3 de novembro de 2020 | Sociedade | Texto: | Ilustração: Bruna Morgan
Fake news e eleições – o que você precisa saber?

Este tem sido um ano cheio de surpresas e diferentes emoções. E apesar de tudo o que tem acontecido, não poderiam faltar também as eleições. Neste período eleitoral, elegeremos quem ocupará a prefeitura e a câmara municipal em nossas cidades e municípios. A única exceção, nesse caso, é o Distrito Federal que não contará com a disputa este ano, mas só em 2022 quando escolherão os representantes para a câmara distrital, governo e também a presidência, junto com todo o país.

Assim como nas eleições de 2018, devemos estar atentos a algo que infelizmente tem feito parte do nosso cotidiano: as fake news. As notícias falsas, traduzindo para o bom português, não são uma novidade. Sites como Sensacionalista e The Piauí Herald publicam matérias falsas com o único objetivo de divertir e satirizar o cenário atual. Entretanto, as fake news são um fenômeno muito maior que busca apenas desinformar, criar uma atmosfera de desinformação e, na política, favorecer/desfavorescer um candidato. Sendo assim, fica a dúvida: como identificar uma fake news?


O que são fake news?

Talvez você já tenha visto alguma notícia falsa nos grupos de WhatsApp. Seja em vídeo, foto, áudio ou postagem em site suspeito, no geral, elas chamam nossa atenção pelo conteúdo apelativo, afirmando algo sobre um assunto qualquer sem nenhuma fonte confiável que confirme o fato. E é aí que mora o perigo.

Mensagens assim são enviadas e compartilhadas com muita rapidez para diversas pessoas e grupos sem ao ser checado se é verdade ou não. Um exemplo de fake news que foi compartilhada na eleição de 2018 foi uma montagem que fizeram com a foto da então candidata a vice-presidência Manuela D’Ávila, na qual editaram uma frase que estava escrita em sua camiseta. Uma ação simples que poderia mudar o voto de alguém.

Como não cair em uma fake news?

Sempre que receber uma notícia e não tiver certeza se é verdade ou fake, você pode verificar alguns pontos. Primeiro de tudo, verifique se possui fonte, de qual site é e quem escreveu o que foi mandado.

Caso tenha sido enviado um link e, se for confiável, abra a notícia e leia o conteúdo. Veja se há erros na escrita e dê uma olhada em outras publicações do site. É importante não ler apenas o título destas notícias para não sermos enganadas pelo conteúdo.

Atenção também à data da notícia, pois informações antigas podem ser compartilhadas justamente para nos confundir sobre um fato atual. Busque também se sites conhecidos e confiáveis publicaram sobre o assunto e compare o que está sendo dito.

Além disso, você pode pesquisar em sites como o e-farsas, Fato ou Fake ou Lupa se algo já foi postado sobre a notícia/postagem/informação recebida. Caso identifique uma fake news neste período eleitoral, você pode denunciar no Pardal, aplicativo desenvolvido pelo Tribunal Superior Eleitoral, disponível na Apple Store e no Google Play. Além disso, pode ajudar a denuncicar casos de discurso de ódio e desinformação no tretaqui.org. 

Quer saber mais sobre fake news?

Se você ficou interessada no assunto, vale a pena conferir o documentário Fake news: baseado em fatos reais produzido pela GloboNews e também o episódio Pós-verdade e fake news do podcast Politiquês do Nexo Jornal. O coletivo Intervozes também lançoui recentemente a pesquisa  “Fake News: como as plataformas enfrentam a desinformação”, em que analisa as medidas adotadas pelo Facebook, Instagram, WhatsApp, YouTube e Twitter no combate à desinformação desde 2018 até o início da campanha eleitoral nos municípios brasileiros, em 2020.

Vote consciente e não deixe que uma fake news influencie o seu voto!

Amir Cardoso
    Metade de mim é curiosidade. A outra metade é revisão. Amante dos livros, esportes, música e podcasts. Nasci em 1994, sapatão, pessoa trans não-binária e preta. Bacharel em Letras pela UFMG, amo escrever, mas amo mais ainda revisar. Coleciono sonhos e livros não lidos.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos