14 de julho de 2017 | Se Liga | Texto: | Ilustração: Isadora Marília
Harry Styles é a mais nova prova de que há vida depois da banda
HarryStyles-IsadoraM

A primeira vez que ouvi “Sign of the times” não fazia ideia de que aquela música era do Harry Styles. Descobri quando fui escutar o primeiro CD solo dele, lançado em maio de 2017 e que leva seu nome, justamente para escrever aqui. A primeira vez que escutei foi por motivo de trabalho; as outras foram por gostar mesmo. Harry Styles ganhou uma nova fã. Mas não só de novas admiradoras ele quer fazer sua carreira solo. Em entrevista à revista Rolling Stone, ele falou sobre as fãs que já o acompanham desde a época da One Direction:

“Quem disse que adolescentes que gostam de pop têm um gosto musical ruim se comparadas a um cara hipster de 30 anos? Não é você quem determina isso. Música é uma coisa que está sempre mudando. Adolescentes curtem Beatles. Você vai me dizer que elas não são sérias? Como você pode dizer que elas não entendem o que está ali? Elas são o futuro. Nossas futuras médicas, advogadas, mães, presidentas, elas meio que fazem o mundo girar”.

 

Sem renegar o passado com baladas pop da One Direction, Harry Styles entrega um trabalho que se afasta do que já conhecíamos e faz bonito: apresenta um CD com uma pegada mais rock, com letras que falam sobre suas vivências (como explicou na mesma entrevista para a “Rolling Stone”). Não é de se espantar que os ingressos para a turnê tenham esgotado rapidamente aqui no Brasil, onde ele se apresentará no Rio e em São Paulo, em maio de 2018.

O futuro é incerto para quem troca as bandas por uma carreira solo, mas Harry Styles mostra que tem potencial para seguir seu rumo fora da One Direction – que está em uma pausa por tempo indeterminado. Enquanto não sabemos quando a boyband vai voltar a tocar, aproveitamos os novos trabalhos dos cantores. Além da carreira musical, o jovem inglês está pronto para estrear como ator no filme “Dunkirk”, marcado para chegar às telonas brasileiras no dia 27 de julho.

Se 2016 foi o ano de buscar sua identidade, em 2017, Harry Styles mostra que está conseguindo encontrá-la. E não faltam cantores que fizeram sucesso depois de participarem de uma banda para mostrar que é possível. Abaixo listamos quatro artistas que conseguiram.

 

Michael Jackson

Antes de se tornar o Rei do Pop, Michael Jackson integrava o grupo The Jackson 5 ao lado de quatro irmãos. O quinteto vendeu 113 milhões de discos e ganhou fama nacional.

Em 1984, o cantor deixou o grupo para focar em sua carreira solo. O resto é história, e a gente lembra, né!? O astro pop mudou o jeito de fazer videoclipes com “Thriller”, que teve 14 minutos de duração e é um curta-metragem. Michael Jackson ainda abriu espaço para outros artistas negros, como Prince.

 

 

Beyoncé

Nem é preciso apresentar, né?! Quem lançaria um álbum visual do nada (“Beyoncé”, de 2013) e, no álbum seguinte (“Lemonade”, de 2016), produziria um filme com as músicas do disco? Sim, Queen B é dessas. E com letras tão contundentes, como em “Formation” (lembrando só uma delas), em que ela canta sobre a luta do povo negro nos Estados Unidos, assunto que foi tema de um texto da Fabiana Pinto

Mas antes de se estabelecer como uma das maiores artistas pop da cena, Beyoncé ganhou fama, fãs e reconhecimento participando do ótimo Destiny’s Child que, em sua versão mais famosa, contava também com Michelle Williams e Kelly Rowland. O grupo vendeu 50 milhões de discos mundialmente, ganhou uma estrela na Calçada da Fama e gravou músicas que são hits até hoje, como “Survivor”, “Say my name”, “Bootylicious”…

 

 

Ivete Sangalo

Ela levanta a poeira, traz tempo de alegria para seus zamuris, integrou o time do “The voice kids” e agora está no “The voice Brasil”. Além de puxar seu trio no Carnaval de Salvador, Veveta marcou presença na Marquês de Sapucaí em 2017 como o tema da Grande Rio.

A carreira de Ivete Sangalo, entretanto, começou bem antes do sucesso solo: ela foi vocalista da Banda Eva entre 1993 e 1999. Foi cantando “Alô paixão”, “Beleza rara”, “Eva” e tantos outros hits, que a baiana ficou conhecida pelo Brasil.

 

 

Justin Timberlake

Lá nos idos anos de 1995 nasceu a boyband N’Sync, e foi assim que Justin Timberlake entrou nas paradas de sucesso ao lado de Chris Kirkpatrick, Joey Fatone, JC Chasez e Lance Bass. Depois de dar ao público hits como “Bye, bye, bye”, “I want you back” e “Girlfriend”, o grupo acabou em 2002.

 

Justin Timberlake seguiu sozinho e seu primeiro álbum solo, “Justified”, saiu em 2002. O sucesso veio de cara com 7 milhões de cópias vendidas mundialmente para este primeiro disco, que contou com “Cry me a river” (música controversa que fala sobre o rompimento do cantor com Britney Spears) e “Rock your body”. 

Aline Bonatto
  • Colaboradora de FVM & Culinária

Oie! Eu nasci há alguns anos atrás (num dia de abril, em 1988), morei até os 19 anos em Colatina, um lugar quente no Norte do Espírito Santo, e vim para Niterói estudar Jornalismo. Saí da faculdade, mas não de Niterói e trabalho no Rio como repórter de TV. Gosto de escrever, ler, cozinhar, especialmente se eu não for comer sozinha, adoro ficar largada no sofá assistindo a séries/filmes/novelas acompanhada do namorado ou de amigos ou com todo mundo junto. Ah, e com um brigadeiro na colher!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos