10 de julho de 2017 | Ano 4, Edição #35 | Texto: e | Ilustração: Kimie Noda
Aventura nas férias!
aventura_nas_férias (1)

Como Aristóteles bem colocou, exatamente entre a confiança e o medo, reside a coragem. É a virtude do equilíbrio, uma vez que ela se encontra na justa medida do arco entre esses sentimentos de imprudência e covardia, garantindo a superação do temor de fazer algo, e o juízo de não se arriscar demais.

Assim, capaz de guiar a maioria de nossas ações, é por causa da coragem que conseguimos aquele empurrão para pôr em prática todas as coisas que pareciam vontades longínquas. Seja por vergonha, um sentimento de incapacidade ou simplesmente porque a rotina engessou os hábitos, é preciso utilizar essa virtude para dar um passo à frente, acreditar que somos capazes e até mesmo quebrar rotinas.

E por que não aproveitar tempos de solstício de inverno – leia-se também recesso, férias e afins – e ir se engajar numa mini aventura? Eis aqui algumas sugestões para você fermentar na cabeça, tentar praticar, levar como base ou usar de quaisquer outras formas que quiser:

1_-_autoconhecimento
Entrando em contato com seu eu interior, ou: tempo livre = tempo de autoconhecimento

Às vezes, mais do que sair de casa e ir enfrentar o mundo, é preciso ter bravura na hora de voltar o olhar a si mesma. De esoterismos ao campo científico, o caminho pode ser múltiplo: desde fazer seu mapa astral completo, até o estudo da psicanálise e alguns campos filosóficos. E cada um – ou tudo isso junto – pode ser feito sem sair de casa e diretamente do conforto do seu cobertor.

Mas como nem tudo são flores, a dificuldade surge na hora de começar a estudar os temas. Por isso, procure montar uma linha coesa de lógica na hora de escolher as obras a serem lidas; nos casos de filosofia, que tal iniciar por autores introduzindo o pensamento de um outro clássico? Normalmente essas publicações são mais acessíveis e propiciam uma boa base.

Para seu mapa astral, a coisa pode fluir da mesma forma. Procure livros para aprender sobre astrologia e a montar seu próprio mapa. Agora, se você se prefere que previsões venham de terceiros, procure indicações de amigas que já consultaram uma astróloga. É importante ressaltar, aliás, a seguinte observação: a astrologia é lida com probabilidades, e não determinações. Ela pode ser uma boa ferramenta na hora de se conhecer e se precaver, mas o seu destino ainda cabe a você.

2-documentário

Colocando a mão na massa: fazendo um mini-doc

Sabe aquela ideia que irrompe na cabeça? Um tema que pipocou enquanto estava de bobeira, uma pessoa da família com uma história de vida incrível? Ou então um evento, durante um percurso, em que algo chama sua atenção? Se algo dentre todas essas opções foi suficientemente interessante para despontar algum tipo de atração, por que não se engajar e começar a produzir em cima dessa ideia?

Para tanto, o básico diz respeito ao planejamento. Ou seja, pesquisar bastante sobre, escrever um roteiro e decidir o formato – expositivo, poético? – que irá combinar mais com sua concepção. Na hora de criar, apesar de imprescindível certa organização, tudo é válido dentro da sua lógica pessoal, e, da mesma forma, o equipamento: uma câmera de celular e um programa de edição de vídeos podem sim dar conta do recado.

Por último, tenha sempre em mente que, imbuído na elaboração de um documentário, há a ideia da criação de um documento, por isso ele é um registro de algo de grande importância, tanto para você quanto para os outros que irão assistir no futuro.

3_-_bicicleta

Reaprendendo a andar pela cidade:

Seja no interior, ou nas grandes metrópoles, andar de bicicleta está se mostrando uma opção de transporte para substituir os meios motorizados. Entretanto, se andar de bike pelas ruas caóticas parece um cenário amedrontador, começar fazendo percursos mais próximos e sem muito compromisso de horário pode ser uma boa pedida.

Para começar, use sempre a ciclovia (se houver), e prepare-se para uma possível animosidade dos automóveis. Aprenda a se impor, faça o veículo saber que você também está lá. Se o carro te fechar, continue o percurso. E claro, tudo isso com as devidas medidas de segurança, como o capacete, a iluminação e as sinalizações de mão, para os motoristas ficarem avisados do que você vai fazer.

Nessa decisão, é essencial saber que, como em qualquer atividade física para quem não está acostumado, ela cansa. E perante a fadiga, não desista. Tente fazer disso uma prática diária dentro das suas capacidades, e desta forma, aos poucos, você vai se livrando das dificuldades que tanto te atrapalham nessa empreitada.

4_-_cachoeira

Adentrando a natureza

Cachoeira! Nosso país tem muitas cachoeiras espalhadas por aí, apenas esperando você ir visitá-las! Essa beleza natural é um ótimo lugar para admirar a natureza e encontrar um ambiente calmo para relaxar.

Você pode pesquisar na internet ou perguntar para uma amiga qual a cachoeira mais perto de você! Normalmente as cachoeiras estão por dentro das matas, tendo acesso apenas por trilhas, então é importante ir com alguém que conheça bem o local para não se perder.

Agora que você já tem uma companhia, não esqueça de levar:

  • Protetor solar
  • Repelente
  • Roupas e calçados confortáveis
  • Roupa de banho
  • Alimentação
  • Água

Lembre-se: não leve enlatados e nem deixe restos de comida jogados na mata, guarde-os para jogá-los no lixo depois. Jamais faça fogueiras e cheque o clima antes de sair.

5_-_viagem

Por fim: vendo o mundo lá fora

Se todos os fatores estiverem favoráveis, você conseguiu guardar umas economias, tem aquela companhia que topa tudo, vá e viaje para algum lugar inusitado. Perto ou longe, na natureza ou na cidade, sempre existirão programas divertidíssimos se você se der a oportunidade de experimentar e usar a imaginação. É só se precaver antes (não vá andar em lugares potencialmente perigosos!) e pensar no básico. Tendo um lugar seguro para dormir e garantir sua alimentação, de resto é só montar um script ou ir vasculhando o lugar escolhido, que pode virar o cenário de uma boa recordação de uma aventura no futuro.

Kimie Noda
  • Ilustradora

Kimie, 22 anos, mora já há alguns anos em São Paulo/SP, onde tenta terminar de se formar em Artes Visuais pela UNESP. Sua alimentação consiste em balas e seu habitat natural é o sofá, onde fica de preguiça vendo animes e jogando videogame mais do que gostaria.

Hemilyn Stephanye
  • Ilustradora

Hemilyn mas pode chamar de Hem, 18, moro em SP Z/O, sou apaixonada por artes e tecnologia. Me meto em tudo que tem a ver com produções artísticas, mas me envolvo mais com desenho e pintura. Fiz técnico em informática e lá me apaixonei por programação e T.I. Beyoncé e Steven Universe salvaram minha vida. Leonina bem louca com lua em sagitário.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos