9 de abril de 2014 | Edição #1 | Texto: | Ilustração: Isadora M.
Festivais: para curtir por inteiro!

Poucas sensações se comparam à de estar em um bom show, principalmente quando se trata de um artista ou uma banda muito amada. É aquilo de sentir o coração batendo no ritmo da música enquanto a gente canta entusiasmadamente as coisas que são a nossa trilha sonora de sempre. Agora imagina isso se repetindo várias vezes durante o dia e sendo compartilhado com os amigos e mais quinhentas, mil, um Woodstock de pessoas! Então, é esse o clima dos festivais, dos grandes aos independentes, e vale o cansaço que nos deixa derrotados – mas radiantes – no dia seguinte.

E é claro que algumas dicas podem nos ajudar a curtir ao máximo todos os shows! E a primeira delas é: preze pelo seu conforto, dos pés à cabeça. Os pés são queridos e te aguentam o dia inteiro, mas não há quem aguente o dia inteiro andando pra lá e pra cá com o sapato errado, por mais bonitinho que ele seja. Prefira aquele tênis velho e amigo que é o mais confortável de todos e que não vai ter problema se voltar pra casa sujo de guerra. Se for um lugar tranquilo, sem muito tumulto, vale levar um chinelo também.

É importante ir com roupas leves e se atentar ao tempo. Chapéu e capa de chuva são duas coisas que a gente acaba deixando pra lá, mas se você quer sofrer menos com o sol escaldante e a chuva torrencial – ou os dois no mesmo dia -, tenha-os à mão. E protetor solar, sempre!

Confira o regulamento pra saber se a entrada com comida é permitida. Se sim, leve! Se estamos falando de Lollapalooza, por exemplo, o cachorro quente custava 12 reais na edição 2013, a água era 4 (!!!) e quem tinha dietas mais restritivas ficava sem opção.

No caso de shows muito grandes, não se desespere pra alcançar a grade. Ver seu ídolo de pertinho pode ser a maior emoção do mundo, mas coloque na balança: Às vezes vale mais a pena assistir ao show um pouco mais longe do palco e dançando muito do que ficar lá na frente levando cotovelada e sem espaço pra se mover. Tenha os horários das apresentações em mãos e aproveite para circular pela área do festival.

E além desses grandes festivais, é legal se inteirar sobre a cena independente e pequenos festivas que rolam na sua região. Esses, quando não são gratuitos, costumam ter preços muito mais acessíveis e atrações incríveis! Tem muita gente boa esperando pra ser prestigiada enquanto nossos olhos estão virados para artistas já muito famosos que, consequentemente, cobram um valor muito mais alto pra se apresentarem.
No mais, é só se deixar levar pela vibe, conhecer outras pessoas, novas bandas, pular, dançar, gritar e ter o coração lavado com muita música!

Jade Cavalhieri
  • Colaboradora de Culinária & FVM

Boneca trouxa inveterada que perde muito tempo reclamando e clamando direito à preguiça. É escorpiana com ascendente em áries e ama mostarda de uma forma não muito saudável. Se identifica com nuvens cirrocumulos e alguma parte dentro dela ainda quer ser astronauta.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos