23 de maio de 2016 | Cinema & TV, Colunas, Se Liga | Texto: | Ilustração: Sarah Roque
Existe igualdade na sétima arte?

A discussão a respeito da representação de homens, mulheres e minorias no cinema não é nova, mas fica ainda mais interessante quando conseguimos ter essa conversa com dados em mãos. Fica também ainda relevante porque estamos em 2016 e não atingimos o equilíbrio e igualdade de papéis necessários.

Vocês já sabem: homens brancos dominam as narrativas e os papéis cinematográficos. Ao acessar este site, conseguirá ver a análise de dois mil roteiros e quantidade de diálogos atribuídos a atores e atrizes. Eles admitem que seus resultados podem não ser 100% fidedignos, mas foram o máximo que puderam fazer e avaliar. Os métodos e a forma exata como realizaram a pesquisa podem ser conferidos no link acima.

A diferença de divisão de diálogos é gritantemente inversa. Também puderam constatar que enquanto as mulheres perdem papéis e destaque conforme vão envelhecendo, o oposto acontece com os homens. Foram quantificados diferentes gêneros, passando desde a comédia até o terror.

1

Segundo a pesquisa as mulheres que mais falam estão entre 22 e 31 anos, enquanto os homens sobe de 42 até 65 anos. Já ouvimos essa história antes: a juventude da mulher é muito mais valorizada. Já os homens têm o direito de envelhecer sem que isso atrapalhe sua vida, no caso, sua carreira.

Sabe quantos filmes tem 100% de diálogos inteiramente masculinos? 70. Alguns exemplos são O Regresso (The Revenant, 2015) e Guerra ao terror (The Hurt Locker, 2008). Em comparação, o número de filmes com diálogos inteiramente femininos cai substancialmente para DOIS: Agora e sempre (Now and Then, 1995) e Abismo do medo (The Descent, 2005).

Os números são os seguintes:

Em 307 filmes pelo menos 90% das falas são masculinas.

Em 314 filmes acontece um balanceamento e igualdade

Mulheres têm mais falas em 173 filmes.

Sabe Spotlight, vencedor recente do Oscar de melhor filme? Nele, apenas 6% das falas foram ditas por mulheres. Em Os Vingadores, 87% das falas são masculinas e apenas 13% foram destinadas às mulheres. Quando recorremos às avaliações por gênero, terror é o que mais tende ao equilíbrio de falas.

Outro fato comprovado foi que em 22 de 30 filmes da Disney analisados, os homens detém a maioria das falas. Até os filmes onde as personagens femininas lideravam, o diálogo ainda era masculino em grande parte.

Alguns números retirados da pesquisa:

A Bela e a fera tem 75% de diálogos masculinos e 25% de diálogos femininos

A Pequena sereia: 74% de diálogos masculinos e 26% de diálogos femininos

Frozen: 57% de diálogos masculinos e 43% de diálogos femininos

2

A conclusão é óbvia: além de todos os espaços onde tem sua participação limitada, mulheres também não possuem a mesma chance de ter voz no mundo do cinema. O que não surpreende, já que sabemos que a sétima arte também é dominada e construída por homens.

 

Tags:
Amanda Lima
  • Colaboradora de Saúde
  • Colaboradora de Educação
  • Colaboradora de Se Liga

Amanda, 22 anos, mas com carinha de 15. Ama o significado de seu nome, mas prefere que a chamem de Nina. Psicóloga e militante feminista, sabe que conhece ainda tão pouco e por isso tem uma sede muito grande em conhecer mais. Mais da vida, mais do mundo, mais de tudo. Nutre um amor incondicional por Beyoncé e, nas horas vagas, sonha em poder mudar o mundo.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos