6 de dezembro de 2015 | Colunas, Música, Se Liga | Texto: | Ilustração: Gabriela Sakata
Como agir quando um artista/banda mudam de estilo?

Quando conheci a Lorde pela primeira vez, me encantei pela música Royals e principalmente pelo clipe. Ella, o nome verdadeiro da cantora, para mim era estranhamente incrível: sua timidez, forma de dançar no palco, sua música não era o pop convencional com letras profundas para uma garota de 17 anos.  Ouvi o primeiro cd com curiosidade e me impressionei com a Bjork e Kimbra que me lembrava nela. Pois bem, este ano eu a vi novamente no clipe do Disclosure e fiquei incomodada. Estava diferente, bem mais pop, bem menos esquisita, bem igual a todo mundo ao meu ver. Cadê aquela diferença com os demais que me deixou apaixonada por ela?

Isso aconteceu comigo com os Arctic Monkeys, Pitty, The Killers e Strokes. Isso pode ter acontecido contigo com o Justin Bieber, Demi Lovato, Miley Cyrus, Mallu Magalhães e Fiuk. Artistas que eram uma coisa antes e agora são outras coisas. Mas pera ai, quem não muda sempre?

Quando eu era adolescente meus ídolos eram Oasis, Linkin Park e CPM22. Hoje em dia são a M.I.A., Céu e Arcade Fire. Os seus de hoje não serão os mesmo de depois. Em 10 anos muda sua cabeça, seu corpo, seus gostos. Se antes gostava de pagode, hoje adora uma Bossa. Se hoje gosta de funk carioca, daqui a 10 anos vai amar K-pop. Entende, você muda, por que seus artistas favoritos não podem?

Pegarei o exemplo do Justin Bieber. Ele tinha 16 anos quando estourou. Ele era um adolescente. Voz fina, era pop, tinha franja. Hoje tem 21. Já se passaram 5 anos deste que ele começou. Sua voz mudou, seus cabelos também e seus gostos. Naturalmente seu estilo de música vai mudar e o Baby não é igual ao Sorry.

Mas eu sou obrigada a gostar das mudanças dos meus ídolos? Não. Mas entenda: Mudar é natural. Ser outro é natural. O artista não é nem pior nem melhor do que era antes, só é diferente. Cresceu, mesmo que com 28 anos. Que tal dar uma chance ao novo? Vai que te agrada? As mudanças, seja na música ou na vida, nos assusta, mas fazem parte do amadurecimento. E claro, não significa que a Lorde (cantora que citei ali em cima) vire pop no seu próximo cd e fique para sempre pop. Vai que num próximo cd ela começa a cantar Jazz? Precisamos entender que tudo se movimenta, e que bom! As pessoas podem ir e voltar atrás e cantar músicas incríveis e te conquistar mais uma vez.

Bia Quadros
  • Coordenadora de Música
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Ilustradora

Bia na verdade é Beatriz e tem 20etantos anos. É do RJ, nunca saiu de lá e é formada em Artes Visuais. Transita entre ilustrações, pinturas, textos, crianças e frustrações. Tudo que está ligado a arte faz, sem vergonha e limite. Já fez algumas exposições, já fez algumas vitrines, vive fazendo um monte de coisa. Uma Metamorfose Ambulante.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos