17 de junho de 2016 | Ano 3, Edição #27 | Texto: and | Ilustração: Isadora M.
Como conquistar um gatinho (daqueles de quatro patas)

Tá se sentindo carente e precisa de alguém pra te dar um chamego? Procura uma boa companhia que aguente todas as suas maratonas de séries? Alguém que consiga te deixar em paz quando você precisa de um tempo?

Seus problemas acabaram! Com esse guia, você vai saber tudo sobre como conseguir conquistar um/a gatinho/a.

Quem tem gato já passou por algum momento de adaptação. Ao contrário de cachorros, gatos demoram um pouco mais de tempo para confiar em seu novo dono e a situação pode ser diferente de caso para caso. Há gatos que são facilmente conquistados no primeiro momento e com outros é necessário paciência para criar uma situação de confiança, amizade e carinho. Mas como todo animal (seres humanos inclusos), existem alguns truques que facilitam essa aproximação. E é com isso em mente que vamos te ajudar a conquistar aquele/a gatinho/a! Lembre-se: paciência e calma são palavras-chaves nesse processo.

Se prepare para receber o felino.

Causar uma boa impressão é uma ótima tática. Deixe a caixinha de areia em um lugar reservado, os potinhos de comida e água longe da caixinha de areia (muita gente coloca elas uma perto da outra, mas convenhamos que ninguém gosta de comer com cheiro de xixi e cocô do lado). Encontre um lugar quentinho e possivelmente escuro para colocar uma cama, compre alguns brinquedos e esteja preparada para receber possíveis arranhões em móveis.

Brinquedos e comida

Como a maioria dos animais, há um truque que vence de qualquer outra opção e isso é: comida. Compartilhar comida sempre foi um símbolo de confiança, alimentar um animal, no mundo animal, é dizer para ele que você cuida dele como uma mãe cuidaria de um filhote. Em um universo em que comida é sinônimo de competição, dar de comer se transforma num ato de extrema bondade. E o seu gato vai reconhecer isso.

Enquanto dar comida resulta em confiança e respeito, brincar com o gato pode ser uma boa oportunidade de mostrar que você não o trata como um inimigo, e sim feito um amigo. Brincar significa relaxar de qualquer ameaça e aceitar um estilo de vida pão e circo.

Comida e brincadeira é oferecer ao seu novo amiguinho o melhor dos dois mundos. Ele ou ela com certeza vai gostar.

Cheiro

Toda boa relação começa com uma boa cheirada. Sabe aquele truque com cachorro de aproximar a mão de maneira bem calma perto do focinho dele para ele cheirar e te conhecer? Com gatos, nós precisamos de um procedimento parecido; antes de se aproximar, deixe ele conhecer o seu cheiro. Coloque uma camiseta usada perto dele, depois vá aproximando sua mão com cuidado. Deixe ele livre para explorar a casa e sentir tudo que precisa sentir. Interromper esse primeiro momento de identificação pode gerar grandes problemas depois.

Carinho

Afinal, quem não gosta de carinho???? Mas esteja atenta, gostar de carinho não significa gostar-de-carinho-em-todos-os-lugares. Preste bastante atenção nesse gráfico e seja feliz. (Um oferecimento Pusheen.)

grafico-carinho-gato

Não é não.

Sabe a famosa lei do consentimento? Aquela, que todo ser humano deve saber e respeitar. O famoso não é não. O mundo felino, assim como no mundo humano, é regido por essa lei.

Rosnar = não.
Abanar o rabo loucamente = não.
Rabo com o pelo espetado = não.
Rabo para baixo = não.
Só a pontinha do rabo se mexendo = não.
Orelhas para trás = não.

Ronronando = sim!
Rabo para cima = sim!

Ou seja, na maioria das vezes, não precisamos ouvir um “não” para entender que o que estamos/vamos fazer não agrada o outro. Quando alguém está ou com medo ou com raiva, nós deixamos isso bem claro atráves da nossa expressão. Não é não, simples assim.

Dora Leroy
  • Coordenadora de Quadrinhos
  • Ilustradora

Dora Leroy tem 21 anos e acredita que o universo é grande demais para não existir outras formas de vida inteligente por aí. E, enquanto espera uma invasão alienígena acontecer, gosta de ler livros que se passam em universos mágicos e zerar séries do Netflix.

  • Rafaela Felipe Kohler

    Muito amor envolvido!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos