24 de novembro de 2015 | Ano 2, Edição #20 | Texto: | Ilustração: Isabela Zakimi-Innocentini
Mnemônica, música e memorização: solta o som, miga!

“Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá (seno A cosseno B, seno B cosseno A)
As aves que aqui gorjeiam não gorjeiam como lá (seno B cosseno A, seno A cosseno B)”

Quem nunca usou esses versos para lembrar da fórmula da tangente que atire a primeira pedra! Afinal, trigonometria não é fácil mesmo, não é? Usar paródias musicais e ritmos para decorar algumas fórmulas e regras pode quebrar o galho na hora de estudar pra provas ou para o temido vestibular. Procurando na internet, encontrei inúmeras músicas que podem ajudar a memorizar conteúdos das mais diversas disciplinas – tem música de biologia, química, português… Mas, afinal, por que usando ritmos parece que fica mais fácil lembrar da matéria da prova?

Alguns estudos sobre memorização em seres humanos já mostraram que realmente nosso cérebro tem mais facilidade em memorizar conteúdos ritmados. Calma, não é nada muito complexo, miga! As áreas do seu cérebro responsáveis pela memorização são o hipocampo e o córtex frontal. Essas partes do cérebro diariamente recebem e armazenam milhares de informações, porém a etapa mais difícil é “extrair” o conteúdo delas depois. E é por isso que a música ajuda: muitas vezes a informação está guardada, ficamos com aquela impressão de que está na ponta da língua – mas simplesmente não conseguimos lembrar das palavras exatas que queremos usar! Quando essa informação foi armazenada com um ritmo, aí tudo fica mais fácil: é só a gente pensar no ritmo, cantarolar e parece que a frase vem com maior facilidade. Vamos fazer esse exercício juntas: pense numa música que você gosta muito e tente lembrar da letra sem usar a melodia. Agora tente pensar na mesma música usando o ritmo. Provavelmente foi mais fácil lembrar da letra da música quando você estava com a melodia na cabeça, né? É por essa razão que dizemos que a música é uma poderosa ferramenta mnemônica (que ajuda a memorizar).

Óbvio que quando se trata de aprender, não basta memorizar! Muitas vezes a gente decora a musiquinha e na hora da prova não faz ideia do que fazer com aquela fórmula… acontece! O importante é a gente saber usar esse mecanismo de memorização a nosso favor. Então, para as leitoras que precisam daquela ajudinha para memorizar a regras e fórmulas da escola ou do vestibular, aqui vão algumas dicas de vídeos bem legais! Outros vídeos simplificam alguns assuntos que geram muitas dúvidas, como figuras de linguagem.

Este vídeo da banda Sujeito Simples vai te ajudar a lembrar quando se usa crase para você arrasar na redação:

Aqui você pode aprender um pouco mais sobre figuras de linguagem:

“É a revolução industrial?”

Carolina Sapienza
  • Colaboradora de Relacionamentos e Sexo
  • Revisora

Carol nasceu em 1991 e mora em São Paulo. Bióloga que queria ser de humanas, gosta de escrever sobre ciência mas mantém o caderninho de poemas sempre na bolsa.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos