9 de fevereiro de 2018 | Ano 4, Edição #42 | Texto: e | Ilustração: Ana Maria Sena
Amizade à distância
Captura de Tela 2018-02-07 às 22.35.02

Às vezes a amizade começa com uma convivência diária – na escola, no prédio, no trabalho – mas depois de um tempo a vida acontece e a distância se impõe. Outras vezes essa amizade já começa com a distância física. Desde que a internet entrou no nosso cotidiano, isso se tornou cada vez mais comum: amigos que se conheceram em salas de bate-papo, fóruns de discussão, comunidades do falecido orkut, grupos do Facebook, etc.

Visitando a casa museu da Jane Austen, que nos uniu.

Visitando a casa museu da Jane Austen, que nos uniu.

A nossa amizade (Deborah e Mari) começou virtualmente em meados de 2012, quando uma de nós estava em Londres e a outra no Rio de Janeiro. Unidas pelo nosso amor por romances de época e pela escritora Jane Austen, nós nos esbarramos em um grupo do Facebook e começamos a trocar recomendações e opiniões sobre livros e séries. Esse bate-papo cruzador de oceanos acabou virando uma grande amizade, principalmente depois que nos conhecemos pessoalmente no final de 2012 em Edimburgo, na Escócia. Desde então, viramos melhores amigas, viajamos juntas, visitamos uma a outra, cantamos em ônibus, e até tiramos selfies com celebridades (se conhecer celebridades não une as pessoas, sabe-se lá o que vai unir haha!). Sempre que nos encontramos, é como se pouquíssimo tempo tivesse de fato passado e a conversa flui como se nunca tivesse parado. Falando assim, parece que a gente passa mais tempo perto do que longe, mas a verdade é que aproveitamos nossos dias juntas com muita energia (nem que seja só comendo pizza no sofá e batendo papo até às 3 da manhã) e na maior parte do ano, estamos cada uma em seu canto do mundo, mas em constante comunicação – e nessas horas, a internet é a ferramenta mais importante em manter aquela conversa em fluxo constante.

Conhecemos o Sam Heughan, o Jamie de Outlander,  quando ele ainda estava gravando a primeira temporada. A gente ainda não superou.

Conhecemos o Sam Heughan, o Jamie de Outlander,
quando ele ainda estava gravando a primeira temporada. A gente ainda não superou.

Pensando na nossa amizade, a gente preparou uma listinha com dicas pra ajudar a manter a chama de uma amizade à distância acesa.

Comunicação

Em 1808 Jane Austen escrevia para a irmã e melhor amiga: “Minha querida Cassandra, por onde começar? Qual dos meus importantes nadas devo contar primeiro?”. Mesmo no século XIX, tendo que se comunicar por cartas, as duas não passavam mais do que uns dias sem fofocar. Hoje em dia fica muito mais fácil se manter atualizada sobre as novidades na vida da BFF com Facebook, Instagram, Twitter, Whatsapp, etc. E de vez em quando dá pra marcar aquele papo mais longo por Skype ou Google Duo que é quase como um encontrinho. Dificilmente um dia se passa em que a gente não converse nem que seja pra compartilhar um link ou rir de um meme juntas-à-distância.

Encontros

E por falar em encontrinhos, eles também são fundamentais. Lógico que pra quem mora longe eles acabam sendo difíceis e raros, por isso o mais importante é aproveitar ao máximo quando surge a oportunidade de se ver. Apesar da distância, a gente ficou tão próxima que já conhecemos os amigos e pais uma da outra, o que facilita muito quando rola um encontro. Então conseguir integrar as pessoas é uma dica valiosa porque você não precisa ficar se dividindo para dar atenção a todos e consegue aproveitar melhor o tempo. Sem falar que é muito mais legal quando seus amigos e sua família se curtem.

Captura de Tela 2018-02-07 às 22.09.10

A foto de cima é da primeira visita da Deborah ao Rio de Janeiro.  A de baixo é da primeira visita da Mari a Porto Alegre.

A foto de cima é da primeira visita da Deborah ao Rio de Janeiro.
A de baixo é da primeira visita da Mari a Porto Alegre.

Planos

Os encontros são essenciais e apesar da vontade de que eles sejam frequentes, muitas vezes eles acabam não passando de uma vez por ano e por pouco tempo. Ainda assim, sempre ajuda saber quando é a próxima vez que a gente vai se ver e planejar com antecedência o que gostaríamos de fazer juntas (mesmo quando acabamos comendo pizza no sofá – como vocês podem ver, pizza e sofá são muito importantes na nossa amizade). No nosso caso, turismo literário é o que há, por isso batemos ponto em todas as livrarias, sebos, museus, estátuas e casas de escritores que você possa imaginar, fazendo várias pausas para cafés e bolinhos no caminho.

 

Captura de Tela 2018-02-07 às 22.13.43

Somos fãs de selfies com estátuas.

Somos fãs de selfies com estátuas.

Existem muitas formas de ser amiga, mesmo à distância. Você tem amigas ou amigos que moram longe? Quais as estratégias que vocês usam pra manter o contato? Conta pra gente!

 

Mariana Fonseca
  • Coordenadora de Saúde
  • Colaboradora de Literatura e do Leitura das Minas

Mariana tem 25 e se formou em medicina. Carioca, ama viver no Rio de Janeiro, mas sonha em voltar para a Escócia. É feminista deboísta e acredita que todo mundo merece chá.

Deborah Simionato
  • Colaboradora de Se Liga
  • Revisora

Deborah tem 28 anos, é formada em psicologia, mas a paixão pelos livros fez com que ela se entregasse a um mestrado e agora a um doutorado em Literaturas de Língua Inglesa. Gaúcha tentando a vida em Londres, Deborah pode ser encontrada frequentemente devorando livros e xícaras de café, e acredita que a vida seria melhor se fosse um musical cheio de música e dança.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos