27 de maio de 2014 | Estudo, Vestibular e Profissão | Texto: | Ilustração:
Descobrindo as bibliotecas
Ilustração: Jordana Andrade.

Ilustração: Jordana Andrade.

Quando eu estava no último ano do Ensino Médio vivia uma rotina cansativa e monótona. Além do colégio, eu fazia cursinho preparatório para o vestibular e passava a maior parte do dia dentro de uma sala de aula que não tinha nem janelas. Era um ambiente opressor, em vários sentidos, principalmente porque eu precisava tomar decisões sobre o meu futuro sem ter certeza do que realmente queria. Foi então que encontrei um lugar que me permitia explorar novos mundos sem me pedir nada em troca: Uma biblioteca comunitária que ficava bem no caminho entre a minha casa e o colégio.

Eu sei, parece difícil acreditar que uma biblioteca me ajudou a me sentir mais livre e menos entediada. Mas nos dias em que me sentia desestimulada passava alguns minutos passeando por entre aquelas estantes e percebia a quantidade de autores e modos de vida que desconhecia até que a curiosidade curasse o meu tédio. Eu era forçada a estudar vários assuntos que não me interessavam, mas ali eu poderia escolher o livro que eu quisesse, poderia ser uma biografia ou uma história em quadrinho, pegar emprestado, levar para casa e ler sem a pressão de ter gastado dinheiro ou a obrigação de aprender o conteúdo para uma prova. Os livros que pegava emprestado na biblioteca eram uma decisão só minha e não tinha problema se eu lesse 10 ou 300 páginas, com eles eu poderia apenas experimentar. Ler entre as aulas – e muitas vezes durante algumas, devo confessar – foi um modo de fugir da minha realidade, ao mesmo tempo em que descobria mais sobre o mundo e sobre o que eu gostaria de viver. O colégio me ensinava um futuro cheio de obrigações, mas a biblioteca me permitia sonhar acordada vivendo em uma livraria em Paris quando li Um livro por dia ou no País das Maravilhas junto com Alice.

Eu sei que as bibliotecas também podem ser um lugar opressivo com tantas regras e silêncio. Mas esses espaços não precisam estar sempre associados a pesquisas ou estudos chatos, porque são uma oportunidade para você iniciar buscas sem rumo por conta própria. Você pode pegar o primeiro livro que bater o olho ou passar horas procurando aquele livro que vai combinar com o momento que você está vivendo. Para mim, as bibliotecas são uma oportunidade para ser livre e apostar no acaso e nas descobertas.

Além disso, existem bibliotecas que fogem desse esquema tradicional de silêncio e seriedade como a Biblioteca Parque Estadual, recém reformada, no Rio de Janeiro. Essa biblioteca que é também um parque conta com diferentes ambientes, como o espaço do ócio, além de ter um cinema, exposições, shows e um jardim suspenso! A localização da Biblioteca Parque Estadual é muito boa – próxima a saídas do metrô e terminais de ônibus – e você pode se cadastrar gratuitamente e ter acesso ao acervo que conta com mais de 90  mil livros (que vai muito além dos clássicos da literatura, existe um espaço exclusivo para quadrinhos com vários mangás e HQs), 20 mil filmes e três milhões de músicas digitalizadas! Mesmo que você não goste muito de ler essa biblioteca vale pelo passeio!

Hoje em dia tenho muitos outros lugares preferidos que fazem minha vida alegre nos momentos difíceis e, infelizmente, frequento bibliotecas mais por obrigação do que por passeio. Mas mesmo assim, de vez em quando, depois de passar horas lendo por obrigação, me permito um momento de rebeldia: Vago sem rumo entre os livros que desconheço (e que nem deveria ter tempo para ler) e vejo se algum deles “me escolhe”. Acho que todo mundo deveria dar uma chance e se arriscar por esses labirintos. Eu queria fazer uma listinha com algumas bibliotecas legais, por isso pedi para algumas Capitolinas indicarem suas bibliotecas favoritas. Porém nosso país é muito grande e fica difícil dar conta de todas as regiões, você desculpa se não tiver nenhuma indicação da sua cidade? Tenho certeza que com um pouco de pesquisa, você encontra uma biblioteca ótima pertinho de casa – lembrando que bibliotecas são sempre infinitas independentemente do tamanho e da quantidade de livros que guardam.

Minas Gerais:
Biblioteca Murilo Mendes

Rio de Janeiro:
Biblioteca Parque Estadual
Biblioteca do CCBB

Rio Grande do Sul:
Biblioteca da Unisinos
Casa de Cultura Mário Quintana

Salvador:
Biblioteca Goethe
Biblioteca pública do Estado da Bahia
Biblioteca infantil Monteiro Lobato
Gabinete Português

Santa Catarina:
Biblioteca Municipal Professor Barreiros Filho
Biblioteca Pública do Estado de Santa Catarina

São Paulo:
Biblioteca Mario de Andrade
Biblioteca Narbal Fontes
Biblioteca São Paulo (dentro do Parque da Juventude)

Taís Bravo
  • Colaboradora de Escola, Vestibular & Profissão
  • Colaboradora de Artes
  • Vlogger

Taís tem 25 anos e passa os dias entre livros, nas horas vagas dá lições sobre selfies para Kim Kardashian e aprende sobre o que foi e não quer ser com Hannah Horvath. Feminista deboísta, acredita no poder das sonecas, das migas e do mar acima de todas as coisas.

  • Vanessa Leal

    Amo bibliotecas <3 Valorizo essa relação não-patrimonial com os livros, poder dividir um livro com outras pessoas, sentir que cada livro ali tem sua história e seu passado, como uma ligação invisível entre pessoas…Enfim, bibliotecas tem um grande valor emocional pra mim; uma das lembranças queridas do meu ano (horrível e solitário) de vestibular era os dias que fugia para ler Persépolis na Gibiteca. Capitolinas de Curitiba, sugiro a Biblioteca Pública do Paraná (grandona, tem coisa nova e coisa antiga de tudo quanto é tipo), a biblioteca do SESC do Paço da Liberdade (pequena, aconchegante, com livros novinhos de literatura e humanidades) e a gibiteca do Solar do Barão.

    • Taís Bravo

      Vanessinha linda, bem lembrei de você quando estava escrevendo o texto! Relação não-patrimonial com os livros <3 (tenho que aprender a ser mais assim na verdade). Obrigada pelo comentário e as dicas de bibliotecas! :**

  • Eduarda Silva Thomaznática

    Adoro livros !! Sempre quis ir a uma biblioteca !! Realmente super concordo com a parte da obrigação !! No meu colégio, nos cobram muito, n q n seja um bom colégio !! E eu tbm n sou muito santa !! Adoro ler, me leva pra um mundo das maravilhas !!

    • Taís Bravo

      Que legal, Eduarda! Tenta visitar a Biblioteca Parque Estadual, ela fica no centro da cidade e é bem fácil de chegar!:Vai ser um bom passeio)

      • Eduarda Silva Thomaznática

        Pois é, vou marcar !! Deve ser um paraíso !!

  • Ana Luiza Freitas

    Olá, Taís! Sou estudando e biblioteconomia e adorei seu texto. Se fala muito em ciência da informação e pesquisa na minha área, mas o que mais me encanta é esse tipo de experiência que você teve, da liberdade, das descobertas, da falta de compromisso com dinheiro. Fico feliz com sua experiência espero levar isso para mais pessoas. Grande abraço!

  • Pingback: Eu não quero estudar em Hogwarts()

  • Pingback: Especial férias: viajar sem sair do sofá | Capitolina()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos