Laura Athayde
  • Ilustradora
  • Quadrinista

Laura Athayde é advogada por profissão e desenhista por teimosia. Após terminar a pós graduação em Direito Tributário, em 2014, passou a dedicar-se à ilustração e ao quadrinhos. Participou de diversas publicações coletivas como o Zine XXX, Zine MÊS (outubro/14), o livro Desnamorados, Zine Amendoim e Acerca Zine, dentre outros. Lançou também dois zines individuais, Delirium e O Mundo é Um Jogo e Eu Só Tenho Mais Uma Vida, que podem ser lidos online em http://issuu.com/lauraathayde. Atualmente, desenvolve uma HQ longa de sua própria autoria em parceria com a Editora Tribo.

13 de junho de 2016
“Yaoi” é uma sigla que, em japonês, significa “yama nashi, ochi nashi, imi nashi”. Em português, o termo se traduz como “sem clímax, sem...
15 de maio de 2016
O aumento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal e a grande pergunta: crise pra quem? No dia 03 deste mês, foi aprovado pela Câmara dos...
27 de abril de 2016
...
29 de março de 2016
...
4 de março de 2016
Nós, da Revista Capitolina, demonstramos nosso total apoio à Lovelove6 e a todas as minas quadrinistas. Todas nós sabemos que não é fácil se estabelecer...
18 de dezembro de 2015
Sabe aquele dia em que você não consegue dormir a madrugada inteira, cai no sono com o sol raiando e só acorda às quatro da tarde? Aquele dia em que você...
18 de novembro de 2015
A Igreja Católica foi a instituição mais influente da Europa medieval. Além de acumular terras, os mosteiros eram praticamente os únicos centros de...
13 de outubro de 2015
Esta é mais uma história real da série "Aconteceu Comigo"! Pra ver as outras tirinhas e enviar a sua história, acesse a página do face da...
22 de setembro de 2015
“Meninas são mais delicadas, meninos são mais brutos”; “garotas são emotivas, garotos são racionais”; “mulheres são boas em afazeres manuais e...
Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos