3 de março de 2017 | Ano 3, Edição #31 | Texto: | Ilustração: Sarah Roque
Quem foi Harriet Tubman?
HARRIET TUBMAN

Em 2016, um nome bem popular nos Estados Unidos ficou um pouco mais conhecido em outros lugares do mundo, inclusive no Brasil: HARRIET TUBMAN. Essa mulher incrível ganhou as manchetes dos jornais do mundo inteiro quando, no dia 20 de abril, o secretário do tesouro americano anunciou que o rosto de Harriet substituiria o rosto do ex-presidente Andrew Jackson.

Mas, quem foi Harriet?

harrietttt

Harriet Tubman foi uma mulher negra nascida em condição de escravidão. Abolicionista, humanitária e espiã para os Estados Unidos durante a Guerra Civil. Harriet nasceu por volta de 1822, no estado de Maryland, e sua morte foi registrada em 10 de março de 1913 no estado de Nova Iorque. Como a maior parte das pessoas que foram escravizadas, a data e o local correto do nascimento de Harriet são desconhecidos. Modesty, a avó materna de Harriet, teria chegado aos Estados Unidos, não existindo mais dados sobre sua origem africana.

Harriet começou a luta por sua liberdade e a de sua família em 1849, quando ficou doente, e isso diminuiu seu valor como “mercadoria”. Seu “mestre”, Edward Brodess tentou vendê-la, mas ninguém aceitava pagar por uma escrava doente. Antes de conseguir qualquer negociação, Brodess morreu. No mesmo ano, Harriet e dois irmãos conseguiram fugir. Alguns dias depois, porém, a esposa de Brodess publicou um anúncio oferecendo uma recompensa para quem os encontrasse. Com medo da retaliação, os irmãos de Harriet voltaram para a propriedade da família Brodess, obrigando Harriet a também retornar.

Pouco tempo depois, Harriet Tubman fugiu novamente, mas dessa vez sozinha e com a ajuda da Underground Railroad (algo como Trilhos Subterrâneos), uma organização formada por escravizados libertos, abolicionistas e outros ativistas. Historiadores relatam que a provável rota de fuga de Harriet teve 154 km de distância, os quais ela percorreu caminhando.

Como fugitiva, Harriet organizou missões para salvar famílias escravizadas. Fazendo inúmeras viagens em condições adversas e durante a noite, ela nunca perdeu um passageiro sequer em seus comboios. Recebeu do abolicionista William Lloyd Garrison o apelido de Moisés, em alusão ao profeta bíblico que conduziu os hebreus à liberdade.

Quando a Guerra Civil teve início, Harriet a viu como uma estratégia para a libertação dos homens e mulheres escravizados nos Estados Unidos. Ela, então, se juntou a um grupo de abolicionistas de Boston e da Filadélfia. Durante a Guerra Civil Estadunidense, Harriet trabalhou como cozinheira, enfermeira e depois assumiu a posição de patrulheira armada e espiã. Como a primeira mulher nos Estados Unidos a conduzir um exército, ela libertou mais de 700 pessoas em situação de escravidão.

Após o fim da Guerra, Harriet se engajou na luta a favor do voto feminino, passando a frequentar reuniões organizadas por sufragistas e viajando para Nova Iorque, Boston e para a capital Washington para falar sobre sua participação na Guerra Civil e ilustrando com sua história por que mulheres deveriam ter os mesmos direitos que os homens.

As diversas contribuições de Harriet Tubman às causas das mulheres e da população negra acabaram a deixando sem dinheiro e, quando se viu muito doente, Harriet foi internada em uma instituição para cuidados de pessoas idosas que ela mesma havia ajudado a fundar anos antes.

O legado de Harriet Tubman é vasto, e sua contribuição para pessoas em situação de violação de direitos é amplamente reconhecida, inspirando gerações posteriores de afro-americanos nas lutas pelos direitos civis.

Gleice Cardoso
  • Coordenadora de Sociedade
  • Conselho Editorial
  • Colaboradora de Se Liga

Nascida e criada em Belo Horizonte - MG, é psicóloga e trabalha com pessoas em situação de risco e violação de direitos há quase 10 anos. Mulher negra, só descobriu a força de identificar-se como tal há pouco tempo, pois cresceu acreditando que era "moreninha". Tem duas gatas e um cachorro, mas queria ter 30 de cada. Tem vontade de comer sorvete todo dia (menos de manga) e faz crochê pra relaxar.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos