3 de junho de 2014 | Edição #3 | Texto: | Ilustração:
Estou na puberdade, e agora? (Um guia de como aceitar seu corpo após as transformações ocorridas na adolescência)
Ilustração: Verônica Vilela.
Ilustração: Verônica Vilela.

Ilustração: Verônica Vilela.

Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) brasileiro, a adolescência engloba a segunda década da vida, dos 12 aos 18 anos de idade. (É nesse estatuto que encontram-se os seus direitos, dê uma checada depois!) Embora legalmente a adolescência seja o intervalo entre 12 e 18 anos, os serviços de saúde no Brasil consideram a adolescência a fase entre 10 e 19 anos, porque, durante esse período, iniciam-se várias transformações no corpo das pessoas nessa faixa etária. É importante ressaltar que cada sociedade, de acordo com sua cultura e/ou época da história, apresenta um período específico para a adolescência, embora a maioria tenha em comum o marco das alterações biológicas visíveis do corpo.

É na adolescência que começamos a caminhar mais em sentido à nossa liberdade, a perseguir com mais independência nossos objetivos, experimentamos mais e mais cobranças, passamos por muitos dilemas, amadurecemos física e emocionalmente. Em muitos aspectos, é realmente um dos períodos mais conturbados (no bom e no mal sentido) pelos quais podemos passar – embora os adultos sempre discordem disso. E nosso corpo passa por todas essas mudanças também: é na adolescência que chegamos à temida… puberdade.

A puberdade corresponde à fase de transformações no nosso corpo, como o surgimento de espinhas e pelos pubianos, o crescimento dos seios e a chegada da primeira menstruação, o que resulta no amadurecimento sexual, ou seja, na possibilidade de reprodução por meio do ato sexual. Esse processo acaba deixando muitas meninas assustadas e inseguras, porque ainda existe um forte tabu sobre o corpo e a sexualidade feminina. Estou aqui hoje para tentar te dizer: está tudo perfeitamente normal com essas transformações, todas passamos por isso e não há nada de estranho – ou nojento – no novo corpo que você está passando a ter.

É difícil dizer quando exatamente começa a puberdade, já que ela varia muito de menina para menina, podendo se iniciar tanto aos nove quanto aos dezesseis anos de idade. É também praticamente impossível verificar com que tipo de mudança ela começa, e é por isso que fiz um esquema mais ou menos geral das transformações no corpo típicas da puberdade (mas não em ordem de ocorrência, necessariamente). Lembrem-se sempre de que cada menina tem um tipo físico e um tempo próprio para passar por essas mudanças, que podem ter resultados diferentes para cada uma.

Crescimento
É na puberdade que nossa altura mais varia: passamos de tamanho de criança e atingimos praticamente nossa altura definitiva em pouco tempo, o que é conhecido como “estirão”. É também nessa fase que nossos brotos mamários surgem e nossos seios se tornam mais aparentes. Além disso, o formato do corpo também se altera: passamos a ter os quadris mais arredondados, por conta dos hormônios. Essa mudança de formato – tanto dos seios, quanto dos quadris – acaba deixando muitas meninas inseguras, mas não se desesperem: ela é completamente natural! Não é preciso ter vergonha do seu corpo e por isso você não precisa apelar para roupas que o escondam. Repense se é mesmo necessário usar sutiã (que pode apertar e incomodar) ou se você só está tentando esconder algo que faz parte de você. O mesmo vale para usar aquela camiseta largona para camuflar seus quadris. Pratique desde cedo a aceitação do seu corpo, não temendo as mudanças que nele ocorrem e nem escondendo-se por estar diferente do padrão!

Pelos
Também na puberdade começam a surgir mais pelos por todo o corpo: na região púbica, virilhas, axilas, pernas, barriga, costas etc. Novamente, não se sinta mal ou envergonhada por isso: apesar de não estar retratado nas mídias mais comuns, todas as mulheres, como os homens, têm pelos. Aliás, são eles que ajudam na manutenção da temperatura do corpo, na retenção de gotículas de suor e na proteção da pele. Por isso, não se deixe enganar quanto aos argumentos “biológicos”: a depilação é apenas uma prática cultural imposta às mulheres por questões puramente estéticas. Se fosse questão de saúde e/ou higiene, todos os homens também seriam forçados a se depilarem como nós somos. Então o que importa em relação aos seus pelos é você se sentir confortável consigo mesma, sem precisar apelar para métodos dolorosos, agressivos ou invasivos de depilação se não quiser.

Menstruação
Temida, desejada ou, às vezes, inesperada, é nesse período que ocorre a nossa primeira menstruação, chamada de menarca. Ela não tem hora certa para chegar, às vezes pode acontecer aos 12 anos, de forma totalmente inesperada, às vezes aos 16, depois de muita espera, e ambas as situações são completamente normais. A menstruação é a eliminação de sangue e tecidos do útero, que sempre se prepara para receber um óvulo fecundado. Ela ocorre todo mês, durante muitos anos de nossas vidas, normalmente terminando só perto dos 50 anos – a chamada menopausa. Mas principalmente na adolescência, ela pode ser muito irregular, atrasando ou ocorrendo até mais de uma vez por mês. Não se desespere, isso é completamente normal e provavelmente só vai se estabilizar mais pra frente. Infelizmente, em nossa sociedade, a menstruação é vista como algo sujo e nos ensinam a escondê-la. Um exemplo disso é a maneira como muitas de nós carregamos nossos absorventes: em bolsinhas fechadas bem no fundo de nossas mochilas e bolsas. Mais uma vez, é preciso reforçar que não há nada de nojento em menstruar, então não precisa ter vergonha de estar naqueles dias e precisar sair da sala de aula levando um absorvente na mão. Todas nós passamos por isso!

A partir da primeira menstruação, é extremamente recomendável ir a uma ginecologista, que é a especialista no sistema sexual e reprodutivo das mulheres, para receber orientações de como cuidar da sua saúde e tirar todas as dúvidas envolvendo menstruação. Principalmente porque a menarca caracteriza a maturação dos órgãos sexuais e, com isso, a possibilidade de engravidar. É muito importante informar-se sobre métodos contraceptivos adequados para seu corpo e necessidades, visando evitar doenças sexualmente transmissíveis e uma gravidez indesejada, justamente porque é na adolescência que muitas meninas iniciam sua vida sexual. Além disso, a pílula anticoncepcional pode ser utilizada para amenizar os temidos sintomas da TPM, como cólicas e fluxo menstrual intenso e até mesmo ajudar a regular a oleosidade da pele, responsável pelo aparecimento de espinhas.

***

Então a mensagem é esta: você, como todas as outras garotas do mundo, vai passar por transformações na adolescência. Seu corpo vai ficar diferente, você vai se sentir diferente, afinal de contas, está deixando a infância. Não há absolutamente nada de errado, nojento ou esquisito nisso. O mais importante nessa fase é você se aceitar, amar seu corpo e ser feliz! Deixe pra lá a vergonha, você está linda! 😉

Ficou ainda com alguma dúvida? Mande-a pra gente!

Gabriella Beira
  • Coordenadora de Escola, Vestibular & Profissão
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Gabriella Beira é formada em Relações Internacionais e, como qualquer "internacionalista" (é assim que se chama a pessoa que estuda RI), quer conhecer o mundo todo e, se possível, mudar o mundo. Gosta muito de falar sobre educação, cultura, sociedade e feminismo, mas seu hobby mesmo é jogar Plants vs Zombies. É impaciente, procrastinadora, irmã mais velha e aluna mediana.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos