29 de outubro de 2014 | Tech & Games | Texto: | Ilustração:
Aplicativos das minas: lidando com nosso corpo e nossa sexualidade
Ilustração: Dora Leroy

Ilustração: Dora Leroy

Considerando que vivemos na era da tecnologia, na qual muita gente anda de smartphone e tablet para cima e para baixo, e existem milhões de serviços que podem auxiliam nossas vidas, achamos importante apresentar para as leitoras alguns aplicativos que tentam nos ajudar a pensar e entender nosso corpo.

Existem diversos apps legais que auxiliam a mudar sua rotina, seja para beber mais água, praticar exercícios ou mesmo para sair do computador.

Entretanto, proponho incluir nesse texto as questões hormonais, que uma parcela das mulheres tem que lidar, e como cuidamos e compreendemos nossos corpos, seja no sexo ou na masturbação. Nem todas precisamos de aplicativos de controle de ciclo menstrual ou de pílula anticoncepcional, mas para aquelas que precisam, aqui vão algumas dicas.

CICLO MENSTRUAL

P Tracker, ou Period Tracker, também chamado de Calendário Menstrual, é um aplicativo ótimo, simples e gratuito que você pode encontrar no Google Play e na Apple Store. Uma outra opção, ainda mais fofinha e frufru, é o LoveCycles, que também pode ser baixado em diferentes plataformas. É só checar no site do aplicativo.

Esse tipo de software funciona de maneira fácil: você anota quando menstruou, quando parou e seus sintomas, e o sistema te ajuda a acompanhar como é o seu ciclo.

PILULA ANTICONCEPCIONAL

Alguns apps de ciclo menstrual já possuem uma ferramenta de controlar a pílula também, mas o myPill é um aplicativo muito rápido que não falha em te lembrar a hora certa de tomar a sua. Você pode encontrá-lo tanto na Apple Store, quanto no Google Play.

Agora, vamos falar sobre educação sexual: é difícil encontrar qualquer tipo de informação sobre masturbação, ou mesmo sexo, de um ponto de vista feminino. Por isso, juntamos aqui alguns sites/apps que possuem conteúdos bons e informativos para todas compreendermos mais dos nossos próprios corpos!

MASTURBAÇÃO

Há um tempo atrás saiu a noticia sobre um aplicativo americano desenvolvido por uma mulher sobre masturbação feminina, o Happy Play Time. Infelizmente, ele não pôde ser disponibilizado para download por conter “conteúdo explicito” e “pornográfico”. Mas agora, o joguinho está disponível para ser acessado no computador (só que é tudo em inglês).

Quando falamos de aplicativos que “brincam” de certa forma com a questão da sexualidade (muitas vezes oprimida) da mulher, também temos que pensar nas outras implicações dos tais joguinhos – ou melhor, nos possíveis riscos de uma “gamificação” da sexualidade. O Tumblr Derrubando o patriarcado um-servidor-por-vez publicou no começo do ano a tradução de um texto da Anna Anthropy muito legal para a discussão.

Além desse material, também tem o texto da Érika Pellegrino no Blogueiras Feministas que trata sobre a masturbação feminina de forma bem clara e didática. Ela não deixa a desejar, uma vez que também apresenta outras questões de educação sexual.

EDUCAÇÃO SEXUAL

Achar materiais confiáveis na internet às vezes parece uma missão impossível, principalmente quando se trata de um assunto considerado tabu: o sexo. A importância da educação sexual na vida de qualquer pessoa é inquestionável, mas infelizmente ainda não existem aplicativos em português que deem conta do recado, já que muitas vezes acabam excluindo mulheres trans, bis e homossexuais.

Por esses e outros motivos, decidi juntar uma série de links que discutem a educação sexual de mulheres de forma clara e didática:

“Sexo na adolescência: maturidade e autonomia”, texto de Liliane Gusmão.

“Você gosta de pornô?”, texto por Ana Freitas.

“Pare de dizer às lésbicas que elas estão fazendo isso errado”, texto de Lindsay King-Miller e tradução de Bia Cardoso.

“Um pouco sobre sexo e sexualidade”, texto de Hailey.

“(In)visibilidade bissexual”, texto de Jussara Oliveira e Thayz Athayde.

“Por um conceito de sexo transfeminista”, texto de Bia Bagagli.

Essa seleção mostra apenas uma parcela das discussões sobre sex ed (educação sexual) que atingem as mulheres. Existem outros vários pontos de vista sobre o assunto e esses exemplos servem para intrigá-las a pesquisarem mais sobre o tópico e conhecerem mais seus próprios corpos e o de seus parceiros.

Existem várias opções digitais hoje em dia sobre os temas apresentados. Qual é o seu favorito? Você já usou algum dos sites/aplicativos que citamos? Tem alguma recomendação? Uma vez que é difícil encontrar conteúdos sérios e informativos sobre o corpo da mulher, em especial sobre sexo, seria muito legal se vocês, leitoras, também compartilhassem suas leituras!

Gabriela Sakata
  • Ilustradora
  • Colaboradora do Tecnomanícas
  • Colaboradora de Artes
  • Colaboradora de Poéticas
  • Audiovisual

Gabriela, 24, moro em São Paulo/SP. Gosto de assistir documentários e umas bobagens no Netflix, ficar no Tumblr e assistir videos no Youtube. Além disso adoro achar músicas novas pra escutar, conversar sobre política, jogar Age of Empires ou Sims e ler teorias da conspiração. Estou cursando Artes Visuais e tenho um instagram com minhas ~~artes~~ (@bbbibilandia).

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos