14 de abril de 2014 | Cinema & TV | Texto: | Ilustração: Isadora M.
Lista: Curtas-metragens!

INT. QUARTO DE ANA – NOITE

Aconchegada em sua cama, ANA (14) divide a atenção entre o laptop cheio de adesivos coloridos e o lanchinho que assaltou da geladeira logo após o jantar. A menina faz a ronda habitual por seus sites favoritos e resolve procurar uma indicação de filme para encerrar a noite. Listas e mais listas pipocam na tela, enquanto a menina usa seu mouse frenético para procurar algo que pareça interessante. Contudo, uma enxurrada de protagonistas masculinos e comédias românticas que não fogem do clichê invade sua tela. Ana dá um suspiro de frustração. Eram as mesmas histórias de sempre, tão distantes da sua vida. Tão distantes da sua experiência. Por fim, a menina resolve dormir mais cedo e pedir aos sonhos uma boa narrativa.

A cena acima já aconteceu contigo? Pode ter certeza de que já aconteceu com muitas de nós! E baseada nessa vontade de encontrar filmes com grandes histórias, personagens inesquecíveis, clássicos e obras menos conhecidas e que acima de tudo sejam sinceros em suas essências, nós da coluna de Cinema e TV vamos sempre tentar apresentar o que há de melhor no cinema e na televisão. Fazer com que tu se apaixone, chore, sofra e esqueça de tudo envolta na torcida pelo destino dos personagens. Muito prazer, somos Bárbara Camirim, Bárbara Reis, Isadora Maldonado, Georgia Santana, Giulia Fernandes, Lorena Piñeiro, Natasha Ferla e Nicole Ranieri. Se quiser saber um pouquinho mais sobre nós, é só visitar a página das colaboradoras. Mas, agora, vamos ao primeiro texto!

Se você não costuma frequentar festivais de cinema nem estuda nada relacionado a isso, não deve ter muito contato com os curtas-metragens. A internet até ajuda a promover esses filmes, que têm uma circulação comercial quase nula, mas mesmo assim, às vezes parece impossível reencontrar aquele curta que você se apaixonou em uma salinha escura de festival…

Na contramão de tudo que eu disse antes (ainda bem!), a Pixar costuma exibir um curta de animação antes de seus longas-metragens. Este – um dos mais legais – mostra o dia e a noite aprendendo a conviver. De quebra, ainda tem música brasileira na trilha!

Super premiado, esse curta traz um dia comum na vida cheia de tecnologias, de uma família de classe média. Para quem gostar, vale a pena procurar outros curtas do diretor, como “Recife Frio” e “Vinil Verde”, e o longa “O Som ao Redor”.

Este curta traz as inquietações e inseguranças de uma menina de 15 anos, que relaciona seus sentimentos com o texto de Hamlet, que está estudando no colégio. Gostoso de assistir, acabou virando uma série de 13 episódios na TV Cultura, em 2009.

  • DESTINO (2003), dirigido por Dominique Monfery.

O projeto desse filme foi concebido por ninguém mais, ninguém menos que Salvador Dalí, em conjunto com o Walt Disney. Isso foi lá em 1946, mas eles abandonaram a ideia. Muito tempo depois, e para a nossa sorte, os estúdios Disney resolveram dar continuidade e nos presentearam com este curta.

Como seria um mundo em que os homens passassem pelos assédios que são tão comuns na vida das mulheres? Esse curta francês inverte os papéis de gênero para mostrar quão machista a nossa sociedade ainda é.

  • PENAS (2012), dirigido por Paulinho Caruso.

Baseado em uma HQ de Laerte, esse curta traz a história de um homem que começa a ter penas, o que o leva a situações nas quais ele não imaginava estar um dia.

Este curta é antigo e bastante conhecido, talvez você já tenha visto na escola. Com uma linguagem bem própria, que faz o espectador ficar repetindo “telencéfalo altamente desenvolvido e polegar opositor” por um tempo, o filme escancara a miséria e a desigualdade através da história de um tomate.

O curta conta a história de Leonardo, um adolescente cego, que descobre o amor quando um aluno novo chega à sua escola. O filme chegou a ser censurado no Acre, por líderes religiosos que não aceitaram que um filme com temática gay fizesse parte do programa Cine Educação. Pior para eles, pois a história se transformou no longa “Hoje eu quero voltar sozinho” e já tem previsão de estreia para 10 de abril.

  • VINCENT (1982), dirigido por Tim Burton.

Um dos primeiros filmes realizados por Tim Burton, este curta já traz a estética macabra que iria acompanhar a carreira do diretor. Conta a história de um menino, com uma imaginação muito fértil, que queria ser Vincent Price, um ator que costumava estrelar filmes de terror.

  • HIATO (2008), dirigido por Vladimir Seixas.

Também há bastante espaço para os documentários no mundo dos curtas-metragens. Este recupera um acontecimento, em 2000, quando diversos manifestantes pobres resolveram dar um rolezinho no Rio Sul, shopping da zona sul do Rio de Janeiro. Os entrevistados levantam questões que são muito atuais e se tornaram explícitas com toda a mobilização que vem acontecendo desde junho de 2013 no país.

  • 3 MINUTOS (1999), dirigido por Ana Luiza Azevedo.

Quanta coisa se pode viver em três minutos? Este curta mostra que é tempo suficiente para algumas reviravoltas na vida… Com uma temática bem simples percebemos com ele que não é necessário muito para contar uma boa história.

Existe curta para tudo que se pode imaginar. Esta foi só uma pequena lista, esperamos que vocês tenham ficado curiosas para conhecer mais sobre esse tipo de produção!

Bárbara Camirim
  • Colaboradora de Cinema & TV

Bárbara Camirim tem 25 anos, mora no Rio de Janeiro e acabou de se formar em Comunicação Social. Está aos poucos descobrindo o que quer fazer da vida. Gosta de cinema, séries, literatura e, na verdade, qualquer coisa que envolva ficção.

  • Cristiano Carneiro

    Que lista excelente! Vou correr atrás dos que eu ainda não vi.

  • Juliana Lopes

    Adorei a lista! Sou completamente apaixonada pelo “Hoje eu não quero voltar sozinho” e por “Vincent”!
    Parabéns pela revista, está incrível 🙂

  • Pingback: 4 curta metragens incríveis para assistir em SP — Capitolina()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos