14 de setembro de 2015 | Sem categoria | Texto: | Ilustração: Jordana Andrade
Ficção científica é lugar de mina!

Não é de hoje que estamos falando de representatividade  na Capitolina. Sabemos que é importante que todos os grupos sociais sejam representados em todas as áreas da sociedade, mas também o tanto que as mulheres ficam abandonadas das narrativas de ficção, mesmo quando fazem parte delas . Pode parecer besteira reclamar de não ter uma personagem na TV com que você se identifique, mas quando o que está na telinha é reflexo e refletido  nas relações sociais do mundo real, esta reclamaçãozinha mostra sua verdadeira dimensão. Não dizem que a vida imita a arte, e vice-versa? Se a arte não mostra mulheres de todos os jeitos e em todos os tipos de profissões, fica fácil entender que tem alguma coisa errada.

Nesse sentido, é sintomático que a nossa presença nas tramas que tenham alguma relação com a ciência se resuma ao papel de vítimas , quando muito. A ausência de mulheres cientistas nas séries e filmes significa que é mais difícil entrarmos em contato com alguma profissão de nosso interesse no contexto de ser mulher, significa que não temos o reconhecimento de nossos problemas e almejos pelos roteiristas e diretores, significa acharmos que somos as únicas que passamos por tais situações. Quem nunca ouviu falar de algum garoto que deciciu que seria astronauta por causa de algum filme que assistiu e desenvolveu um interesse profundo pelo assunto? A ficção serve também, então, para nos apresentar universos diferentes dos nossos e despertar novos interesses – o que pode influenciar até em uma futura carreira profissional, quem sabe?

Outro dia eu vi no Tumblr alguém falando sobre uma conversa que seus irmãos mais novos tiveram durante o jantar: a irmãzinha falava que queria ser cientista quando crescesse, e o irmãozinho respondia que meninas não podiam ser cientistas! A menininha respondeu, então, que é claro que podem!, a Princesa Jujuba é uma garota e é cientista! Acho que todo mundo já viveu ou presenciou isso quando era mais nova, né¿ Não poder ser personagem x nas brincadeiras, ou que nem personagem y quando crescesse porque você não divide algum traço com ela¿ A naturalização da presença feminina nos campos científicos passa por muitos pontos, e um deles é a naturalização dessa ideia na mente da sociedade.

Por causa disso tudo, resolvemos montar essa lista de mulheres cientistas na ficção! Elas servem de inspiração e fonte de esperança de que logo teremos mais e mais e mais e mais mulheres nas séries e filmes exercendo tudo quanto é profissão, do jeitinho que queremos que seja também na vida real!

1. Alex Munday (engenheira aeronáutica) – As panteras
Esse todo mundo já viu, né? As panteras são três super-espiãs investigando o sequestro de um carinha multibilionário, e é aí que entram as habilidades da Alex!

2. Allison Reed (não especificado) – Evolution
A Allison é a chefe de uma equipe de cientistas enviadas pelo governo dos EUA para investigar um meteorito com organismos extraterrestres que cai no deserto e acaba ameaçando toda a humanidade. Uuuuuuh.

3 e 4. Amy Farrah Fowler (neurocientista) e BernadetteRostenkowski-Wolowitz (microbiologista) – The Big Bang Theory
TBBT é uma série de comédia que trata do dia-a-dia de um físico experimental e um físico teórico. A Amy e a Bernadette demoram um pouquinho pra aparecer na série, mas são maravilhosas mesmo assim <3

5. Beverly Katz (cientista forense especializada em fibras) – Hannibal
A Lorena fala um pouquiiiiiinho sobre Hannibal aqui! Tem investigação de crimes (mas nem tanto), canibalismo, uma fotografia maravilhosa e a Bev, que é uma das melhores personagens da série, de verdade!!!

6. Caitlin Snow (bioengenheira) – Flash
Flash fala sobre, bem, o Flash, que tem capacidades sobre-humanas de correr a velocidades incríveis e tals. A Caitlin é uma das personagens que transita entre os universos de Flash e Arrow (série sobre o Arqueiro Verde) pra mostrar que eles são na verdade o mesmo!

6. Dana Scully (médica legista) – Arquivo X
A Scully é o cérebro de uma dupla de investigadores do FBI que tratam de casos não solucionados e que envolvem o sobrenatural! Eu quero acreditar que vocês vão gostar dela 😉

7. Ellen Ripley (astronauta) – Alien
Alien é um filme sobre alienígenas. Ah, vá? Ok, um grupo de astronautas encontra uma nave alienígena abandonada em sua viagem de volta pra Terra. Ou talvez não tão abandonada assim!

8. Jane Foster (enfermeira/física) – Thor
Nos quadrinhos, Jane é uma enfermeira, enquanto nos filmes recentes ela trabalha com Física. Nos dois universos, ela é namorada do deus do trovão, mas não deixa de ser uma coadjuvante menos importante por causa disso.

9. Jemma Simmons (bioquímica) – Agents Of S.H.I.E.L.D.
Essa série trata da organização S.H.I.E.L.D. do universo Marvel depois dos acontecimentos retratados em Os vingadores de 2011!

10. Jo Harding (meteorologista) – Twister
A Jo é uma das cientistas de uma equipe que persegue tornados para estudá-los! Parece perigoso, né?

11. Juliet Burke (geneticista/médica de fertilidade) – Lost
Lost é considerada por algumas pessoas uma das séries mais importantes de todos os tempos. Conta a história de um grupo de sobreviventes a uma queda de avião em uma ilha misteriosa! A Juliet só aparece na terceira temporada.

12. Molly Hooper (patologista) – Sherlock
Em Sherlock, as histórias do detetive são transportadas para o mundo atual. Molly é uma amiga de Sherlock, que trabalha no necrotério de um hospital e é essencial ao trabalho dele.

13. Princesa Jujuba (não especificado) – Hora de aventura
A Princesa Jujuba é governante do Reino Doce, que fica na Terra de Ooo em um futuro pós-apocalíptico. Nas horas vagas, ela faz experimentos com viagem no tempo e engenharia genética. Nada demais, né?

14. Ryan Stone (astronauta) – Gravidade
Ryan está em sua primeira missão no espaço quando BOOM! Sua nave é atingida por destroços e ela é jogada no espaço sideral. Eita!

15. Temperance Brennan (antropóloga forense) – Bones
A Bones investiga restos mortais para ajudar a desvendar casos para o FBI, e enquanto isso segue sendo uma super-gênia que sabe de tudo um pouco. Sério.

Esquecemos de alguém? Conta pra gente nos comentários!

Beatriz Rodrigues
  • Colaboradora de Ciências
  • Colaboradora de Estilo
  • Colaboradora de Saúde

Bia Rodrigues ou só Bea tem 19 anos, é mineira, estudante de Farmácia e adora fatos inúteis. Se tivesse que comer só uma coisa pelo resto da vida, escolheria batata. Ainda não acredita que conheceu outras meninas da Capitolina. É 60% Corvinal e 40% Sonserina.

  • Caio Borrillo

    Tem muitas outras cientistas da ficção científica. Tem a coronel Samantha Carter, de Stargate SG-1, tem a capitã Janeway, de Star Trek Voyager, tem a Jadzia Dax de Deep Space 9. E a Ripley não era cientista. Ripley era uma oficial de voo da Nostromo.

    E na boa, The Big Bang Theory não representa nem ficção científica, nem as mulheres. É uma série misógina e grosseira, que desde o princípio tratava Penny como um corpo desacerebrado. Nem As Panteras, que estereotiparam demais as mulheres.

    Enfim, tem coisa boa na lista, mas tem outras que não representam bem as mulheres.

  • Malu

    Faltou a Cosima de Orphan Black!

  • Mia

    Felicity Smoak

  • Pingback: Jodie Whittaker, a Senhora do Tempo em 'Doctor Who'()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos