Carolina Walliter
  • Revisora
  • Colaboradora de Esportes
  • Colaboradora de Literatura

Beatlemaníaca que gosta de sambar diferente com o Molejão, gosta de carnaval e de futebol mais que o recomendado pela OMS. Carioca da gema e cidadã do mundo, tradutora, intérprete, historiadora, mochileira, nômade digital, rabiscadora compulsiva em moleskines (não necessariamente nessa ordem) mas, antes de tudo, uma contadora de histórias, sobre si e sobre os outros. Escreve sobre o cotidiano da tradução em: http://pronoiatradutoria.com/

12 de setembro de 2015
Das poucas lembranças nítidas que tenho da minha infância, uma delas é a estante de livros daqui de casa, repleta de lombadas coloridas que tentam se...
10 de setembro de 2015
Já que dividimos o berço esplêndido desse Brasil varonil com ninguém menos que a melhor futebolista do mundo, assim eleita por cinco vezes consecutivas,...
3 de setembro de 2015
Devido a um gigantesco estereótipo, quando ouvimos a palavra esporte, já franzimos a testa, fazemos cara de tédio e pensamos “bom, agora é hora de ir...
5 de agosto de 2015
Vamos combinar: comer é uma das coisas mais maravilhosas da vida! Afinal, é em torno das refeições, lanches e belisquetes que a nossa vida social se...
29 de julho de 2015
Todos nós temos segredos, dos cabeludos aos mais leves, quase de estimação, que guardamos para nós por vergonha de admitir ou porque eles simplesmente...
13 de julho de 2015
A ditadura civil-militar* foi um infeliz episódio na história do nosso país, bem como na trajetória de outros vizinhos latino-americanos. Durante duas...
7 de julho de 2015
Quantas vezes assistimos a cenas em filmes que retratam situações em confessionários que desvirtuam o propósito desses espaços? Os "causos" contados não...
4 de junho de 2015
Hoje, uma das principais constatações sobre a vida contemporânea é o quanto ela está pautada na comunicação que, por sua vez, é viabilizada por...
Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos