2 de fevereiro de 2017 | Artes, Colunas, Literatura | Texto: | Ilustração: Dora Leroy
Clubes de leitura: por que não?

Sabe quando você lê aquele livro incrível e bate uma vontade doida de conversar sobre ele? Seja pra contar suas teorias sobre a trama, xingar a autora porque o próximo livro vai demorar a sair ou simplesmente ficar dando gritinhos histéricos porque o seu amor pela história não se traduz em palavras – o fato é que ler se torna muito mais divertido quando podemos dividir a experiência com alguém.

Foi com essa ideia que surgiram os clubes de leitura. Eles podem ter os mais diversos formatos: em alguns um grupo de pessoas se reúne para discutir um mesmo livro, em outros os participantes leem diferentes livros de uma mesma lista e vão compartilhando as experiências e alternando as leituras, e há até aqueles em que se escolhe um tema e as pessoas falam dos livros que leram com aquela temática. O ponto central é se reunir para conversar sobre livros.

Existem clubes abertos ao público organizados por bibliotecas, livrarias ou autores. O interessante dessa experiência é que a leitura deixa de ser um prazer individual e se torna uma forma de conectar as pessoas.

No Rio de Janeiro, por exemplo, o Clube do Livro Saraiva, criado pela jornalista e autora Frini Georgakopoulos, se reúne mensalmente para debater os mais variados temas (ainda não tem data para a próxima reunião, mas você pode acompanhar as novidades pela página deles no Facebook). Em São Paulo, a Biblioteca Mário de Andrade, em parceria com a editora Cia das Letras, também organiza um clube de leitura em que todo mês se discute um livro diferente (o próximo encontro será no dia 8/2 e você já pode confirmar presença no evento). Há também o Leia Mulheres, que tem clubes em 20 estados brasileiros e, como o próprio nome sugere, só discute livros escritos por mulheres. Além desses há muitos outros clubes de leitura abertos ao público espalhados pelo Brasil – conta pra gente nos comentários se você conhece algum 😉

Existem também os clubes “particulares” – aqueles em que um grupo de amigos simplesmente decide se reunir periodicamente e falar do que estão lendo. Se você e suas amigas curtem ler, por que não se juntam e montam o seu próprio clube do livro? É uma experiência MUITO legal!  E o clube nem precisa ser presencial. Vocês podem montar um grupo de discussão no Facebook ou até combinar reuniões pelo Skype, por exemplo.

“Mas eu nunca participei de um clube de leitura! Por onde eu começo?”

Calma, a gente ajuda! Aqui tem um guia com algumas sugestões de organização (lembrando que são só sugestões mesmo e vocês podem estruturar o clube como preferirem!):

– O grupo todo lê e discute um mesmo livro, escolhido a cada mês por uma participante diferente.

– Fixar uma data para as reuniões (ex: primeiro sábado do mês) ajuda porque estipula um prazo certo para a leitura dos livros e também já deixa estabelecido um compromisso. Ninguém vai marcar de ir ao shopping no dia da reunião do clube, né?

– No caso de reuniões presenciais, é legal também já deixar decidido o local dos encontros. O ideal é que seja um lugar tranquilo e de fácil acesso para todas. Pode ser no seu café favorito ou numa sala de reuniões da sua biblioteca local. Outra ideia é alternar e fazer a cada mês na casa de uma participante.

– Já definir no início o calendário de leituras do ano todo permite que as participantes tenham tempo de pesquisar preços, aproveitar promoções na internet ou até procurar os livros em bibliotecas. Dá pra ler muito gastando pouco.

– Nem preciso dizer que deixar a mente aberta para gêneros e autores que você normalmente não leria é essencial, não é?

– Tentar variar um pouco as temáticas ou gêneros dos livros também é bom. Ler só livros de suspense por vários meses seguidos acaba ficando meio chato, por exemplo.

– Fazer anotações durante a leitura e levar no dia da reunião para compartilhar com as outras participantes enriquece a discussão. A gente sempre acha que vai lembrar de tudo que pensou enquanto lia, não é? Mas na maior parte das vezes a gente esquece. Então ler com um caderninho e uma caneta do lado pode ser uma boa ideia.

– E o mais importante: se divertir com as migas!

Mariana Fonseca
  • Coordenadora de Saúde
  • Colaboradora de Literatura e do Leitura das Minas

Mariana tem 25 e se formou em medicina. Carioca, ama viver no Rio de Janeiro, mas sonha em voltar para a Escócia. É feminista deboísta e acredita que todo mundo merece chá.

  • Monique Comin Losina

    Olá, gostei muito de seu texto e gostaria de participar de um clube de leitura virtual, por conta da disponibilidade de tempo. Você tem algum para indicar ou que aceite membros externos?
    Abraços

    • http://www.revistacapitolina.com.br/ Revista Capitolina

      Ainda não, Monique! Mas gostamos da idéia 🙂

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos