5 de junho de 2015 | Culinária & FVM | Texto: | Ilustração:
Brigamilho, o brigadeiro de milho

[Pois é, estamos em junho, e sabe o que isso significa? Um mês inteiro temático sobre quermesse! Estamos animadas sim ou com certeza?!   \o/ Começamos com essa receita deliciosa e facílima da Jade!]

Foi no ano passado, quando eu procurava por receitinhas fáceis pra levar a uma festa junina, que descobri essa maravilha aqui, tão simples quanto gostosa: o brigadeiro de milho. Primeiramente, milho é a comida mais legal e versátil de todas. Pensa… tem pamonha, curau, milho cozido, milho assado e uma infinidade de coisas pra agradar qualquer tipo de pessoa. E o brigamilho (como minha mãe costuma chamar aqui em casa), se tornou uma das minhas preferidas. Ainda não cheguei a uma consistência massa pra enrolar, daí como de colher que também é mais gostoso!

Bom, os ingredientes são:

  • 250g de milho verde (ou uma lata)
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 colher de margarina
  • canela em pó

foto1

E você também vai precisar de:

  • Liquidificador
  • Coador
  • Colher de pau
  • e panela, óbvio.

Agora vamos lá:

1) Bater o milho com o leite condensado no liquidificador por aproximadamente 3 minutos.

melfx

2) Coar (ou não… você gosta das casquinhas do milho?) direto na panela.

foto2

3) Acrescentar manteiga e começar a mexer em fogo médio. Mexa, mexa e mexa até cansar e começar a formar bolhas e adquirir aquela consistência de brigadeiro.

foto3

 

foto4

5) Despejar num prato, polvilhar muita canela e SER FELIZ NAS FESTAS DE SÃO JOÃO!

foto5 foto6

 

Jade Cavalhieri
  • Colaboradora de Culinária & FVM

Boneca trouxa inveterada que perde muito tempo reclamando e clamando direito à preguiça. É escorpiana com ascendente em áries e ama mostarda de uma forma não muito saudável. Se identifica com nuvens cirrocumulos e alguma parte dentro dela ainda quer ser astronauta.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos