10 de outubro de 2015 | Literatura | Texto: , , e | Ilustração: Isadora M.
Garotas esquecidas da saga Harry Potter
MulheresHP-IsadoraM (1)

Hermione, Luna, Gina, McGonagall, Umbridge, Bellatrix, Lilian, Molly. Os sete livros e oito filmes da saga de Harry Potter têm personagens femininas poderosas aos montes, todas com personalidades definidas e papéis relevantes na narrativa. Mas algumas dessas deusas, loucas e feiticeiras não ganharam muito destaque na trama e acabaram esquecidas até pelos fãs da saga, mesmo tendo histórias fascinantes. Hoje estamos aqui para prestar uma homenagem às garotas esquecidas do mundo bruxo.

MURTA

Murta Que Geme

Presente em três dos livros da série – Harry Potter e a Câmara Secreta, Harry Potter e o Cálice de Fogo e Harry Potter e o Enigma do Príncipe –, a fantasma Murta Que Geme é fundamental para alguns desenvolvimentos da história, mas mesmo assim é frequentemente desprezada tanto pelos personagens quanto pelos leitores. A primeira vítima fatal de Tom Riddle, o Lord Voldemort, Murta morreu ao ver o basilisco no banheiro, onde estava escondida, chorando, por conta do bullying incessante que sofria no colégio. Após sua morte, continuou assombrando o banheiro e sendo vítima de comentários maldosos das alunas, que evitavam ao máximo sua presença; no entanto, Harry, Rony e Hermione encontraram em Murta uma importante aliada contra o basilisco e durante o Torneio Tribruxo. E Draco Malfoy, em um de seus momentos de maior vulnerabilidade em Enigma do Príncipe, desenvolveu uma amizade com a fantasma, que também desejava companheirismo e compreensão.

Murta é vista como chata e chorona por todos, mas é uma representação bem real de garotas adolescentes que se sentem rejeitadas no ambiente escolar por fugirem dos padrões impostos a elas, e da solidão (e possível depressão) que elas vivem – ela conta que demoraram para encontrar o corpo morto, mais de uma vez dá a entender que a única coisa interessante sobre ela é sua morte trágica, e, em um momento, diz que tinha ido ao banheiro para se matar, até lembrar que já estava morta.

HELENA

Helena Ravenclaw

Helena Ravenclaw foi a filha da fundadora da casa Corvinal, Rowena Ravenclaw, sendo consequentemente uma das primeiras alunas que Hogwarts teve. Descrita como uma mulher extremamente intelectual, Helena é notória na série por ter roubado o diadema de sua mãe – item que supostamente engrandeceria a inteligência de qualquer pessoa que o usasse – e fugido.

Anos depois, quando Rowena adoece e está prestes a morrer, ela envia o Barão de Sonserina para procurar a filha. A escolha não foi nada aleatória: ele sempre fora apaixonado por Helena, apesar do sentimento não ser correspondido. Quando ele a encontra em uma floresta da Albânia e ela se recusa a acompanhá-lo de volta, ele fica furioso e simplesmente a esfaqueia até a morte. Ao perceber o que tinha acabado de fazer, ele usa a mesma arma para cometer suicídio.

Os dois fantasmas – dele e de Helena – acabam retornando a Hogwarts, ele sob o apelido de Barão Sangrento (sua roupa é manchada pelo sangue de Helena) e ela, de Dama Cinzenta. Além das roupas, o Barão Sangrento também usa correntes como forma de se punir pelo que fez – algo que Helena vê, muito justamente, como nada mais que sua obrigação.

ARIANA

Ariana Dumbledore

Dumbledore é meu personagem favorito de todo o universo Potteriano. Obviamente me identifico com Hermione, morro de amores pelo Lupin e quero caçar narguilés com a Luna, mas nenhum personagem tem tantas dimensões quanto o diretor de Hogwarts. E não me refiro aqui ao arquétipo do mago sábio que eventualmente balbucia uma grande lição de vida disfarçada de frase sem sentido. Falo do homem imaturo cuja vaidade o aproximou de um bruxo com quem compartilhava delírios de grandeza e ódio. Do homem brilhante que aprendeu a converter seu apetite pelo poder numa potência transformadora. E esse arco de redenção só foi possível graças à Ariana, sua irmã.

Harry Potter é recheado de alegorias. A ascensão de Voldemort é análoga à escalada do nazismo, a rejeição aos bruxos mestiços nada mais é do que racismo. Mas talvez nenhuma metáfora seja tão pesada quanto a agressão à Ariana. J.K. Rowling escreve que, com apenas seis anos, a menina foi atacada por um grupo de garotos que a viram praticar magia. O evento a traumatizou permanentemente: Ariana foi deixada com cicatrizes físicas, emocionais e perdeu o controle de suas habilidades. Qualquer semelhança com abusos sexuais sofridos por crianças provavelmente não é mera coincidência. Muitos leitores entendem o que aconteceu com Ariana como uma alegoria para estupro. Num acesso de fúria e desespero, seu pai assassinou os meninos responsáveis pela agressão e foi enviado para Azkaban (a prisão dos bruxos). Sua família se mudou para Godric’s Hollow e passou a escondê-la dos vizinhos para evitar perguntas. Ela é descrita como quieta e gentil, mas incapaz de dominar suas emoções, o que a levava a causar explosões. Numa delas, matou sua mãe.

Dumbledore e Aberforth se tornaram, então, responsáveis pela menina. E nosso amado diretor a ressentia. Ele era jovem, ambicioso, dotado de uma inteligência excepcional, queria a glória que lhe parecia de direito. No entanto, estava preso em Godric’s Hollow com uma adolescente que dependia de sua total dedicação. Foi então que Grindelwald apareceu. No subtexto, entendemos que Dumbledore não só se apaixonou por suas ideias, mas também pelo rapaz. Eles compartilhavam o desprezo pela fraqueza alheia e tinham planos grandiosos de domínio. Um dia, Aberforth os confrontou e um duelo entre os três teve início. Ao tentar impedir os irmãos de se matarem, a doce Ariana acabou atingida por um feitiço fatal cuja origem é desconhecida. Saber que sua cobiça – e talvez sua varinha – havia sido a responsável pela morte da irmã alterou a trajetória de Dumbledore. Ele retornou a Hogwarts como professor para evitar que outros jovens que também tinham o poder como fraqueza cometessem os mesmos erros. Não é à toa que seu maior ensinamento é que uma pessoa é definida por suas escolhas, e não por suas habilidades.

Ariana é importante para a narrativa. Sua morte foi o gatilho para a redenção de um dos maiores bruxos que o mundo mágico já viu. Sem Ariana, o Dumbledore que dedicou sua vida a impedir Voldemort não existiria. Mas é decepcionante que ela seja só isso. Por que personagens femininas e suas tragédias deveria servir apenas como mecanismo para avançar os arcos dos personagens masculinos? Eu amo Dumbledore, mas adoraria conhecer a Ariana que existia além da história de seu irmão.

MEROPE

Mérope Gaunt          

E como falar das garotas esquecidas de Harry Potter sem citar a Mérope Gaunt? Para quem não se lembra, ela é a mãe de Tom Marvolo Riddle – também conhecido como Voldemort. Mérope cresceu em um ambiente opressivo, com o pai e o irmão, que a diminuíam por ela ser mulher, constantemente usando termos com “suja” e “aborto” (que, no universo de Harry Potter, significa alguém que é de família bruxa e nasceu sem poderes mágicos); ela era feita de escrava por eles, abusada psicologicamente, porque se achavam superiores por serem descendentes de Salazar Slytherin, um dos fundadores de Hogwarts.

Mérope era apaixonada por um trouxa (não-bruxo) chamado Tom Riddle, que vivia na mesma vila que ela, o que fazia sua família a desprezar mais ainda. Quando seu pai e seu irmão foram mandados para Azkaban, Mérope resolveu dar uma poção do amor para ele que, enfeitiçado, fugiu com ela. Depois de um tempo ela engravidou e, certa de que a essa altura ele já havia se apaixonado, Mérope decidiu então livrá-lo da poção, crente que ele continuaria junto à ela. Porém, Mérope se enganou. Tom voltou para a aldeia, abandonando-a grávida.

Então, ela foi para Londres, grávida e sozinha, levando consigo somente o medalhão de ouro pertencente a Salazar Slytherin, o qual ela vendeu para o dono da Borgin & Burges por apenas 10 galeões. Mérope deu à luz Tom Marvolo Riddle em um orfanato de trouxas, morrendo no parto.

Mérope foi tão traumatizada por todos os anos que viveu sendo tratada como lixo que suas habilidade mágicas eram quase nulas. Quando se viu livre do seu pai e de seu irmão, ela conseguiu voltar a praticar magia mas, quando foi deixada por Tom, seu bloqueio voltou: ela não usou magia nem para salvar a si mesma ou ao filho. Ela não via motivos para continuar vivendo, se enxergava como alguém inferior e que sempre esteve sozinha no mundo. Apesar disso, ela ainda acreditava que seu filho poderia ter uma vida melhor que a dela e, para que isso acontecesse, seria melhor que ele crescesse em um orfanato e não com ela.

Lorena Piñeiro
  • Cofundadora
  • Ex-editora Geral

Lorena tem 26 anos e mora no Rio, embora tenha crescido nos subúrbios da Internet. Trabalha com análise de roteiros televisivos, avalia manuscritos literários, traduz e revisa obras em inglês e escreve por aí. É igualmente fascinada pelo gracioso e pelo grotesco. Adora filmes de terror, livros de fantasia, arte surrealista e qualquer coisa que não carregue o mínimo semblante de realidade. Tem empatia até por objetos inanimados e queria ser um urso ?•?•?

Sofia Soter
  • Cofundadora
  • Ex-editora Geral

Sofia tem 25 anos, mora no Rio de Janeiro e se formou em Relações Internacionais. É escritora, revisora e tradutora, construindo passo a passo seu próprio império editorial megalomaníaco. Está convencida de que é uma princesa, se inspira mais do que devia em Gossip Girl, e tem dificuldade para diferenciar ficção e realidade. Tem igual aversão a segredos, frustração, injustiça e injeções. É 50% Lufa-Lufa e 50% Sonserina.

Bárbara Reis
  • Colaboradora de Cinema & TV

Bárbara Reis tem 18 anos, é paulista e estuda Jornalismo na ECA. Acha que a internet é a melhor coisa que já aconteceu, é fascinada por novas linguagens e tem o péssimo hábito de acumular livros para ler e séries para assistir. O seu pior pesadelo envolveria insetos, agulhas, generalizações, matemática e temperaturas acima de 27ºC.

Marina Monaco
  • Colaboradora de Música
  • Social Media
  • Audiovisual

Marina tem 25 anos, mora em São Paulo, é formada em Audiovisual e cursa Produção Cultural. É apaixonada pela cor amarela, por girassóis e pela Disney. Ouve música o dia inteiro, passa mais tempo do que deveria vendo séries e é viciada em Harry Potter (sua casa é Corvinal, mas reconhece que tem uma parte Lufa-Lufa).

  • Ana Luísa

    Adorei!!!

  • Eveline Gomes

    Gente, não sabia da história da Helena com o Barão….. E a da Mérope em conjunto com a da Ariana são as mais tristes :/

  • Lucas

    Ótimo post!

  • JaneJC

    Concordo que elas não têm tanto destaque na história quanto Gina,Hermione,Luna,etc,mas em hipótese alguma podem ser consideradas como “esquecidas”. Qualquer pessoa que tenha lido os livros sabe que cada uma,em determinado momento da história,teve papel relevante e fundamental para os rumos da mesma. Só pode considerá-las esquecidas quem não leu os livros,já que nos filmes elas pouco aparecem ou não aparecem.

  • Luiza Paula Moreira

    nossa realmente fantastico esse post

  • Paac Rodrigues

    adorei o post é incrível <3

  • Alana Bastos

    Não costumo comentar, mas que post incrível, parabéns!

  • Marina Certo

    Olha, adorei a publicação e relembrar dessas personagens, mas vou ser um pouco a chata das problematizações aqui haha todas essas personagens sao mulheres que morreram como plot device para sua tragedia ser de alguma utilidade para um personagem homem. E isso nao so é um problema, como tambem eh o padrao de utilizacao de personagens femininas na ficcao: ela eh apenas uma ferramenta/objeto para a busca do personagem principal, homem, causando motivacoes e emocoes. Elas sao subordinadas aos personagens masculinos na obra, inclusive morrendo violentamente por isso. Sei que elas tem outras dimensoes, mas servem basicamente para isso, nao me admirando que sejam assim menos consagradas por ai.

  • Ewylla Almeida

    <3 isso é com certeza algo que todos devem ler! Amei a matéria!

  • https://www.facebook.com/vanessacbvieira Vanessa Vieira

    Que coisa maravilhosa! Adorei o texto.

  • http://minhamarmitatem.com.br/ Rebecca Bittencourt

    Quem é ela? Não lembro

    • gabi-z

      Ela é prima do Sirius, eu acho

  • http://hey-whynot.blogspot.com/ Nicole (@blogdanica)

    Eu adoro a Murta, nao so por esse ser meu sobrenome (serio, meu sobrenome e Murta mesmo). Mas tambem porque passei a vida inteira sofrendo bullying por nao ser como as outras garotas.

    Ah sou totalmente Lufa-Lufa <3
    Beijos, Nicole

    Dona do Why Not?, e colunista do #Turistando no Portal Gleep

    • http://sofiasoter.com Sofia Soter

      High-five de Lufa fã da Murta! o/

      <3 <3 <3

      (Na verdade sou uma 50% Lufa e 50% Sonserina, mas o amor de Lufa tá valendo, né?)

      • http://hey-whynot.blogspot.com/ Nicole (@blogdanica)

        Caramba meio a meio, nunca tinha visto isso :)

        • http://sofiasoter.com Sofia Soter

          Pois é, é meio estranho mesmo, hahahaha, mas é bem como eu sou.

  • Max

    Senti falta de mencionarem a Andromeda Tonks, irmã de Bellatrix e Narcissa, desonrada pela família Black por ter se casado com um nascido trouxa e largando todos os valores da família pra ficar com ele, criando a filha com todo o amor possível, e infelizmente enviuvando antes dos 50 anos, perdendo a filha e o genro menos de um ano depois, ficando sozinha com um neto pra criar =( essa mulher passou por muitos traumas, é uma verdadeira sobrevivente e me doeu demais não vê-la incluída no filme.

  • Pingback: Links do bem: Outubro/2015 #02()

  • Pingback: Recapitulando: Out. 2015 - Sofia Soter()

  • Pingback: Linkagem de Segunda #35 – Sem Formol Não Alisa()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos