Bia Quadros
  • Coordenadora de Música
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Ilustradora

Bia na verdade é Beatriz e tem 20etantos anos. É do RJ, nunca saiu de lá e é formada em Artes Visuais. Transita entre ilustrações, pinturas, textos, crianças e frustrações. Tudo que está ligado a arte faz, sem vergonha e limite. Já fez algumas exposições, já fez algumas vitrines, vive fazendo um monte de coisa. Uma Metamorfose Ambulante.

13 de fevereiro de 2016
Há um tempo não tão distante eu não tinha prazer em nada. Mesmo namorando, mesmo com trabalho e dinheiro, simplesmente não conseguia ver um bom motivo...
16 de janeiro de 2016
Este texto é um apelo. Lembrando sempre que a culpa não é nossa, e sim de uma sociedade inteira que nos diz desde sempre o que fazer e como agir. Quando...
9 de janeiro de 2016
Basta dizer a alguém “tenho uma coisa para falar com você amanhã” para que a expectativa seja implantada. Claro que qualquer novidade que esteja...
27 de dezembro de 2015
fonte da foto de Preta Rara: Do lado de cá 2015 acaba esta semana e convocamos as colaboradoras da Capitolina para eleger as melhores músicas do ano....
19 de dezembro de 2015
Quando eu era mais nova, algumas frases resumiam a visão minha e de amigas sobre namoros: “Quem me ama não me quer.” “Não vai dar...
6 de dezembro de 2015
Quando conheci a Lorde pela primeira vez, me encantei pela música Royals e principalmente pelo clipe. Ella, o nome verdadeiro da cantora, para mim era...
6 de dezembro de 2015
Somos energias. Positivas ou não, espalhamos energias de acordo com o que os nossos corações estão sentindo ou não. Sem querer, dependendo de como...
11 de outubro de 2015
Acontece. Lá está você ouvindo rádio no ônibus e começam os primeiros acordes. Seu coração acelera e sua respiração fica ofegante.  Sem querer, sua...
26 de setembro de 2015
Quem nunca ouviu esta história de não poder ficar do lado de gente com “energia negativa” porque assim irá atrair este tipo de energia para você e...
Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.