14 de junho de 2015 | Estilo | Texto: | Ilustração: Laura Viana
Hot N’Cold

O outono é aquela estação que acontece entre o verão e o inverno, começando no dia 21 de março e acabando em 20 de junho. Isso significa um clima intermediário, com características mistas das duas estações vizinhas e temperaturas também nesse meio termo. Tudo isso na teoria, né? Porque parece que ninguém avisou ao outono que o tempo deveria variar ao longo de seus três meses de duração, não de vinte e quatro horas.

Aqui na região metropolitana de Belo Horizonte, a temperatura tem variado quinze graus EM UM MESMO DIA! Geralmente, é bastante frio no comecinho da manhã, quando a maioria das pessoas sai de casa e no final da tarde, quando muita gente está voltando, mas muito quente entre essas saídas e chegadas.

Para saber exatamente o que vestir entre esses vários momentos do dia, temos que considerar algumas variáveis: o tempo está chuvoso ou seco? Será necessário se deslocar múltiplas vezes durante o dia? Será de transporte público ou carro? Você já está carregando muita coisa?

O ideal é se vestir em camadas. Assim, você pode adicionar ou retirar peças de roupa durante o dia para se adaptar ao momento e à temperatura e conseguir se adequar ao tipo de dia que te espera. Mas o truque, de certa forma, é até bem óbvio, afinal, já é o tipo de adaptação que a gente faz mesmo quando não tem que se preocupar com dois tipos de tempo, né?

Se o dia estiver seco, por exemplo, não faz muito sentido passar calor em metade dele usando bota, sendo que um tênis seria uma escolha muito mais confortável e adequada. Já quando o dia é daqueles que prometem correria, não tem porque vestir aquele casaco longo e pesado que você vai ter que carregar pra cima e pra baixo, de ônibus, com uma mochila pesada nas costas e o fichário na mão – nesse caso, o negócio é encontrar aquele suéter bem quentinho que já faz o trabalho bem.

Já quando o assunto envolve uniforme, obrigatório na maioria das escolas, a coisa se complica ainda mais, porque não dá pra inventar muita moda sem fugir do regimento. Nessas situações, o melhor mesmo é vestir uma meia-calça fininha por baixo da calça do uniforme (ou jeans) porque assim você se protege do frio e não corre o risco de, se sua aula acaba no horário do almoço, ficar completamente cozida voltando pra casa.

Por outro lado, uma coisa legal nessa época do ano é que dá pra se ter o melhor dos dois mundos quando falamos de peças “usáveis”: dá pra usar os shorts, saias e vestidos do verão, que, se combinados com botinhas, meias e casaquinhos do inverno, te permitem bolar novos looks sem ter que gastar dinheiro com roupas completamente diferentes a cada troca de estação. Aquelas saias longas, por exemplo, são muito legais de se usar nesses dias de temperatura indecisa – dá pra vestir uma meia ou uma legging por baixo e ficar quentinha (mas nem tanto), com o bônus de se destacar usando uma coisa que, teoricamente, não faz parte dessa época do ano.

Se você puder carregar algumas peças ao longo do dia e for passar por lugares em que isso é possível, outra ideia é usar meias ou blusas de manga longa por baixo da roupa durante a manhã e tirá-las quando a temperatura for aumentando.

Então, num resumão, o conselho geral é tentar montar looks adaptáveis, que respeitem o tanto de frio ou calor que você sente e o ritmo que seu dia terá. E, para inspirar, a gente termina com o clipe da Katy Perry que originou o título desse texto – e que pode até ser usado como referência com aquele vestido-macaquinho usado por ela.

Tags: , , ,
Beatriz Rodrigues
  • Colaboradora de Ciências
  • Colaboradora de Estilo
  • Colaboradora de Saúde

Bia Rodrigues ou só Bea tem 19 anos, é mineira, estudante de Farmácia e adora fatos inúteis. Se tivesse que comer só uma coisa pelo resto da vida, escolheria batata. Ainda não acredita que conheceu outras meninas da Capitolina. É 60% Corvinal e 40% Sonserina.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos