12 de fevereiro de 2016 | Ano 2, Edição #23 | Texto: and | Ilustração: Nathália Valladares
Comer, um prazer proibido

Chocolate é uma coisa boa, né? Quase todo mundo curte um doce, um pedaço de bolo ou um picolé nesse verão tropical. Mas vocês já pararam para prestar atenção nas propagandas de chocolate? Elas frequentemente têm uma pessoa (normalmente uma mulher) comendo o chocolate como se fosse algo proibido. Um prazer proibido.

Não soa estranho que comer seja encarado como um ato proibido? Ok, viver só de doce não é saudável, mas comer é tão importante quanto respirar. Então, como uma coisa que é necessária para nossa sobrevivência às vezes é encarada como algo tão horrível? A verdade é que não temos uma relação saudável com a comida.

Atualmente, é cada vez mais perceptível que a busca pelo corpo perfeito faz com que as pessoas embarquem em dietas mirabolantes, com pouquíssimas calorias por dia e cortando compostos orgânicos que são importantes ao corpo, na esperança de emagrecer mais e mais rápido, sem se preocupar com a saúde. Mas será que isso vale a pena? Será que fazer a dieta da uva e se privar de uma coisa tão boa como comer é justificável? É claro que a resposta é não.

E quando falamos no prazer de comer, não nos limitamos a doces ou açúcar, já que cada pessoa tem um paladar e gostos diferentes.

Nossa sociedade vive nos pressionando para que mantenhamos um padrão estético quase inalcançável, endeusando “musas fitness” com corpos que pessoas normais, que trabalham, estudam, precisam cuidar da casa, nunca terão. Assim, comer se torna um ato maléfico e o vilão da situação, sem levar em conta diversos outros fatores.

Sem contar na ideia sem noção de que mulheres comem menos que os homens, já que a ideia de feminilidade nos diz que temos que ser menores e mais frágeis. Se comemos muito dizem que não nos preocupamos com nossa aparência e somos julgadas com olhares, se comemos pouco dizem que somos fúteis e não estamos aproveitando a vida e os olhares continuam em cima de nós. É um jogo onde ninguém ganha.

Antes que alguém venha falar de saúde, a maioria das pessoas sabe que fumar não faz bem e continua fumando, certo? As pessoas sabem que fritura também não faz bem e continuam comendo, é uma opção delas. Em vez de sair apontando dedos, vamos pensar o porquê de fazermos isso.

Natasha Ferla
  • Coordenadora de Cinema & TV
  • Colaboradora de Estilo
  • Audiovisual

Natasha Ferla tem 25 anos e se formou em cinema e trabalha principalmente com produção. Gosta de cachorro, comprar livros e de roupas cinza. Gosta também de escrever, de falar sobre o que escreve porque escreve melhor assim. Apesar de amar a Scully de Arquivo X sabe que no fundo é o Mulder.

Marina Monaco
  • Colaboradora de Música
  • Social Media
  • Audiovisual

Marina tem 25 anos, mora em São Paulo, é formada em Audiovisual e cursa Produção Cultural. É apaixonada pela cor amarela, por girassóis e pela Disney. Ouve música o dia inteiro, passa mais tempo do que deveria vendo séries e é viciada em Harry Potter (sua casa é Corvinal, mas reconhece que tem uma parte Lufa-Lufa).

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos