16 de setembro de 2014 | Estudo, Vestibular e Profissão | Texto: | Ilustração:
É já agora a vida
Ilustração por Isadora M.

Ilustração por Isadora M.

Foi preciso muito tempo para que eu descobrisse que o que eu entendia como espera já era na verdade minha vida. É compreensível, porque quando estamos na escola nada nos diz que somos donas de nós mesmas. O uniforme, os horários, as provas e até os lugares das cadeiras deixam bem claro que nós ainda não podemos fazer escolhas. Foi um grande evento para mim quando a professora deixou que usássemos canetas em vez de lápis, tínhamos agora o direito de errar sem o conforto das borrachas – corretivo líquido demanda um trabalho que não é para qualquer um. Dentro dessa rotina, esperava o momento que iam dizer: agora é com você, vai na fé.

A escola faz parte da ideia de progresso em que nossa sociedade se ordena, na qual a criança precisa aprender a ser como o adulto. Assim, dividem nosso tempo de vida em fases com determinadas expectativas e cobranças. Precisamos passar de ano, colecionar informações até nos tornamos prontas para o mundo. Pensando dessa forma, nós, jovens, somos melhores que as crianças, mas ainda não estamos prontas, ainda não sabemos como é a vida de verdade. Isso é uma grande besteira.  O tempo é para ser experimentado longe do peso de ser adulto ou criança. Cada experiência de vida é única e não deve ser reduzida a esse tipo de imposição.

Na realidade, nunca estamos preparadas para a vida. A escola ou a universidade  nos preparam  para um tipo de conhecimento bastante específico que nem de longe abarca a vida em toda sua complexidade. Quando entrei na faculdade – que eu tanto esperava – caiu a ficha que dá pra passar uma vida inteira esperando. Dá para passar anos esperando o vestibular, a formatura, a emprego perfeito, o final de semana, as férias e a aposentadoria.  A triste verdade é que sempre vão existir pessoas ou situações que diminuem nossas escolhas, nossa capacidade de pensar e sentir por conta própria. O que eu quero dizer é que, sim, talvez seja preciso obedecer algumas normas e autoridades, mas isso não significa que você está se preparando para a vida, porque nesse exato momento já está experimentando uma série de sentimentos e vontades.

O único modo de não se abater por essas imposições é levar a sério seus sentimentos e vivências. Enquanto sentimentos, vivemos de verdade. Não é preciso ser adulta ou ter uma formação escolar para que o que você deseja seja algo significativo. Sentir, criar, ter opiniões, viver, são coisas muito sérias que independem de uma idade, um diploma ou uma experiência profissional. O tédio nas aulas, o coração que dispara em uma mensagem, o sono depois do almoço, o sol que pede praia, a dificuldade em entender matemática, a vontade de colorir, o medo da prova, os diários, a felicidade da sobremesa, nada disso é espera, é já agora a vida.

Taís Bravo
  • Colaboradora de Escola, Vestibular & Profissão
  • Colaboradora de Artes
  • Vlogger

Taís tem 25 anos e passa os dias entre livros, nas horas vagas dá lições sobre selfies para Kim Kardashian e aprende sobre o que foi e não quer ser com Hannah Horvath. Feminista deboísta, acredita no poder das sonecas, das migas e do mar acima de todas as coisas.

  • Eduarda Silva Thomaznática

    Adorei !!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos