23 de agosto de 2014 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração: Laura Viana
Fantasias Sexuais

Antes de qualquer coisa, é normal você pensar em sexo o tempo inteiro. Não precisa não ser virgem para ter este tipo de pensamento, é algo natural e flui normalmente. O que muda é a realidade do que está pensando. Caso seja virgem, por exemplo, o seu pensamento sexual talvez não inclua a imagem de um órgão sexual. Com os pensamentos e a imaginação indo para longe, começamos a criar situações além da nossa realidade… E não são situações possíveis, algumas são até difíceis de serem realizadas e a maioria nem tem uma pessoa específica conhecida. Nestas situações, a excitação é quase instantânea, involuntária. Isso é o que chamamos de fantasia sexual.

É normal associar a fantasia sexual apenas ao ato em si. O tipo de ato sexual também é uma fantasia, mas não é a única coisa que se chama de fantasia.

Não confundam fantasia sexual com fetiche. Fetiche é algo permanente, está dentro da fantasia sexual (adorar cabelos longos, por exemplo). Já a fantasia é uma situação, uma história daquele momento a ser contada, uma viagem mesmo, algo mais amplo (“eu adoraria transar com uma menina de cabelos longos porque deve ser incrível suas madeixas cobrirem meu rosto”, por exemplo). Ela envolve  também tipos de pessoa (ruivos, morenos, japoneses, altos, baixos, mais velhos, mais novos), tipos de lugar (banheiro, cozinha, chão, escada), situações (depois de uma briga, depois de um dia cheio de trabalho, num frio danado, com gente olhando, com gente conhecida, com gente famosa…).

Não achem vocês que a fantasia serve apenas para aqueles momentos a sós com seu amor, ou quando está se masturbando. A fantasia pode ser despertada por uma palavra, uma contação de história numa roda de amigos, indo para casa, olhando para a janela de ônibus, assistindo uma aula chata. É algo que está na sua cabeça, e ninguém do seu lado sabe o que abre mais a cabeça para certos pensamentos absurdos (como, por exemplo, achar uma axila sexy).  Nem todas as fantasias duram muito, às vezes é algo momentâneo e depois você se esquece.

Fantasia sexual não é algo que necessariamente será realizado de fato. Ou seja, se você tem o desejo de fazer um ménage não significa que vai fazer ou terá coragem para fazer um quando tiver oportunidade, e não tem problema. Muita gente realiza fantasias sem querer. Está num local, o momento é propício, a coragem está alta, por que não? Tem meninas que se sentem confortáveis apenas pensando sobre, sem que haja uma pressão interna para que procurem tal situação.

É bacana realizar minhas fantasias?

É, por que não?

E se a pessoa com quem me relaciono tiver suas próprias fantasias, posso ajudar a realizar?

Apenas se você se sentir confortável, assim como o contrário também é válido. Quer dizer, se a pessoa sempre quis fazer algo a ver com sadomasoquismo, por exemplo, e você não se sente a vontade de fazer isso, não faça. A realização da fantasia é para ser divertida, não opressora.

Claro que à medida que sua vida sexual for crescendo, muita coisa será acrescentada. Justamente porque certas situações serão adicionadas, coisas que você não conseguia imaginar, ou saber que existiam, passam a ser uma boa ideia. É uma liberação da mente, acontece o mesmo quando se está aprendendo algo novo.

Mas não se sinta chateada caso nenhuma situação estranha (como transar em cima de uma máquina de lavar) lhe apeteça, ou que a coisa mais depravada que queira fazer é transar no sofá ou dormir de conchinha com Jared Leto. A sociedade as vezes pode nos pressionar para falarmos de sexo abertamente e a achar errado se o que gostamos é algo super brando. Não se aprisione por isso. Afinal, quem sente excitação e vontade de fazer é você. O outro tem a dele, porque fantasia sexual é algo completamente pessoal.

Bia Quadros
  • Coordenadora de Música
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Ilustradora

Bia na verdade é Beatriz e tem 20etantos anos. É do RJ, nunca saiu de lá e é formada em Artes Visuais. Transita entre ilustrações, pinturas, textos, crianças e frustrações. Tudo que está ligado a arte faz, sem vergonha e limite. Já fez algumas exposições, já fez algumas vitrines, vive fazendo um monte de coisa. Uma Metamorfose Ambulante.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos