9 de maio de 2015 | Edição #14 | Texto: | Ilustração: Marina Sader
Explorando o fundo do mar

Lá em meados de 2011, quando o Tumblr estava bombando mais do que nunca (sdds JamJars), eu comecei a seguir uma menina maravilhosa que se autodenominava (e ainda se autodenomina) sereia. Não sei se foi por causa dela, mas, pelo menos depois que eu comecei a segui-la (e ela se tornou bem famosa mais ou menos nessa época), reparei que muitas outras pessoas no site começaram a dizer que eram sereias também. Até hoje, dá para perceber que existe um fascínio por esses seres, por serem criaturas do mar, e aí comecei a pensar: de onde será que vem todo esse encantamento?

O mundo aquático é misterioso. Só 5% (!) dele já é conhecido pelo ser humano. E acho que justamente por sabermos tão pouco sobre o mar é que ele se torna tão fascinante, porque abre margem para imaginarmos o que quisermos. Quero dizer, sabemos o bastante para conseguirmos ao menos ter uma ideia do que encontraríamos se fôssemos fuçar a fundo esse universo, mas pouco o suficiente para podermos quase livremente imaginar o que poderia existir. Já parou para pensar quantas lendas envolvendo a vida submarina existem? Sereias, monstros (tipo o do Lago Ness), cidades submersas… Nesse sentido, acho que é um tanto diferente do que acontece com o universo além da Terra. Apesar de ambos causarem encantamento por seu mistério (sou apaixonada pelo espaço), é difícil sequer imaginar o que poderíamos encontrar lá fora, tudo o que conseguimos imaginar parte de uma referência terrestre. Mas o universo é muito extenso, talvez infinito, então pode ser que a realidade lá seja muito além do que podemos entender e pensar sob uma perspectiva apenas terrena.

Ainda assim, eu sinto — e fique à vontade para discordar de mim! — que o mundo extraterrestre é, hoje, mais explorado, ou, ao menos, que seus estudos ganham mais visibilidade que o universo dos oceanos. Isso é curioso porque há uma realidade inteirinha para ser desvendada dividindo o planeta com a gente, e, assim mesmo, focamos mais nos seus mitos do que naquilo que poderíamos descobrir de fato (isto, é claro, falando de pessoas leigas como eu; sei que tem estudiosos incríveis explorando o mar e descobrindo mais dia após dia). E por que será? Por que a corrida espacial é incentivada pelos governos, mas não há uma “corrida subaquática”?

Meu palpite se baseia na megalomania humana, e volta num debate que eu trouxe há alguns parágrafos: sabemos o bastante sobre o mar para compreender que não poderíamos, como seres humanos, sobreviver lá. Mas o universo Terra afora é possivelmente infinito, recheado de matéria e compostos químicos que talvez ainda desconheçamos. Conhecemos muito pouco sobre o que vive e poderia nos esperar fora do nosso planeta e ainda vemos a possibilidade de colonizar outros mundos, coisa que, já sabemos, não conseguiríamos fazer no oceano.

Mas, gente, meu coração dispara só de pensar na quantidade de seres e ambientes incríveis que dividem a Terra com a gente! Pensando nisso, selecionei umas fotos de seres inusitados que foram descobertos tanto no fundo quanto na parte rasa do mar. O universo além do nosso mundo também me fascina muito, mas, caramba!, essas fotos são de coisas que são minhas conterrâneas!

O que você pensa disso tudo? Se encanta mais com o universo além da Terra ou dentro dela? Conta pra gente!

Beatriz Trevisan
  • Cofundadora
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Colaboradora de Música

Bia, 23 anos (mas todo mundo acha que ela tem 13), feminista interseccional e estudante do último ano de direito. Talvez queira seguir na área, mas seu sonho de verdade é ser cantora e escritora. Se bem que, se fosse possível, largava tudo isso e se tornava Mestre Pokémon pra ontem.

  • neoadt

    Muito interessante, Beatriz! Realmente, a impressão que dá é que se gasta muito mais tentando desvendar os mistérios lá de fora do que descobrindo as muitas riquezas ocultas que ainda restam desconhecidas no nosso Planeta azul. Mas a sua teoria sobre a megalomania humana faz muito sentido, realmente… Infelizmente, porque o mar é um ambiente muitíssimo fascinante, e essas fotos fantásticas não me deixam mentir. Adorei a galeria, é realmente muito lindo lá no fundo, espero que cada vez mais possamos entender melhor o que se enconde lá embaixo!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos