. Vemos melhores amigos inseparáveis que têm tudo em comum e nenhum problema. Em comparação ao desenvolvimento dos romances, por exemplo, as amizades acabam ficando pouco ou até nem um pouco desenvolvidas. Por livros em que amizades tenham mais consistência, realismo e desenvolvimento, nós votamos sim!

  1. Amigas que brigam por causa de um cara

Todo mundo já viu isso pelo menos uma vez na ficção: elas são melhores amigas, indestrutíveis e inseparáveis, até que aparece um carinha bonitinho e de repente elas se odeiam por causa dele. 2018 e a gente ainda se depara com esses clichês! Além de instigar uma noção muito errada de que mulheres são rivais e que a competição entre nós é “natural”, esse tipo de clichê ainda reforça que um homem (ou a nossa vida amorosa de maneira geral) é mais importante que qualquer amizade. E a gente já sabe que não tem nada mais importante que as nossas migas, né? Já chegou a hora de isso parar.

Larissa Siriani
  • Colaboradora de Audiovisual

Larissa Siriani é uma paulistana que nunca fez a menor ideia do que queria fazer da vida - até começar a escrever. Formada em Cinema, é autora de Amor Plus Size e outros livros e comanda um vlog literário que leva seu nome. Vive em São Paulo com os pais, dois irmãos mais velhos e três cachorros, e sonha em viajar o mundo, conhecer seu príncipe encantado e encabeçar a lista de bestsellers (não necessariamente nessa ordem).

Natasha Ferla
  • Coordenadora de Cinema & TV
  • Colaboradora de Estilo
  • Audiovisual

Natasha Ferla tem 25 anos e se formou em cinema e trabalha principalmente com produção. Gosta de cachorro, comprar livros e de roupas cinza. Gosta também de escrever, de falar sobre o que escreve porque escreve melhor assim. Apesar de amar a Scully de Arquivo X sabe que no fundo é o Mulder.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos