26 de maio de 2015 | Ano 2, Edição #14 | Texto: | Ilustração: Helena Zelic
Eu sou a geração Marte

Já era desagradável quando éramos crianças e as pessoas tinham uma estranha obsessão com o que iríamos fazer quando crescer. Talvez perguntassem por falta de assunto, mas eu sempre tive um pouco de vergonha de responder por medo de ser ambiciosa demais e querer fazer coisas impossíveis (apresentar meu próprio programa na MTV, em algum momento, era o que eu queria fazer). Agora imagina decidir com 3 anos que você quer ser astronauta e começar a preparar a sua vida desde então para isso?

Felizmente as mulheres já estiveram no espaço. A primeira mulher no espaço foi a soviética Valentina Tereshkova, na missão Vostok em 16 de junho de 1963. Em 1984 a primeira mulher andou no espaço, a Svetlana Savitskaya, no dia 17 de julho. Mas a menina do estado de Louisiana, Alyssa Carson, decidiu que iria para Marte.

Com 13 anos, Carson se prepara para ser a primeira pessoa no planeta vermelho. A motivação dela está no mistério da exploração e na consquista de ir para onde ninguém foi antes. No seu site pessoal, ela explica: “Pense em todas as coisas que estão no espaço. Por exemplo: planetas que ainda não foram explorados, galáxias das quais nunca ouvimos falar, estrelas que ainda são bebês, buracos negros gigantes, com a massa de bilhões de sóis…” Falando assim, parece muito emocionante! Mas não sei se poderia encarar toda essa aventura.

O mais incrível da história é que a NASA acredita no potencial dela como astronauta. Um agenda da NASA, em entrevista a BBC, disse que ela está na idade perfeita para eventualmente viajar para o planeta. Deram até um apelido a ela: Blueberry – em português, mirtilo. Carson foi a primeira pessoa a participar de todos acampamentos de férias promovidos pela NASA, participa de diversas atividades da agência e fala quatro idiomas (o que é muito legal, mas não sei se faria tanta diferença se ela fosse sozinha para Marte).

A adolescente dá palestras motivadoras para outras pessoas de sua idade, tudo com o tom de “você pode, você consegue” e diz ser da geração marte. Dá até para assistir a ela falando aqui:

Alyssa, espero que você consiga! Seria muito legal saber que uma mulher chegou a Marte e que chegou lá sabendo que era tudo o que sempre quis.

Nós, da Capitolina, torcemos por você!

Rebecca Raia
  • Coordenadora de Artes
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Coordenadora Editorial

Rebecca Raia é uma das co-fundadoras da Revista Capitolina. Seu emprego dos sonhos seria viajar o mundo visitando todos museus possíveis e escrevendo a respeito. Ela gosta de séries de TV feita para adolescentes e de aconselhar desconhecidos sobre questões afetivas.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos