15 de novembro de 2014 | Ano 1, Edição #8 | Texto: | Ilustração:
A arte é missão: a história do Movimento Armorial

Quando ouvi “movimento armorial” pela primeira vez, me veio uma imagem mental de centenas de pessoas em marcha pelos direitos de ter porte de arma. Mas não é. Chocante. Movimento armorial é uma vertente artística que busca criar arte erudita partindo de elementos comuns da cultura popular do nordeste brasileiro, abrangendo música, literatura, dança, teatro, cinema, etc.

Entre as representações artísticas importantes valorizadas neste movimento, podemos citar a literatura de cordel, na qual o Movimento Armorial se inspirou, levando os versos para a literatura, a declamação ao teatro, as rimas para a música, e as gravuras para as artes plásticas.

O movimento armorial surgiu na década de 1970, um período de muitas transformações sociais, como a repressão política do regime militar e do movimento Tropicália – que surgiu ainda no fim da década de 60. Quem começou com esse movimento foi o artista Ariano Suassuna. Para ser mais precisa, Suassuna lançou o movimento no dia 18 de outubro de 1970, na Igreja de São Pedro dos clérigos, em Recife.

Ao contrário do sertão apresentado na literatura de Euclides da Cunha, que mostrava algo mais rústico e desgracioso, o sertão apresentado por Suassuna era colorido, alegórico, rico. Foi com Suassuna que o Sertão ganhou uma magia em sua representação e nos encanta ainda hoje, mais de 4 décadas após seu surgimento.

Elenco e cenário de A Princesa e o Sapo, peça teatral de 2013, que traz elementos do Movimento Armorial. Fonte: globo.com

Elenco e cenário de A Princesa e o Sapo, peça teatral de 2013, que traz elementos do Movimento Armorial.
Fonte: globo.com

Priscylla Piucco
  • Membro do Conselho Editorial
  • Coordenadora de Relacionamentos & Sexo

Priscylla. Apaixonada por seriados, kpop, reality show ruim, Warsan Shire e as Kardashians. Odeio o Grêmio e cebola. Prazer, pode chamar de Prih agora.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos