12 de fevereiro de 2015 | Ano 1, Edição #11 | Texto: | Ilustração: Bárbara Fernandes
Comunidades autossustentáveis: vivendo de forma mais ambientalmente saudável

Seja na metrópole caótica ou numa pacata cidade do interior, o dia a dia é sempre pautado em uma rotina consumista, o que provoca grandes danos ambientais que, mais cedo ou mais tarde, prejudicarão a nós mesmos. Tentando fugir desse padrão, surgiram as comunidades autossustentáveis, que fazem uso da atividade de reutilização do que for viável, além de um comportamento de produção mínima suficiente e consumo consciente.

Vejamos algumas dessas comunidades espalhadas pelo mundo:

Eco Truly Park

Essa comunidade se localiza no Peru e propõe uma vivência ecológica e autossustentável, se baseando em princípios de harmonia com a natureza.

Milagro Cohousing Community

A Milagro fica nos Estados Unidos, no Arizona, e também funciona de uma maneira muito interessante: as casas são feitas de barro e utilizam energia solar. No site da comunidade é possível acessar informações sobre as atividades sociais e de trabalho, sobre as crenças compartilhadas, além do funcionamento organizacional.

Earthaven Ecovillage

Também nos Estados Unidos, em Los Angeles, a Earthaven é uma comunidade com um enfoque muito grande na parte ecológica de viver em comunidade. Produzem seus alimentos, utilizam materiais naturais ou reciclados em suas construções, possuem captação de energia solar e de água da chuva, enfim, a Earthaven é altamente autossustentável.

Dancing Rabbit Ecovillage

Dancing Rabbit Eco Village

A Dancing Rabbit Ecovillage, localizada nos Estados Unidos, em Missouri, é mais uma comunidade autossustentável que preza as construções naturais, assim como a Earthaven. Propõe um estilo de vida que causa baixo impacto ambiental. Conta, inclusive, com 12 hectares de terra exclusivamente destinados ao plantio de 12 mil árvores, como parte de um programa de restauração.

Projeto Ambiental Gaia Village

Gaia Village é localizada no Brasil, em Santa Catarina, e é um projeto de caráter privado cujo foco é sustentabilidade. O projeto busca criar um exemplo de produção humana sustentável com a interação entre a espécie humana e o todo, a “Gaia”. A vila conta com atividades como Preservação e Restauração de Ecossistemas, Tecnologias Ambientalmente Amigáveis, Produção Rural Sustentável, Desenvolvimento Humano, Sensibilização Ambiental, Saúde Sustentável e Edificações Sustentáveis.

Essas comunidades já se espalharam pelo mundo. Há, claro, uma gama de tipos de comunidades autossustentáveis, algumas com foco maior nas artes, outras no lado espiritual e outras mais engajadas com a parte sustentável em si. O que todas buscam em comum é um meio de viver em maior harmonia com a natureza, procurando estabelecer o mínimo necessário de exploração desta. Além disso, se fortalece o convívio social entre aquelas pessoas, uma vez que todas colaboram de forma ativa nas mais diversas funções dentro da comunidade. É uma boa ideia para quem quer fugir da cidade grande e encontrar a paz na natureza.

Priscylla Piucco
  • Membro do Conselho Editorial
  • Coordenadora de Relacionamentos & Sexo

Priscylla. Apaixonada por seriados, kpop, reality show ruim, Warsan Shire e as Kardashians. Odeio o Grêmio e cebola. Prazer, pode chamar de Prih agora.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos