19 de abril de 2017 | Poéticas | Texto: | Ilustração:
Ainda assim eu me levanto
Processed with VSCOcam with p5 preset

“Você pode me riscar da História

Com mentiras lançadas ao ar.

Pode me jogar contra o chão de terra,

Mas ainda assim, como a poeira, eu vou me levantar.”

Fotografar com velocidade muito baixa pode resultar em imagens distorcidas, trêmulas e borradas. O foco de um retrato, na técnica do Lightpainting, se dá no que está mais visível: o resto fica às margens, apagado, diria até desumanizado. Uma consequência técnica já muito diz, ou acredito que deveria dizer, sobre o que se quer registrar. Para realizar este ensaio, pedi para que mulheres próximas a mim escrevessem, com uma lanterna, valorações recebidas que as tivessem marcado de alguma forma.

Processed with VSCOcam with c1 preset

Em 2013, me deparei com Still I Rise, poema da Maya Angelou e, por meses, suas palavras ecoaram comigo. Quando nada estava bem, elas reverberavam como se pedissem licença para ajustar as frequências aqui dentro.

A escritora negra norte-americana já nos disse adeus, mas deixa um legado incomunicável. Este, para mim, mostrou-se sempre sob a forma de representatividade e inspiração e, a partir dele, surgiu a ideia de um ensaio que, inevitavelmente, adotou o mesmo título, traduzido: Ainda assim, eu me levanto.

“Pode me atirar palavras afiadas,

Dilacerar-me com seu olhar,

Você pode me matar em nome do ódio,

Mas ainda assim, como o ar, eu vou me levantar.”

Processed with VSCOcam with m5 preset

Processed with VSCOcam with c1 preset

Processed with VSCOcam with m5 preset

Processed with VSCOcam with c1 preset

6 8 9 10

Processed with VSCOcam with m5 preset

12

14

Agradecimentos: Erika Cristina Zordan, Ana Lidia Guerrero, Sil Maia, Gabriela Levy, Isabella Shimizu, Dandara Albuquerque, Julia Quinan e Daniella Viana.

Sara Ramos
  • Colaboradora de Poéticas
  • Colaboradora de Sociedade
  • Revisora

Sara Ramos, 20 anos. Tocantinense que largou tudo para estudar Produção Editorial no Rio de Janeiro. Preta, lésbica e feminista interseccional, enxerga o ativismo e a pesquisa acadêmica ativista (pois é) como potências transformadoras. É apaixonada pelo fazer literário, pela fotografia e pelo mar. Quer viver num mundo em que todas as histórias tenham o direito de ser contadas.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos