26 de outubro de 2015 | Ano 2, Edição #19 | Texto: | Ilustração:
A ansiedade e eu

Quando tinha cinco anos, eu chorava todo dia na porta da frente da escola, com a certeza de que dessa vez – dessa vez – minha mãe tinha morrido no caminho para me buscar, ou então fugido para bem longe. A professora já não sabia mais o que fazer, todo dia isso acontecia. Enquanto eu assistia meus amiguinhos irem embora para o conforto das suas casas, entrando nos carros de seus respectivos papais e mamães, eu sentia cada vez mais medo de que minha hora nunca chegaria. Não era só um chororô de criança mimada, era a sensação de que meu mundo estava acabando naquele momento. Era a consciência esquisita de que tudo ia acabar um dia, e que talvez esse dia tenha chegado, e que agora era minha hora de sofrer. Era ansiedade, todo dia. As mãos trêmulas e suadas, a visão desfocada, a boca seca, a respiração acelerada; eu mal conseguia contar até dez direito.

Eventualmente minha mãe sempre vinha me buscar, e eu esquecia disso tudo até o dia seguinte. E por mais que o lado racional do meu cérebro de cinco anos de idade já soubesse que as chances de ela simplesmente estar atrasada eram bem maiores do que as chances de um acidente catastrófico, eu nunca me dava por convencida. E se dessa vez fosse real? “Todo dia algo novo pode acontecer”, eu pensava, e não com o fascínio de uma criança descobrindo o mundo, mas com medo, muito medo.

A ansiedade pra mim, afinal, sempre esteve atrelada com o meu medo de não saber o que vai acontecer. Dez anos mais tarde, eu descobriria na terapia que essa é minha forma de tentar controlar as coisas que na verdade nunca vou possuir controle algum, e de tentar me preparar pra todas as possíveis coisas ruins que podem acontecer. Se eu conseguir prever o futuro, talvez eu não chore tanto quando eu chegar lá. Eu não sou nenhuma Raven (na verdade, como a gente vê no fim de todo episódio, nem mesmo ela consegue determinar o próprio destino), e é claro que as crises de pânico nunca funcionaram a meu favor. Elas não me tornavam mais preparada; na verdade, eu me sentia ainda mais vulnerável, ainda mais impotente, ainda mais insegura.

Conforme fui crescendo e entrando na pré-adolescência, minha ansiedade deixou de acontecer exclusivamente em momentos especificamente assustadores para acontecer também em qualquer coisinha pequena do dia a dia. Me arrumar para a escola, sentar na carteira, pensar em levantar a mão pra perguntar alguma coisa, descer para o recreio, tentar conversar com as amigas, esperar o último sinal bater. Ao fim do dia eu chegava exausta em casa, como se tivesse completado uma maratona. Eu não contava pra ninguém, porque lá no fundo eu também achava que era tudo bobagem, e que se eu contasse me achariam idiota (outro motivo pra ficar ansiosa). Às vezes a ansiedade pode assumir essa ambiguidade pra gente, de uma coisa que tem o tamanho do mundo pra nós, mas que ao mesmo tempo também sabemos que é tão boba perto dos “problemas de verdade”.

Quando eu estava na adolescência e meus medos passaram a tomar a forma de meninas bonitas que tinham coisas ruins a dizer sobre mim, e meninos espinhentos que faziam piada sobre tudo, minha ansiedade piorou. Foi o momento que também me apropriei dela. “Que se dane que esses problemas são bobos, eles são os meus problemas.” Eu comecei a procurar conforto em livros e músicas, em personagens de meninas que diziam o que eu sentia (como a Cecilia Lisbon, em As virgens suicidas, que diz ao seu médico que “obviamente, você não sabe o que é ser uma garota de treze anos”). Meu papel de parede era uma foto da Fiona Apple usando uma armadura em um metrô, porque era exatamente assim que eu me sentia.

Eu li uma vez no Tumblr uma citação supostamente do Albert Einstein (eu nunca sei se acredito ou não nessas fontes) que “a definição de uma pessoa louca é: alguém que faz a mesma coisa de novo e de novo, esperando resultados diferentes”. Eu não quero dizer que uma pessoa que tenha um distúrbio de ansiedade seja “louca”, um termo que por si só é bastante questionável. Mas, naquele momento, me senti atingida: colocada em uma definição tão simples assim, parecia que qualquer pessoa, até eu, minha mãe ou minhas amigas, podia se identificar. Para mim, ansiedade tem tudo a ver com repetição: a consciência de que aquele sentimento familiar está se aproximando de novo, e que eu vou sentir todo aquele desconforto que eu já conheço tão bem, mais uma vez.

Quando comecei a fazer terapia, passei a encarar minha ansiedade de frente em vez de simplesmente deixar ela me consumir. É importante se fazer perguntas nesses momentos: existe mesmo um motivo plausível pra eu estar desse jeito? Existe alguma maneira que eu possa resolver essa situação? É alguma coisa que está fora do meu alcance? É importante saber manter os pés no chão porque, às vezes, a ansiedade pode fazer as coisas mais absurdas, dignas de um filme de suspense ou fantasia, parecerem reais, e a verdade é que a vida tem enredos muito mais complexos que o de um filme da sessão da tarde. Começo a compreender que eu não posso controlar tudo, e que tudo bem. Eu não preciso gastar energia (física e emocional) com as coisas que não controlo.

Eu não diria que estou completamente curada da minha ansiedade. Talvez eu nunca esteja, porque talvez ela seja parte de mim, e isso é OK também. Não sinto mais tanto medo, e sei que posso lidar com isso. Às vezes, ela pode até ser útil: as coisas com que nos preocupamos dizem muito sobre a gente.

Esses dias eu assisti novamente um dos meus vídeos favoritos de slam poetry, chamado Anxiety Group, da Catalina Ferro. Ela fala sobre como nós, os ansiosos, temos lá no fundo uma vontade excruciante de viver. “Porque não tem como você ter tanto medo de perder tudo se você não amar tudo primeiro; porque você tem que ter uma esperança esmagadora de que as coisas vão ficar melhores, pra ter tanto medo de que você não vai estar lá pra ver isso acontecer”. Existe muita energia concentrada na ansiedade. Eu acredito que é essencial aprender a canalizar essa energia a nosso favor, convertê-la em algo que de fato vai nos ajudar a aproveitar mais as nossas vidas. Todos nós, e especialmente nós, mulheres, temos uma capacidade de resiliência e sobrevivência muito maior do que imaginamos. Agora, respire bem fundo. <3

Natália Schiavon
  • Ilustradora
  • Colaboradora de Poéticas
  • Colaboradora de Artes

Natália tem 21 anos e estuda Design Gráfico em Bauru. Apaixonada por ilustração e histórias em quadrinho. Ama consumir qualquer tipo de arte feita por mulheres. Pensa no universo com frequência. Ainda está se adaptando à sua forma física.

  • Moon Valkyrie

    ;o; Esse texto me representa!

    “Porque não tem como você ter tanto medo de perder tudo se você não amar tudo primeiro; porque você tem que ter uma esperança esmagadora de que as coisas vão ficar melhores, pra ter tanto medo de que você não vai estar lá pra ver isso acontecer” – ARREPIEI.

  • Carol Frollini

    que texto foda!
    vc faz design na unesp??

    • Natália Schiavon

      faço sim, em Bauru! vc é de lá tb?

      • Carol Frollini

        faço química lá! haha

  • Lorena Piñeiro

    Natália querida, nós poderíamos ter nos ajudado muito na adolescência.
    “Existe muita energia concentrada na ansiedade.” Sim, sim, sim.
    Força! <3

  • Samara Correia

    Nossa, eu passei pela mesma ansiedade quando criança. Chorava todos os dias quando minha mãe não chegava no horário do trabalho, minha imaginação criava diversas possibilidades catastróficas para o atraso, tudo parecia fazer mais sentido que um congestionamento ou uma ida até a padaria. Era uma angústia sem fim, medo de ficar só, de perder quem eu amava, de não ter feito nada para salvar aqueles que eu amava… Conforme fui entrando na adolescência esse medo foi diminuindo, tomei consciência do absurdo que era viver na minha imaginação e não no mundo real e aceitei, pelo menos um pouco, que não tinha controle sobre nada, que não há como segurar todo o mundo nas próprias mãos. Ainda me considero ansiosa, mas não de uma forma que comprometa minha saúde ou minha vida social, falar sobre esses medos ajudou bastante… E assim como você, estou aqui para dizer que SIM, somos fortes, podemos superar todos esses obstáculos e tirar o melhor daquilo que somos. <3

  • Ana Carolina Teixeira

    Que texto lindo Natália, me definiu tanto!

  • Carolina Santos

    que lindoooo, me identifiquei horrores <3

  • luizavilela

    Obrigada, Natália! Tava precisando <3

  • Larissa

    “descobri” minha ansiedade nos últimos meses. mas ao ler o texto, me identifiquei muito. muito mesmo. e me fez perceber que talvez eu tenha sido uma pessoa ansiosa a vida toda. com costume de pensar em tragédias quando minha mãe se atrasava pra me buscar e ficar extremamente mal com isso; com um medo absurdo de levantar a mão pra perguntar algo ao professor (mãos suadas, coração acelerado)… enfim, coisas que aconteceram a vida toda, e ainda acontecem, exatamente como você descreveu, e eu nunca dei muita importância… pelo menos, não tanto quanto deveria, acredito. enfim… obrigada.

  • Helen Brites

    Fiquei ASSUSTADA quando você falou da sua infância, porque passei pelo mesmo! E o pior: minha mãe me buscava com 1 a 2h de atraso. Ela simplesmente perdia a hora, esquecia, eu sei lá.

    Junto com esse desespero que eu sentia por UMA A DUAS HORAS(acreditem, é coisa PRA CARALHO. 10 minutos desesperadores já é coisa pra caralho), vinha aquela vontade imensa de chorar, mas eu não chorava porque iam me perguntar o motivo do meu choro. E eu tinha vergonha, sabe? O que eu iria explicar? Que a minha imaginação está me fazendo chorar? Não soa como uma louca? Ririam de mim, me achariam fofa, ou sei lá… só sei que ninguém me ajudaria, porque era só algo da minha cabeça, não era uma perna quebrada.
    Aí eu prendia o choro por uma ou duas horas, e minha garganta chegava a doer, de verdade… digo, dor física mesmo.

  • http://equantoapepsi.blogspot.com.br Juliana

    Quando a gente lê aquilo que precisava :3

  • Pamela Lima

    Tava precisando disso agora. (desse texto) 😉

  • Pingback: Links Interessantes | Casa Carolina()

  • Thaina

    Estava precisando muito ler isso, muito obrigada <3
    Me identifiquei com tudo

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos