25 de maio de 2016 | Edição #26 | Texto: e | Ilustração:
Filmes lésbicos para a “geração Netflix”
imagine-me-and-you-lena-headey-4533441-1200-786

Há algum tempo, vendo um filme que as protagonistas eram lésbicas, fiquei me questionando sobre o motivo desses filmes sempre acabarem com finais trágicos. É claro que ser lésbica não é um mar de rosas e nossa vida também não cheira a flores o tempo inteiro, mas por que não teríamos direito também de ver filmes com finais felizes? Ou engraçadinhos para aquele momento que só queremos curtir um edredom junto de mozão? Por que grande parte dos filmes acabavam em morte, solidão ou amores nunca correspondidos?

Eu me perguntei sobre isso há bastante tempo, quando comecei a buscar alguns filmes em que me sentia mais representada. Eu até gostava de assistir a dramas, comédias ou romances que tinham casais héteros, mas eu sentia bastante falta de me ver mais naquelas histórias.

Hoje, ainda bem, nós temos mais filmes com protagonistas lésbicas, temos até uma série sobre isso na Netflix: Orange is The New Black. Ou com personagens lésbicas como em Sense 8. É claro que ainda não vivemos um ideal de representatividade das minorias políticas nesses filmes ou séries, mas já temos alguns deles e ficamos muito felizes de poder assisti-los.

Foi pensando nisso tudo aí em cima, mas também porque uma leitora muito fofa veio nos perguntar outro dia indicações de filme para ver com a sua namorada, que eu e a Laura pensamos nessa pauta.

Direcionamos o texto, assim, para as garotas da geração Netflix, isto é, para aquelas que às vezes trocam a balada da sexta-feira pelo filme ou ainda para as que veem o filme curtindo a ressaca da balada do dia anterior.

Listamos, então, alguns filmes que valem a pena ver, alguns bem engraçados, outros que é bom deixar a caixinha de lenços ao lado. Alguns ainda estão na Netflix, mas a maioria dos filmes LGBTs de lá são sobre homens gays. Por isso, indicamos também alguns filmes que estão disponíveis em outros sites.

Imagine eu & você: de 2005, o filme é uma comédia romântica, bastante gostosa de ser assistida. A florista responsável por organizar as flores de um casamento acaba desenvolvendo um sentimento forte pela noiva. A história vai se desenrolando sobre a forma que os sentimentos delas duas vão se aprofundando. Está na Netflix.

Somente elas: ainda que se trate de um drama, o filme de 1995 tem também cenas muito engraçadas. Mais representativo do que dissemos sobre filmes com histórias mais trágicas, é também uma história prazerosa. Fala sobre uma viagem feita por três mulheres que vão se tornando amigas, cada uma passando por dramas diferentes na vida. No filme ainda está a maravilhosa Whoopi Goldberg, que é a personagem lésbica.

Vestidas de noiva: é um documentário, recentemente disponibilizado no YouTube, que traça o histórico do casamento homoafetivo no Brasil ao mesmo tempo que acompanha a história de Fabia e Gabi. O filme celebra as conquistas da população LGBT e aponta o que ainda precisa ser feito para garantir direitos iguais às famílias.

Melhor que chocolate: também disponível com legendas em português no YouTube, é uma comédia romântica de 1999 em que Maggie conhece Kim apenas horas antes de sua mãe e irmão se mudarem para seu apartamento. As duas tentam levar o namoro sem assumi-lo para a família, mas o romance acaba propondo uma série de novas experiências, muito “melhores que chocolate”.

Carol: conta a história do envolvimento de duas mulheres, no início da década de 1950, que não só têm idades diferentes, como também são de classes sociais distintas. Com uma sensibilidade incrível, é possível notar o amor se construindo, os movimentos de conquista, além dos dramas relacionados à sociedade e a não aceitação da relação amorosa afetiva entre duas mulheres. Tem legendado no YouTube, e é baseado em um livro.

Como esquecer: Júlia (Ana Paula Arósio) é uma professora de literatura que luta para sair de uma fossa depois do término de um relacionamento muito intenso e duradouro com Antônia. Este filme (baseado em um livro) é sobre encontros, perdas e amor. Não achamos o link para assistir online, mas vale a pena ver o trailer. Importante: assistir ao lado de uma caixinha de lenços de papel.

Flores raras: se passa no Brasil dos anos 1950/60, momento em que o país vivia grandes transformações. Brasília estava sendo construída e o Rio de Janeiro se preparava para deixar de ser a capital federal. Baseado em fatos reais, o filme conta a história de Lota de Macedo Soares, arquiteta e empreendedora da sociedade carioca que apaixonou-se pela escritora Elizabeth Bishop. Pode ser também um ótimo filme para quem se interessa pela História do Brasil. Para quem ficou curiosa, aqui o trailer.

Pariah: o drama de 2011 desenha a forma que a sexualidade vai sendo descoberta por uma adolescente negra, no Bronx, Estados Unidos. Demonstrando os conflitos dessa identidade que vai se fortalecendo e a vivência com a família e amigas, o filme é ótimo para pensar de que modo ser lésbica ganha contornos e significados diferentes dependendo do lugar que se ocupa na sociedade. É lindo, vale muito a pena. Só encontramos o trailer, mas sem legenda em português.

Nunca fui santa: A comédia conta a história de Megan (Natasha Lyonne, a Nichols de OITNB), uma líder de torcida linda, popular e que sai com o capitão do time de futebol, o estereótipo da menina norte-americana perfeita. Seus pais e seus amigos, na tentativa de “salvá-la” de um possível “desvio sexual”, mandam-na para um acampamento de “correção”. O filme é uma caricatura hilária dos estereótipos homossexuais e conta com um elenco incrível. Infelizmente, não achamos o filme nem o trailer com legendas, mas sabemos que tem na Netflix dos Estados Unidos (para quem tem a expansão no navegador e entende bem inglês).

Desejo proibido: o filme conta três histórias diferentes sobre lésbicas, vividas em épocas diferentes, mas que se passaram em uma mesma casa. Passando pelas décadas de 1960, 1970 e anos 2000 os diferentes desafios de ser lésbica vão sendo pautados pelas vivências dessas mulheres. Novamente só o trailer em inglês.

Bom, tentamos trazer uma listinha de filmes com protagonistas lésbicas para vocês. Alguns nacionais, outros não. Alguns para rir, outros para dar uma choradinha. Infelizmente, não achamos alguns deles para serem vistos online. E alguns trailers estão com legendas em inglês. Que tal vocês nos enviarem por comentários links que tenham achado para vermos os filmes citados aqui? Ou nos falar de outros filmes que vocês viram e também gostaram?

Fernanda Kalianny
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Fernanda Kalianny Martins Sousa , 24 anos, fez Ciências Sociais na USP e cursa mestrado em Antropologia Social na mesma instituição. Adora ler sobre aquilo que informa e complementa sua formação enquanto ser humano, então sua área de estudo tem tudo a ver com aquilo que sente ou é (estuda raça, gênero e sexualidade). Escreve poemas e acredita que sempre será "amor da cabeça aos pés". O coração, intensidade e impulsividade controlam quase todas as ações. Ama apaixonadamente e vive as paixões da forma mais cheia de amor possível. Antes que sufoque com o que fica para dentro, coloca tudo no papel.

Laura Miranda
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Lau tem 19 anos e cursa Letras/Literatura na UFF, mas tem phD em cultura pop lésbica. Se existe inferno, acredita que ele deve envolver uvas passas, cálculos matemáticos, Paulo Coelho e cheiro de ovo. Já o céu tem animais filhotinhos, é brega, gay, 120% colorido e brilhante e toca Beyoncé. Se assumiu aos 15 anos e entende algo sobre adolescência não-heterossexual, por isso tá disposta a trocar uma ideia contigo caso você queira falar de meninas mas não tenha coragem de contar pra alguém que te conheça - pode mandar inbox no facebook ou e-mail para mrndlaura@gmail.com. Auto-declarada rainha da internet desde 2013.

  • Rafaela Esteban

    Já vi alguns desses da lista. Tem na Netflix também o filme ‘Elena Undone’, com cliches e dramas mas vale muito a pena assistir.

  • Emily Lacreda

    Quando a noite cai! Um filme muito bom, com excelente trilha sonora, direção impecável, duas atrizes carismáticas, e ainda conta com o especialissimo ambiente circense do Canadá! História viável e uma cena suave de sexo entre elas!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.