15 de janeiro de 2016 | Fala Mais | Texto: | Ilustração: Sarah Roque
Fala mais… sobre o zika vírus

 

Zika é uma doença que chegou no Brasil recentemente. Não se sabe muito bem como, mas as suspeitas apontam pra Copa do Mundo de 2014, com grandes contingentes de pessoas da África e Ásia, continentes onde a doença existia.

O zika é um vírus transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, que é o mesmo que transmite a dengue e a febre amarela.

Os principais sintomas da Zika são febre baixa, dor nas articulações e manchas/pintinhas vermelhas na pele que causam coceira. Outros sintomas são: diarreia, dor abdominal e conjuntivite.

Os mosquitos colocam os ovos em água parada onde as larvas crescem e viram novos mosquitos. Portanto a forma de prevenção é a mesma da dengue: não deixar água parada. Limpar bem e pelo menos uma vez ao dia o reservatório de água dos animais domésticos, manter a caixa d’água fechada, não deixar água acumular nas lixeiras nem nos potes que ficam embaixo das plantas. Basicamente a água não pode ficar parada e acumulada. Além disso, individualmente podemos usar repelente.

A temperatura ideal pros mosquitos se reproduzirem é entre 30 e 32 graus, e todo mundo está bem ligado nesse calor que está fazendo.

Os sintomas são brandos e duram entre 3 e 7 dias, e em 80% dos casos a pessoa nem percebe que está com Zika. Se é assim então qual é a grande questão? O problema é que o Zika vírus está associado a problemas no sistema neurológico. De duas formas, a primeira é que algumas pessoas — a minoria, não vamos ser alarmistas — desenvolve complicações neurológicas como a síndrome de Guillian-Barré, que causa fraqueza e paralisia muscular, e para a qual existe tratamento. A segunda associação do Zika vírus com o sistema neurológico — e essa sim bastante grave — é a microcefalia.

A microcefalia é uma doença que provoca problemas de desenvolvimento das crianças, a cabeça e o cérebro ficam menores do que o de outras crianças da mesma idade. Para esta, não há cura. Portanto, pessoas grávidas precisam ficar especialmente atentas a doença. Em 2015, 1761 casos de microcefalia foram registrados no Brasil. Infelizmente a tendência é aumentar esse ano se a epidemia continuar. No final do ano passado o Brasil declarou estado de emergência sanitária nacional porque o surto de microcefalia já atinge 13 estados. Por isso é muito importante limpar todos os locais que possam ser focos de mosquitos e se prevenir, por mais que você não esteja grávida, pra evitar que o vírus se espalhe e que o surto de microcefalia cresça. Além disso, é importante que profissionais de diversas áreas comecem a pesquisar e entender maneiras de lidar com a microcefalia já que muitas crianças sofrerão da doença no Brasil.

Brena O'Dwyer
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Brena é uma jovem carioca de 22 anos que cada dia tem um pouco menos de certeza. Muda de opinião o tempo toda e falha miseravelmente na sua tentativa de dar sentido a si mesma e ao mundo em que vive. Gosta de ir ao cinema sozinha as quintas a noite e de ler vários livros ao mesmo tempo. Quase todas as segundas de sol pensa que preferia estar indo a praia, mas nunca vai aos domingos.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos