8 de junho de 2014 | Estilo | Texto: | Ilustração:
Low poo, o encantador de cachos
IMG_20140608_223825

Ilustração: Julia Oliveira.

Ninguém sabe melhor da linha tênue entre o amor e ódio quanto uma menina de cabelos cacheados. Quando se é criança e seus pais cuidam do seu cabelo, ele sempre fica lindo e bem cuidado, ou pelo menos você acha, porque, afinal, para uma criança tudo é maravilhoso e incrível. Ao chegar na pré-adolescência, começamos a ser donas dos nossos próprios narizes e cachos e começamos a ver o quão complicado é domar essa fera.

Eu tinha treze anos quando me dei por vencida e resolvi alisar o meu cabelo. Meus motivos: simplesmente era mais fácil cuidar deles lisos. Eles acordavam domados, era só pentear e pronto. Sem choro nem vela. Só que chega um momento na vida que você se cansa de nadar contra a maré. Com vinte anos eu parei de alisar e cortei minhas mechas um pouco acima do ombro, onde minha raiz enrolada já estava. Mas eu ainda não tinha parado de castigar meu cabelo. Alguns meses depois, resolvi descolorir e pintá-lo de ruivo, cor difícil que te faz retocar com intervalos de menos de dois meses. Ou seja, dez anos de crueldades com o meu cabelo e agora, com vinte e três anos, eu finalmente resolvi cuidar dele pra valer. Após pesquisar muito, descobri um tratamento chamado low poo, que parecia ter muitos resultados positivos e não era tão difícil de fazer em casa.

Cabelos cacheados são normalmente mais secos do que cabelos lisos. Isso se dá em partes pelo fato de que todos os lipídios que o couro cabeludo produz acabam ficando na raiz, pela dificuldade de descer pelo fio enrolado, principalmente pela sua forma helicoidal. Cabelos lisos têm tendência a serem mais oleosos principalmente pela facilidade que os lipídios encontram de chegar ao final do fio.

A técnica do low poo consiste no uso de produtos para a lavagem de cabelos com pouco ou quase nenhum componente de limpeza extrema. A ideia não é parar de lavar os cabelos, e sim extrair apenas as sujeiras reais dele e diminuir a quantidade de dias em que o lavamos. No meu caso, eu precisava lavar o cabelo todo dia, porque já na noite do dia da lavagem, o cabelo ficava sem forma e bem cheio de frizz. Logo ao começar a fazer o tratamento, já diminuí pra lavagens um dia sim, um dia não, porque o cabelo permanecia modelado.

Os shampoos que usamos hoje em dia contêm muitos produtos químicos que tiram mais do que o necessário do nosso cabelo, como os queridos lipídios, que não sujam as nossas mechas, eles apenas protegem, e a própria umidade, que é outra fonte importante de hidratação para os fios. Dentre esses componentes “proibidos”, estão o Lauril Sulfato de Sódio (Sodium Lauryl Sulfate), o Lauril Éter Sulfato de Amônio (Ammonium Laureth Sulfate) e o Lauril Éter Sulfato de Sódio (Sodium Laureth Sulfate). Sulfatos são a maior parte do problema em shampoos. No caso de condicionadores, procurem comprar produtos sem silicones insolúveis e prefiram os que tenham na fórmula emolientes, hidratantes, umectantes e proteínas, como Manteiga de Karité (Shea Butter), óleos vegetais, Aloe Vera, Babosa, Pantenol, Pró-vitamina B5, Glicerina, Sorbitol, Trigo (Wheat) e Soja (Soy).

Para ficar mais fácil, procurem produtos que não tenham sulfatos ou parabenos em suas fórmulas. Mas, na dúvida, é bom saber o nome completo de cada componente. Quando comecei o meu tratamento, escolhi um shampoo da Amend para cabelos coloridos, já que eu coloria até alguns meses atrás. O condicionador, no entanto, foi da Éh. Uma fórmula antioxidante sem parabenos e sem sulfato (com um cheiro extremamente delicioso). Por minha sorte, o leave-in que eu já usava (o Redken Real Control) fazia parte desse conjunto de produtos sem compostos prejudiciais ao fio.

(Para saber sobre mais produtos liberados, tentem esta lista).

Em menos de uma semana, já conseguimos perceber uma ligeira mudança na textura do fio e na sua forma quando seco. Além de quase não precisar do leave-in para o cacho moldar direito e permanecer sem se desestruturar ao longo do dia, é possível notar o quanto o cabelo fica mais macio e hidratado. Depois da segunda semana, dá para ver que o cabelo não acorda mais todo embolado e sem forma, ele começa a conseguir manter os cachos durante mais tempo e segura mais os infelizes frizz.

O melhor do low poo é que se consegue domar melhor os cachos de uma forma simples. Não há a necessidade de lavar o cabelo todo dia, já que ele ainda mantém a forma no dia seguinte. E não precisa de uma mudança muito brusca na rotina, assim como não é muito despendioso. Além de aumentar a autoestima e deixar o seu cabelo mais lindo que nunca!

Entre outras coisas, o incentivo aqui é quebrar esse parâmetro de que cabelo bom é cabelo liso. A verdade é que cabelo bom é cabelo tratado, e apesar de parecer mais complicado cuidar de cabelos cacheados, não se esqueçam de que o resultado o deixa mais incrível do que nunca. O cabelo cacheado tem toda uma personalidade própria, frente a massificação dos cabelos lisos. Não o massacre com mil produtos para alisar. Além de destruir os fios, ainda tiram toda a beleza dessa revolução linda que ele é. Vista-o!

Fonte: Chiquinha.

Fonte: Chiquinha.

Nathalia Valladares
  • Colaboradora de Culinária & FVM
  • Colaboradora de Cinema & TV
  • Ilustradora

Sol em gêmeos, ascendente em leão, marte em áries e a cabeça nas estrelas, Nathalia, 24, é uma estudante de Design que ainda nem sabe se tá no rumo certo da vida (afinal, quem sabe?). É um grande paradoxo entre o cult e o blockbuster. Devoradora de livros, apreciadora de arte, amante da moda, adepta do ecletismo, rainha da indecisão, escritora de inúmeros romances inacabados, odiadora da ponte Rio-Niterói, seu trânsito e do fato de ser um acidente geográfico que nasceu do outro lado da poça. Para iniciar uma boa relação, comece falando de Londres, super-heróis, séries, Disney ou chocolate. É 70% Lufa-Lufa, 20% Corvinal e 10% Grifinória.

  • Sophia Sperandio

    Seria ótimo ver fotos de comparação 🙁 meu cabelo é cacheado e loiro e eu faço tratamento com Johnson’s baby camomila + monovin a + bepantol e creme pra pentear e condicionador de colageno da L’Oréal. Nunca esteve tão bonito, talvez pela hidratação do óleo de amendoim do monovin mais o bepantol. As vezes fica tão macio que fica até meio sem cachos(!) e eu lavo ele todos os dias porque gosto do tratamento mesmo. Acho que vale a pena também. Acaba não sendo tão prejudicial por ser shampoo de bebê, que só tem um componente com sulfato (que não foi citado acima). Os produtos que você listou não são fáceis de encontrar onde eu moro, mas enfim, queria compartilhar mesmo. 😛

  • Pingback: Expressões que você deve parar de usar a partir de ontem | Capitolina()

  • Giovanna

    Oi. achei que Faltou falar da Parafina Liquida 🙁

  • Pingback: Retrospectiva 2014: #tendências - Capitolina()

  • mari717

    o cabelo não fica oleoso não? já q vc não lava todo dia, deve ter alguma técnica pra vc dormir e ele acordar bom. pq cabelo embola todo qnd vc dorme o liso vc penteia e o cacheado faz o q?

    • EFF

      de manha é legal um spray com agua e leave in, mas tem gente q acrescenta outros coisas no spray, fica mais facil molhar onde está mais amassado do que lavar o cabelo, e seca mais rapido, eu gosto dessa tecnica, eu lavo de 3 em 3 dias, se precisar lavar antes eu procuro só molhar ou só usar condicionador.

      • mari717

        Meu cabelo não é ressecado… Então ficar mais de um dia sem lavar não rola.

      • mari717

        acho q meu cabelo não fica legal com essa técnica.Fica com aparência de sujo e cheio de frizz. Minha raiz é oleosa.

  • Amanda Bezerra

    2 anos e meio de low poo 😀
    E é libertador não ser mais enganada pelas empresas e suas maquilagens capilares!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos