26 de fevereiro de 2015 | Artes | Texto: | Ilustração: Gabriela Sakata
De Tomie para Tomie

Tomie,
Você provavelmente não lembra de mim, sou uma estranha para você. Já pra mim você é literalmente a razão para o meu nome! Meus pais dedicaram a você o meu segundo nome, meu nome japonês. Então, sem mais delongas: Prazer, meu nome é Tomie.

Dia 12 desse mês você foi embora, e para falar bem a verdade nunca achei a sua morte fosse me tocar tanto como tocou. Não sei, foi meio nostálgico lembrar o que eu sabia sobre você, como você me inspirou e me incentivou. Quando eu tinha uns 8 anos fiz um livro da família para a escola. Lembro que foi aí que eu descobri que os descendentes de japoneses colocavam segundos nomes nipônicos aqui no Brasil e que o meu nome tinha sido em homenagem a uma grande artista plástica, no caso, você: Tomie Ohtake.

Foi só mais tarde que eu comecei a ficar mais interessada em arte. Até que um dia finalmente eu tomei vergonha na cara e decidi que eu precisava saber quem era você. Isso foi antes do colegial, antes da internet mega rápida, ainda na época do Orkut. Eu lembro de uma comunidade onde eu encontrei os links para suas pinturas mais famosas e para uma matéria sobre como São Paulo é cheio de esculturas e murais seus. O Monumento à Imigração Japonesa, a escultura no meio da Avenida 23 de Maio, os painéis de pastilha vitrificada com a assinatura Tomie no metro Consolação, o painel gigante na Ladeira da Memória no Anhangabaú, as esculturas no Auditório do Ibirapuera… a lista é cheia de lugares inesquecíveis de São Paulo.

No meu último ano do ensino médio e no meu ano de cursinho decidi pesquisar muito sobre a produção artística brasileira contemporânea, afinal eu estava prestando Artes Visuais e parecia inevitável. Foi aí que trombei com você de novo. Na época você estava com 98 anos e li uma entrevista sobre a sua passagem de uma pintura mais figurativa para o abstracionismo. As formas das suas pinturas, as suas serigrafias, as formas simples, as texturas, as transparências, tudo ficou na minha memória enquanto vestibulanda. Pra minha felicidade, na prova específica do vestibular para cursar Artes Visuais na UNESP (estou cursando agora!) caiu até um item sobre você, sobre o seu centenário.

Mais tarde, no ano passado, o Instituto Tomie Ohtake começou a bombar e eu fui atrás para entender um pouco como um centro cultural particular conseguia sobreviver com entradas gratuitas. Foi quando eu descobri que o Instituto tem como propósito difundir a arte para toda população, seja através de exposições gratuitas, ações culturais ou centro de pesquisa mesmo. Hoje, como estudante de Artes Visuais, interessada pela licenciatura e pela difusão de conhecimento sobre artes para toda população, vejo que você, Tomie, está em todos os lugares. Você me marcou com a sua produção, com seu engajamento. E essa carta vai ser publicada na Capitolina para todos entenderem como você foi uma mulher incrível. Uma grande inspiração. Na sexta de manhã, quando eu e meu pai fomos para o seu velório, tudo o que eu sentia era tristeza de ter que presenciar uma perda tão grande para os seus amigos, familiares e para toda a produção artística nacional. Acho que essa é a minha oportunidade de te agradecer e de te dizer adeus.

Obrigada por tudo.
Abraço,
Tomie.

*****

Para você que se interessou, aqui estão algumas das obras dessa grande artista que você não pode deixar de conhecer:
Gabriela Sakata
  • Ilustradora
  • Colaboradora do Tecnomanícas
  • Colaboradora de Artes
  • Colaboradora de Poéticas
  • Audiovisual

Gabriela, 24, moro em São Paulo/SP. Gosto de assistir documentários e umas bobagens no Netflix, ficar no Tumblr e assistir videos no Youtube. Além disso adoro achar músicas novas pra escutar, conversar sobre política, jogar Age of Empires ou Sims e ler teorias da conspiração. Estou cursando Artes Visuais e tenho um instagram com minhas ~~artes~~ (@bbbibilandia).

  • helen

    linda homenagem <3

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos