22 de junho de 2014 | Estilo | Texto: | Ilustração:
Mamilos polêmicos
diamantes

Ilustração: Julia Oliveira.

Há umas duas semanas uma mulher usando um vestido foi notícia em tudo quanto é lugar. Pois é, simples assim: uma mulher usando um vestido. Virou notícia porque a mulher em questão é a Rihanna e o vestido era completamente transparente, deixando seu corpo inteiro à mostra.

Pra ninguém ficar flutuando no mar de comentário babaca que apareceu sobre isso, achei que valia a pena levantar questões menos tendenciosas e moralistas. Deixe-me dar todos os dados desse grande acontecimento da humanidade pra você: Rihanna foi a uma premiação de moda usando um vestido feito somente de cristais da marca Swarovski, que era patrocinadora do evento. Ela também acabou ganhando o prêmio de ícone de estilo da tal premiação. Bem, vejam com seus próprios olhos:

Fonte: http://www.aol.com/article/2014/06/03/rihanna-honored-for-style-at-annual-fashion-awards/20905414/

Infelizmente, o que eu vi na mídia era tudo mais ou menos no nível: ‘’Rihanna é uma vagabunda? SIM (   ) COM CERTEZA (   ) ELA PODE PORQUE TEM UM CORPÃO E É A RIHANNA (   )’’. Um desses comentários tão rebuscados quanto uma linha reta foi feito pela Wendy Williams, apresentadora de televisão americana, que, na minha tradução tosca, falou mais ou menos o seguinte: ‘’Rihanna se arrisca, mas não é um ícone fashion. Jennifer Lopez é que é um verdadeiro ícone fashion, porque ela mostra só o suficiente para te deixar querendo mais. ‘’ Achei esse comentário especialmente idiota porque a Jennifer Lopez também é conhecida por usar looks considerados bem ousados. Lembra do clássico vestido verde com decote até o umbigo?

Fonte: http://hudsonmod.com/italian-fashion-couture-lust/jennifer-lopez_versace/

Eu sinceramente não entendi qual o limite entre o sucesso das roupas que ‘’te deixam querendo mais’’ e o fracasso das ‘’arriscadas’’ – se é que existe esse limite. A única diferença palpável que eu vejo entre a Rihanna e a J-Lo é que uma mostra os mamilos e a outra não. Ah, os mamilos, sempre polêmicos! Fiquei imaginando Wendy no carnaval brasileiro, horrorizada na floresta de mamilo pintado com glitter.

Essa história da diferença do mamilo feminino para o mamilo masculino sempre me deixou intrigada. Por que é tão diferente um homem tirar a blusa no calor e uma mulher fazer a mesma coisa? Aliás, tem mulher que se sente tão desconfortável com os próprios seios que não consegue ficar sem sutiã, com medo de aparecer o ‘’farol’’.

Terminando de responder a Wendy Williams: quem disse que sensualidade é algo que te coloca a serviço do outro, que tem como intenção deixar o outro ‘’querendo mais’’?  Falando assim parece que mulher é um bifão suculento que veio em porção pequena demais pra saciar a fome. Mulher não é comida e não se veste para saciar a fome de ninguém.

É claro que o caso da Rihanna é um pouco mais complicado porque não sabemos o que foi planejado e o que foi espontâneo. Veja bem, ela estava usando um vestido que favorecia a marca patrocinadora do evento. Através do corpo à mostra de Rihanna, a mídia se volta para ela, para o evento e para a patrocinadora. Não sejamos ingênuos, não seria a primeira vez que isso acontece. Se fosse esse o caso, seria tudo muito pior, pois aí o corpo feminino é tido como chamariz, objeto, propaganda.

Quase a totalidade das grandes cantoras pop usa roupas que mostram bastante o corpo. Há quem diga que isso é símbolo da liberdade conquistada pelo feminismo, que isso é inspirador para que outras mulheres também se sintam livres. Mas essa ideia pode ser rebatida com o fato de que, na prática, o corpo feminino ainda é visto como produto. Assim, roupas reveladoras estariam a serviço da indústria machista, o que tira de jogo a ideia de emancipação sexual.

Além disso, há mulheres que não se sentem representadas por essas cantoras pop. Uma coisa é falar de ousadia e liberdade quando você está dentro do padrão de beleza, mas, e quem não está enquadrado nele? E se fosse a Adele no lugar da Rihanna? Será que não seria diferente? Adele só é considerada ‘’elegante’’ e ‘’adequada’’ pela opinião pública porque cobre o corpo inteiro com cores escuras, e é isso o que a moralidade vê como boa conduta para uma gorda.

Há quem tenha falado que a Rihanna só conseguiu sustentar uma jóia ambulante daquelas porque ela tem um corpo ‘’com tudo em cima’’. Mas, olha, esse negócio de roupa apropriada ou inapropriada quem decide é você mesmo. Todos têm potencial para ser seu próprio ícone de estilo. Sensualidade e beleza são para todos e não possuem padrões cristalizados.

A Rihanna estava maravilhosa e sensual naquele vestido caríssimo e revelador, mas aposto que ela também é maravilhosa e sensual de camisetão e calça de moletom. E isso vale pra Jennifer Lopez, pra Adele, pra mim e pra você.

 

 

 

Julia Oliveira
  • Coordenadora de Estilo
  • Ilustradora

Julia Oliveira, atende por Juia, tem 22 anos e se mete em muitas coisas, mas não faz nada direito — o que tudo bem, porque ela só faz por prazer mesmo. Foi uma criança muito bem-sucedida e espera o mesmo para sua vida adulta: lançou o hit “Quem sabe” e o conto “A ursa bailarina”, grande sucesso entre familiares. Seu lema é “quanto pior, melhor”, frase que até consideraria tatuar se não tivesse dermatite atópica. Brincadeira, ela nunca faria essa tatuagem. Instagram: @ursabailarina

  • Laura Pires

    Apenas palmas.

  • Ana

    Muitas palminhas

  • Carolina

    Ameeei o texto, Julia, muito bom. Só não concordo com “… essa ideia pode ser rebatida com o fato de que, na prática, o corpo feminino ainda é visto como produto. Assim, roupas reveladoras estariam a serviço da indústria machista, o que tira de jogo a ideia de emancipação sexual.” As roupas reveladoras não estão a serviço da indústria machista e de nenhuma outra coisa a não ser das pessoas que as vestem. O machismo não é justificado por roupas e sim pelos próprios machistas e suas ideias alienadas e retrógradas.

    • http://twitter.com/lecterholmes thay

      mas acredito que ela diz no sentido das atrizes e cantoras que nas premiações usam as roupas decotadas ou transparentes e nem sempre se trata de “liberdade feminina” mas sim de ser garota propaganda da marca. ao mostrar o corpo chama atenção, levanta polemica e direciona atenção à marca em questão, entende? a quem favorece isso? a industria machista.

  • Alany Santos

    Posso estar louca mas,o fato de terem chamado a Rihanna de vadia,puta…dentre outras coisas,não seria também pq ela é negra?

  • Pingback: Sobre sutiã, mamilos e liberdade - Capitolina()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos