25 de agosto de 2014 | Cinema & TV, Música | Texto: | Ilustração:
Amizades na música

AmizadesNaMusica-IsadoraMIlustração por Isadora M.

Crescemos sendo ensinadas que mulher não pode oferecer as qualidades que nós, enquanto mulheres, precisamos para uma amizade. É uma ideia tão absurda que é um mistério como ela conseguiu ser enraizada na nossa cultura. Então quer dizer que eu, apesar de ser mulher, tenho que ser competitiva com outras mulheres, vendo-as estritamente como inimigas em potencial, falsas e cínicas, manipuladoras e chegadas em uma intriga? A lógica desse pensamento é incrível: me diz que independentemente de eu me ver como mulher e não me ver em nenhum desses adjetivos, eu tenho que simplesmente aceitar que todas as mulheres são dessa maneira e pronto. Da mesma maneira que todas as mulheres do mundo não podem me oferecer amizade verdadeira, eu também não posso, e vou invariavelmente trair a confiança delas na primeira oportunidade. Sério isso?

Se essa pressão de não confiarmos umas nas outras existe conosco, ela pode ser ainda pior quando estamos falando de mulheres famosas. Me chamou atenção, umas semanas atrás, um suposto ‘escândalo’ entre as cantoras Lorde e Iggy Azalea – essas intrigas na mídia acontecem o tempo todo, mas eu achei o desfecho especialmente interessante.

Lorde participou de um tributo a Kurt Cobain, e Iggy comentou que não achava apropriado que a cantora neozelandesa fizesse um tributo a alguém que nunca tinha sido um ‘companheiro’, amigo, etc. dela. E é óbvio que tentaram distorcer esse comentário ao máximo para que soasse o mais ofensivo possível, a ponto de provocaram uma resposta de Lorde. Ela disse ao Herald Sun, “Eu me diverti, e acho que isso é o que importa. Eu já estive na posição de ter dito algo em uma entrevista e depois pensar, ‘Droga, queria poder voltar atrás’. Eu não sei como (Iggy) está se sentido sobre o que ela falou, mas qualquer pessoa que está indo bem merece respeito, e eu a respeito.” Oops. Ela não atacou de volta a um suposto ataque? Vish. E fica melhor: Iggy Azalea respondeu à situação com cinco tweets seguidos. Além de especificar que a opinião dela sobre tributos não teve nada a ver com a performance de Lorde em específico, declarar que considera Lorde sua (talentosa) amiga, ela ainda finaliza com: “Eu não quero que o mundo fique pensando que eu não apoio garotas, porque eu apoio!”. Apoiemos, então.

Ainda no tópico Lorde, uma amizade que surpreendeu todo mundo foi a dela com Taylor Swift. Ano passado, ela havia criticado Taylor Swift antes de conhecê-la, por ser “muito perfeita e inatingível”, distanciando-a muito dos fãs. Apesar de não ter sido uma crítica tão pesada quanto a feita a outros ídolos pop, ainda assim fez com que o mundo inteiro franzisse o cenho para ela. Meses depois, ela lançou uma meia desculpa no Tumblr pessoal, especificamente em relação ao que ela tinha dito à Taylor. Mas isso não terminou assim: pouco tempo depois, as duas começaram a sair juntas. Na foto do aniversário da Taylor, adivinha quem estava ao lado dela, abraçando-a? Se você disse neozeolandesa com cabelo fabuloso, você acertou. Desde então, elas já saíram juntas um milhão de vezes, já tiveram aula de culinária juntas, e foram adoráveis juntas. No dia 24/08, depois da Lorde ganhar na categoria de “Melhor Clipe de Rock” no VMA 2014, a Taylor simplesmente teve um surto de felicidade pela amiga. Fofas, né?

448358-a3fb8d98-2232-11e4-bee2-80d82dcd29df Fonte da imagem

Apesar da relação entre Iggy Azalea e Charli XCX ser um pouco mais voltada para interações profissionais—apesar de serem potencial para “awn” também—Charlie XCX tem sua própria BFF: Marina and the Diamonds. Em maio de 2013, as duas fizeram um tour pelos Estados Unidos e Canadá, e em maio, escreveram a música Just Desserts juntas, com download gratuito em ambos Soundclouds delas. Apesar das duas serem bem mais fechadas sobre suas vidas pessoais, várias fotos lindas das duas apareceram, e elas sempre têm alguma coisa boa a dizer uma sobre a outra.

bcbd8c9417a7cfa1a83c6ea7ff8e110cFonte da imagem

Ficando no Reino Unido ainda, é difícil não falar de Little Mix ao falar de amizade entre meninas. Em 2011, no X-Factor, as quatro tentaram a sorte como solistas e não passaram. Os juízes resolveram agrupá-las em dois grupos diferentes, que também não passaram. Mas uma terceira estratégia, que foi colocá-las juntas, surtiu efeito o suficiente para, no fim das contas, ganharem o programa, coisa que antes nunca tinha acontecido com um grupo. Elas são importantes porque foram o primeiro girl group desde Pussycat Dolls a conseguir entrar no TOP5 americano com o primeiro álbum. Mas, além disso, elas só são muito importantes pra essa lista porque falam em todas as oportunidades sobre o quão cada uma é muito importante em um nível pessoal, porque tiram selfies juntas (sério, selfie é uma coisa que acontece bastante), vivem defendendo umas às outras contra fãs de certas boy bands que resolvem odiá-las por quem elas namoram, e já até moraram juntas.

little-mix-mms-union-jack-1Fonte da imagem

Essa curtinha lista não pretende abranger todas as amizades femininas do mundo musical, só exemplificar algumas das mais recentes e que mais tocam o coração da colunista que vos escreve. É com muito orgulho, peito estufado, e sororidade, que esses casos estão cada vez menos raros. Não existe motivo real para uma mulher se sentir insegura ou ameaçada por outra mulher. Parafraseando as palavras de Iggy Azalea, nós devemos apoiar umas as outras.

E aí, depois dessas fotos lindas dessas mulheres incríveis e suas amigas incríveis, qual a sua amizade preferida de mulheres no mundo da música?

Gabriela Martins
  • Colaboradora de Cinema & TV

Apaixonada por seriados, escrever e dar aula. Estudante de letras, professora de inglês, escritora amadora enquanto um agente literário não se apaixona e diz que ela é tudo que sempre sonhou. Acredita veementemente na capacidade de cada um de salvar o mundo, e tem uma metáfora capa de super-heroína que veste mentalmente em situações difíceis.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos