28 de abril de 2014 | Ano 1, Edição #1, Literatura | Texto: | Ilustração:
Café com Maco
Ilustração: Maco.

Ilustração: Maco.

Maco é uma quadrinista nascida no Uruguai e que desde os 17 anos vive em Montevidéu. Foi na capital uruguaia que nos encontramos para uma conversa e um café, bebida muito mencionada em seus quadrinhos. O ponto de encontro foi a feira de antiguidades que acontece aos domingos nas imediações da rua Tristán Narvaja. Como nunca havia visto fotos dela, esperei que alguém parecida a seus desenhos aparecesse no horário combinado.

É que grande parte dos quadrinhos de Maco são autobiográficos. A personagem desenhada não apresenta características femininas convencionais e o próprio nome da quadrinista pode soar ambíguo. Ela diz que certa vez pediram que assinasse a obra com seu nome de verdade, para que o público não ficasse confuso. Maco não atendeu ao pedido: todos a chamam assim desde que era criança e não entendia o porquê de o público precisar ter tantas certezas.

Ela diz não ver dificuldades em seu trabalho ser aceito por ser mulher e, a bem da verdade, incomoda-a quando a valorizam por isso. Seu desejo é que sua obra possa transcender essas questões e assim ser reconhecida como um bom trabalho independente de seu gênero. Nesse sentido, as aulas de japonês que começou a fazer há pouco tempo têm uma relação pertinente com sua forma de ver: ao contrário do português (ou do espanhol, seu idioma), a língua japonesa não apresenta número ou gênero. Isso quer dizer que, no contexto da fala, pouco importa se é dito “a cadeira”, “o cadeira” ou simplesmente “cadeira”.

Ilustração: Maco.

Ilustração: Maco.

Seus desenhos surgiram quando criança e, desde muito pequena, se interessava pelo traço de Hergé (o criador de As aventuras de Tintin!) e adorava procurar Wally em seus famosos livros cheios de detalhes. Mas foi em 2011 que a desenhista publicou seu primeiro livro. Aloha é forma de saudação no Havaí e é também as boas-vindas de Maco à versão impressa de seus quadrinhos. O livro foi publicado em duas edições diferentes: uma do Uruguai e da Argentina e outra espanhola. Mas em qualquer parte do mundo com internet é possível acessar os quadrinhos no seu blog.

O blog surgiu em 2009 e, a partir daí, Maco começou a publicar suas tiras. Atualmente, ela tem se dedicado a ilustrar roteiros de outros autores e a seguir com os quadrinhos da história de Fedra, que publica no blog Marche un cuadrito semanalmente.

Bárbara Carneiro
  • Colaboradora de Escola, Vestibular & Profissão
  • Ilustradora
  • Fotógrafa
  • Colaboradora de Esportes

Bárbara Carneiro mora em São Paulo, curte narrativas cíclicas, tem como gosto mais constante a cor amarela e cria um cacto no jardim.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos