12 de maio de 2015 | Ano 2, Edição #14 | Texto: | Ilustração: Marina Sader
A culpa é das estrelas: astrologia para iniciantes OU O guia supremo do basicão da astrologia
Ilustração: Marina Sader.

Não confunda: astronomia com astrologia com autonomia… Não, mas sério, astronomia não é astrologia (nem autonomia, claro, mas isso ninguém confunde). Astronomia é o estudo dos astros, uma ciência complexa, com várias equações cheias de números e letras, sobre a qual quem vos escreve não sabe nada. Astrologia, no entanto, não é conhecida como uma ciência de fato, vive causando discórdias por aí, mas se propõe a ser um estudo da correspondência dos astros na vida na Terra. A ideia é basicamente que aquilo que está acontecendo lá em cima, no universo, tem uma correspondência aqui embaixo, na Terra. Se isso é verdade ou não, deixemos para lá. Aqui, vamos nos ater a aceitar que os astros podem, sim, influenciar o que acontece nas nossas vidas. E, a partir disso, vamos entender melhor as energias de cada um deles.

A astrologia é um campo muito vasto, que abrange milhões de coisas e, infelizmente, não temos espaço para tratar de todos os conhecimentos dos astrólogos aqui. Assim, conversando com uma amiga e astróloga (que me ajudou 100% nessa matéria; beijos, Fe!), decidi fazer um recorte mais simples e explicar apenas os signos, planetas e casas astrológicas.

Você pode me perguntar coisas como:
— Ah, mas e as quadraturas e trígonos?
— Os ângulos não são importantes?
— E a Lilith? Para que serve?
— Como fica quando tem planeta sem aspecto no mapa astral?
— Por que todo mundo tem tanto medo de Mercúrio retrógrado?
— Mas, Clara, no céu tem pão?

Mas você vai ter que guardar todas essas perguntas porque aqui não temos tempo ou espaço para isso. Quem sabe, se o post bombar, não rola um “A culpa é toda de Marte: astrologia para não-tão-iniciantes”? Mas, por enquanto, vamos nos ater ao básico.

É importante que fique entendido que minhas explicações serão diferentes da maioria das definições que se vê por aí sobre os signos. Uma coisa que sempre me incomodou quando lia sobre os signos é a falta de maleabilidade que existia quando as características de um signo, casa ou planeta eram retratadas. Sempre me incomodou quando falavam que virginianos eram maníacos da limpeza e da organização – eu sou virginiana e meu quarto prova muito bem que não é bem assim que a banda toca – ou que geminianos são duas caras – tenho milhões de amigos geminianos (inclusive minha mãe) e nenhunzinho jamais foi duas caras na vida. Assim, tive uma conversa honesta com essa amiga e astróloga que me explicou melhor de onde vêm esses estereótipos. E é disso que vou tratar aqui: das características primordiais, nada de estereotipagem ultrapassada.

Nesta matéria, falaremos de três coisas e as primeiras coisas que você precisa saber sobre elas são:

Planetas – energias que geram ações e acontecimentos;
Signos – são campos de energia, representam o modo e o ritmo de como as coisas acontecem;
Casas – são áreas da vida.

Resumindo: os planetas são O QUE acontece, os signos COMO essa coisa acontece e as casas ONDE se dá o acontecido.

Além disso, haverá menções a mapas astrais. Ah! Socorro! O que é isso? O mapa astral é como se fosse uma foto do céu. O seu mapa astral é a foto do céu no exato momento do seu nascimento (é por isso que precisamos saber a hora exata – contando os minutos – do seu nascimento para poder calcular o mapa). Sabendo disso, a gente consegue descobrir o que estava acontecendo no céu quando você nasceu e, portanto, as energias que te influenciam e em que área da sua vida!

Muito bem, sabendo disso, vamos ao guia supremo do basicão da astrologia da Capitolina!

SIGNOS
Existem doze signos no zodíaco e eles são classificados por seu elemento (fogo, terra ar e água) e ritmo (cardinal, mutável e fixo). Como os elementos são de conhecimento mais geral, decidi separar os signos por essas características, mas sem deixar, é claro, de explicar o que significa cada ritmo:

Cardinal – é o impulso, o começo; traz consigo a iniciativa e a renovação;
Mutável – é a flexibilidade; como o próprio nome sugere, é maleável; é o que se adapta;
Fixo – é a estabilidade, segurança, persistência; o foco;

Com isso, partimos para os signos em si:

SIGNOS DE FOGO (impulso, coragem, impaciência, entusiasmo – pessoas normalmente mais voltadas para o eu)
Áries – é o fogo inicial, a primeira (mais cheia e brilhante) chama; tem impulso de começar as coisas, mas não necessariamente de continuá-las. Cardinal.
Leão – é o fogo que estabiliza; tem impulso e coragem, mas de forma comedida. Fixo.
Sagitário – é o fogo que quase apaga, daí acende de novo, e fica nesse vai e vem; oscila e se adapta conforme a situação. Mutável.

SIGNOS DE TERRA (concretude, limites materiais, estrutura – pessoas ligadas ao mundo real)
Touro – é a terra no sentido de construir jogando a semente, devagar e sempre; tem perseverança, resistência e visa estabilidade e segurança, mas de forma apegada. Fixo.
Virgem – é o melhor signo do zodíaco — não, brincadeira! É a terra que cresce, muda para aprimorar; visa praticidade e eficiência, sempre a partir do aprimoramento. Mutável.
Capricórnio – tem o impulso de realizar, organizar, estruturar, estabilizar as coisas; organiza e faz, mas sempre planejando antes de realizar. Cardinal.

SIGNOS DE AR (troca a partir da mente, mundo das ideias, socialização – pessoas ligadas a troca das ideias)
Gêmeos – troca com o mundo a partir da linguagem; dá valor à palavra, ao racional e à comunicação. Mutável.
Libra – tem o impulso de se relacionar, socializar; busca o vínculo, a parceria, o outro; dá valor ao outro. Cardinal.
Aquário – procura a troca de ideias de forma distanciada; racional e impessoal; considera o indivíduo e o coletivo; considera ideias e conceitos visando o todo. Fixo.

SIGNOS DE ÁGUA (internalização, emoções, sentimentos, criação, tudo aquilo que não conseguimos nomear direito)
Câncer – é a água parada, água do útero; tem o impulso de cuidar, de nutrir; busca segurança para si e para o outro. Cardinal.
Escorpião – é a água em seu estado de gelo; frio, seguro e queima; quer o controle emocional; internamente duro. Fixo.
Peixes – é a água em forma de vapor; sentimentos mudando o tempo todo; emocionalmente instável. Mutável.

CASAS
Agora que você já manja o basicão dos signos, já pode juntar A + B e entender de onde surgem tantos estereótipos. O importante é lembrar dessas raízes – e por isso que gosto das analogias de seus elementos e ritmos. Tendo isso em mente, vamos falar um pouco mais sobre as casas.

É importante ter em mente que cada casa é o desdobramento de outra. Quem sou eu está ligado ao que possuo, que está ligado à minha base emocional, etc. Cada casa está relacionada, em origem, com um signo, mas isso não significa que será assim no seu mapa. Por mais que a casa 1 esteja relacionada ao signo de Áries, sua casa 1 pode estar em qualquer signo. Mesmo assim, é legal saber a qual signo cada casa se relaciona para entender melhor a natureza tanto das casas quanto dos signos.

Você começa a contagem das casas pela de seu ascendente – assim, se seu ascendente é Leão, este será o signo que estará na sua casa 1, a partir disso, você segue a sequência dos signos do zodíaco (indicada junto às casas na lista abaixo) para descobrir qual signo está em cada casa. Ainda seguindo o exemplo de um ascendente em Leão, a casa 2 estaria, portanto, em virgem; a 3 em libra, e assim por diante.

Casa 1 – relacionada ao signo de Áries. É aqui onde se encontra seu ascendente. Casa do eu; primeira infância e adolescência; personalidade; como se mostra para o outro.
Casa 2 – relacionada ao signo de Touro. Casa das posses, do dinheiro; como sobrevivo no mundo; administração de suas posses e finanças.
Casa 3 – relacionada ao signo de Gêmeos. Casa da comunicação cotidiana, das interações próximas; a capacidade de ouvir o outro, a troca com o mundo; como a pessoa aprende; negociações e socialização.
Casa 4 – relacionada ao signo de Câncer. É aqui o fundo do céu, ou seja, a parte mais baixa do mapa astral, sua base emocional. Casa do emocional; a família de origem, de onde vim, sua ancestralidade; segurança emocional; vida doméstica.
Casa 5 – relacionada ao signo de Leão. Casa das coisas do coração, dos prazeres; vocação, potenciais criativos; expressão de si.
Casa 6 – relacionada ao signo de Virgem. Casa do dia a dia; o trabalho, a saúde, as atividades de formiguinha; tudo o que precisa de sistematização, de uma forma mais metódica; a rotina.
Casa 7 – relacionada ao signo de Libra. Faz oposição com o ascendente. Casa do outro; as parcerias, sócios, contratos sociais; casamento; como você lida com a sociedade; tipo de gente que você atrai pra si.
Casa 8 – relacionada ao signo de Escorpião. Casa do fim dos ciclos, daquilo que acabou e precisa ser desapegado; morte, perda; sexualidade.
Casa 9 – relacionada ao signo de Sagitário. Casa das viagens, peregrinação; os estudos elevados, os estudos que você escolhe; ideais, ética.
Casa 10 – relacionada ao signo de Capricórnio. É o meio do céu, ou seja, o ponto mais alto do seu mapa astral. Casa da projeção social; o máximo que você pode subir; seu destino, rumo de vida; qualidades e situações que você vai incorporar e passar para chegar no topo.
Casa 11 – relacionada ao signo de Aquário. Casa do coletivo; dos amigos, dos grupos com os quais você se identifica.
Casa 12 – relacionada ao signo de Peixes. Casa do oculto; os bastidores das coisas, o serviço ao próximo; o inconsciente; sacrifício.

PLANETAS
Sabendo essas coisas, você já consegue olhar para o seu mapa astral e se entender melhor, uhuuul! Sabendo qual signo está em que casa, você pode muito bem entender como lida com cada área da vida. Mas existe um terceiro elemento importantíssimo que são os planetas (sol e lua, apesar de não serem planetas, também estão inclusos aqui – na astrologia, eles são chamados de luminares, mas funcionam como os planetas). Eles são energias que geram situações ou acontecimentos nas diferentes áreas da sua vida.

Os planetas, no seu mapa astral, indicam uma maior energia na casa em que eles se encontram, é mais ou menos como você vai lidar com as questões que englobam cada uma das casas, para além dos signos que se encontram nelas.

Mas os planetas estão sempre em movimento e a cada momento estão em um lugar diferente no céu, influenciando uma nova coisa. É a leitura deles que gera o horóscopo. Sabendo onde está cada planeta, você sabe qual energia está influenciando cada signo e, portanto, consegue fazer uma leitura do que é mais provável que aconteça.

Tá, muito bem, mas quais são esses seres misteriosos? Quais as energias deles? O que eles representam?

Sol – representa o eu; sua consciência; seu propósito de vida; sua individualidade. Rege o signo de Leão.
Lua – representa o emocional; suas relações e necessidades emocionais; o passado. Rege o signo de Câncer.
Mercúrio – representa a troca com o outro, a habilidade de expressão, de comunicação. Rege os signos de Gêmeos e Virgem.
Vênus – representa como você se relaciona, o que valoriza, o que te atrai. Rege os signos de Touro e Libra.
Marte – representa impulso, ação; desejo; plano de ação. Rege o signo de Áries e Escorpião.
Júpiter – representa a expansão, o crescimento; otimismo, confiança; excesso. Onde temos Júpiter no mapa astral é onde as coisas vêm mais fáceis. Rege o signo de Peixes e Sagitário.
Saturno – representa a cobrança, o compromisso; estrutura, solidificação, imposição de limites; aquilo que demora para chegar. Rege os signos de Capricórnio e Aquário.
Urano – representa a desestrutura, o rompimento, o impulso de mudar. Rege o signo de Aquário (sim, alguns signos são regidos por mais de um planeta).
Netuno – representa a inspiração; a intuição, a espiritualidade; os vícios; a dissolução e ressignificação; o caos. Quando Netuno passa por uma casa significa que as coisas naquela área da vida mudam de forma confusa, sem conseguir perceber direito. Rege o signo de Peixes.
Plutão – representa transformação pela morte e renascimento. Rege o signo de Escorpião.

E aqui fechamos o resumão de astrologia da Capitolina! São realmente muitas coisas que envolvem o estudo da astrologia e existem muitas coisas que influenciam o seu mapa astral (além das casas, planetas e signos, existem ângulos que formam trígonos e quadraturas, ou mesmo oposições que são importantes). Mas esse básico já ajuda bastante a entender quais são as energias dos astros e como elas influenciam você e as pessoas à sua volta. De agora em diante, você já fica mais ligada na data e hora de nascimento das pessoas com as quais você se relaciona e já fica esperta para saber quais energias os astros estão imprimindo nelas!

Clara Browne
  • Cofundadora
  • Ex-editora Geral

Clara nasceu em 1994 no Rio de Janeiro, mas se mudou para São Paulo ainda pequena. Estuda Letras e sempre gostou mais de poesia do que de prosa. Ama arte moderna, suéteres e o musical Jesus Cristo Superstar. Aprendeu a fazer piadas com seu nome e sobrenome por sobrevivência. Em setembro de 2013, teve a ideia da Capitolina, a qual co-editou até setembro de 2016. Hoje em dia, ela escreve pra um montão de lugares. É 50% Corvinal e 50% Lufa-Lufa.

  • Jamal Panda

    Gratidão pela ajuda! tou endo e envolvendo bastante com a astrologia mas tava precisando desse resumo!
    Pra mim foi super útil, mas falando com meu amigo ele ficou ainda com dificuldade de sacar as coisinha e tal.
    fiquei com vontade de ver mais textos teus? vai ter?

  • Poseus Farlom

    Por favor, considerem também o ponto negativo do preconcento e pré-julgamento das pessoas a partir desse tipo de informação…

    “Astrologia também é ruim para nossas relações, porque nos diz para pré-julgar as pessoas de acordo com seus signos astrológicos. Quão sem noção é isso? Não é muito diferente de outros preconceitos, como o racismo.

    “Tanto a astrologia quanto estereótipos raciais são baseados em uma estrutura de crença que basicamente diz: ‘Mesmo sem conhecê-lo, eu acredito em algo sobre você’. Esperamos ver um tipo específico de comportamento ou traço (teimosia, preguiça, arrogância, etc) em membros de certo grupo específico de pessoas (judeus, negros, Áries, Peixes etc). Essa lista pré-existente de suposições (preconceitos) sobre essa pessoa e seu comportamento, personalidade e caráter faz com que as pessoas procurem confirmar suas expectativas”, afirma o escritor e cético americano Benjamin Radford.

    A astrologia também leva as pessoas a serem vítimas do efeito de seleção observacional, um viés cognitivo no qual observamos os traços que queremos ou esperamos perceber em outras pessoas, enquanto ficamos cegos a suas demais características.

    Por exemplo, se alguém me pergunta meu signo e eu respondo “Virgem”, ela automaticamente responde: “Por isso você é tão organizada e perfeccionista”. Sim, eu sou organizada, mas eu sou muitas outras coisas também. Além disso, não sou organizada por sou de Virgem.
    Esse viés ou “preconceito” leva as pessoas a avaliarem as outras de um jeito tipicamente tendencioso que em última análise pode causar uma impressão errada.”

    Fonte: http://hypescience.com/astrologia-horoscopo-mal/

    Com carinho e respeito.

  • Pingback: Um futuro sem segredos: vidência - Capitolina()

  • Kelly Carolinne

    Cara, que texto mais maravilhosamente lindo e bem explicativo. Eu ando mega interessada no assunto e poxa, agora entendo tudo e tá tão claro as coisas. Acho que vou…virei a louca dos signos.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos