Yasmin Lopes
  • Colaboradora de Saúde

Yasmin, 22 anos. Nasceu e vive em São Paulo, porém sonha com o mar. Gosta de músicas tristes e tem medo de pessoas efusivas e felizes demais. Quando não está com fome, está com sono, mas pode esquecer dos dois se está com uma câmera na mão. Se espreguiça a cada meia hora, tem um humor bobinho e sorri muito fácil. Leva a gentileza muito a sério, sim. Apesar disso, não perde uma briga quando necessário. Passa mais da metade de seu dia imersa no que estuda, Terapia Ocupacional, e acha isso maravilhoso. Não moraria em uma casa sem plantas, faz dancinhas ridículas no quarto e mantém um caderno quase-secreto de colagens e textos.

27 de abril de 2016
Faça um pedido. Eu via o bolo, as velas apagadas, minha família do outro lado da mesa olhando com aquela carinha fofa de expectativa e alegria. Me davam a...
4 de janeiro de 2016
Vamos falar sobre crianças? VA-MOS (voz da tia Juliana do jardim de infância), mas relaxa que eu não sou dessas fanáticas. É engraçado, né, mas as...
20 de novembro de 2015
Prepare-se que este texto contém imagens de burocracia, conservadorismo, maconha, mães maravilhosas e muita, muita luta! Hoje na nossa querida editoria de...
2 de outubro de 2015
O tema de Capitolina deste mês é crescimento. Quando estamos na adolescência fantasiamos muitos sobre o momento final em que levantaremos de manhã e...
25 de setembro de 2015
Você já ouviu falar do SUS, o Sistema Único de Saúde? Se sim, você sabia que esse nosso sistema é referência mundial em saúde? E que ele foi...
6 de setembro de 2015
Nós somos sempre notadas por sermos mulheres, e o que tudo isso implica. O que vestimos, nosso jeito de falar e de agir, lugares que frequentamos. São...
4 de setembro de 2015
Nesse último ano a Capitolina cresceu e a gente decidiu abrir novas editorias. Agora, uma vez por semana, a gente vai falar de saúde com vocês. Mas o que...
Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.