22 de agosto de 2014 | Ano 1, Edição #5 | Texto: | Ilustração:
O corpo como tela: body art e pintura corporal
Ilustração: Helena Zelic.

Ilustração: Helena Zelic.

De pintura no rosto eu tenho certeza que você já ouviu falar, já usou ou já viu em alguém. Mas e pintura de corpos? Há vários tipos de pinturas corporais e todos nos trazem uma história interessante, desde motivações culturais até expressão de arte. O corpo, na verdade, é o primeiro tipo de tela usada pelo homem, sendo utilizado para pinturas antes mesmo das pinturas em paredes de caverna, pelo homem neanderthal. As pinturas possuíam um significado cultural relevante, e podiam ser usadas em celebrações festivas, por exemplo.

Para os povos indígenas, a pintura de corpos tem uma importância significativa na cultura da comunidade: ela pode ser uma expressão de beleza – assim como a maquiagem ou a tatuagem – ou uma preparação para a guerra. Ainda no próprio desenho da pintura, conforme os traços, indica-se uma diferente posição hierárquica dentro da comunidade, seu status social, tudo representado pelo modo como é feita a pintura corporal. Para cada evento, como funeral, casamento ou caça, há um ritual do qual a pintura de corpos é uma parte crucial. A tinta usada no corpo é natural, frequentemente feita de jenipapo.

Na cultura hindu, a pintura corporal também é um traço cultural. Nos casamentos, a noiva é pintada pelo corpo com desenhos que simbolizam sorte para ela em sua nova vida. O sinal vermelho pintado entre as sobrancelhas é símbolo do novo status dela: casada.

Além da pintura cultural, religiosa ou ritual, tem também a pintura corporal artística. A “body art” (arte do corpo) surgiu no fim da década de 60 como uma manifestação nas artes visuais, colocando o artista numa posição onde poderia usar o próprio corpo para expressar sua arte. É uma vertente da arte contemporânea de performance, não tratando do corpo na obra, mas usando o corpo como suporte para a obra. Nem todos os artistas desse movimento utilizam a pintura corporal como forma de arte – alguns, como Gina Pae e Marina Abramovic, utilizam o corpo de outras formas, o envolvendo com outros objetos para criar a obra.

Ficou curiosa? Aqui alguns exemplos de obras de arte feitas sobre o corpo:

Se você gostou da ideia, que tal experimentar um pouco e usar seu corpo como uma tela também (é ainda menos permanente do que colorir o cabelo)?

Priscylla Piucco
  • Membro do Conselho Editorial
  • Coordenadora de Relacionamentos & Sexo

Priscylla. Apaixonada por seriados, kpop, reality show ruim, Warsan Shire e as Kardashians. Odeio o Grêmio e cebola. Prazer, pode chamar de Prih agora.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos