2 de abril de 2018 | Ano 4, Sociedade | Texto: | Ilustração: KETHLENN OLIVEIRA
Mulheres Negras Inspiradoras : As que vieram antes de nós
capinha-mulheres-negras-inspiradoras

Depois da morte da vereadora Marielle Franco no Rio de Janeiro, uma mulher preta, lgbt, cria da favela e uma inspiração de luta para as novas gerações, eu fiquei me questionando muito sobre a importância de termos mulheres negras em todos os espaços, e sobre quem são as mulheres negras que me inspiram a continuar vivendo e lutando.

Quem é adolescente ou jovem negra sabe como é crescer sem referência e achar que o único referencial possível é branco, hétero e rico. No entanto, aos poucos as coisas tem caminhado e temos visto que mulheres negras têm conseguido hackear o sistema e ocupar lugares que antes nunca pensaríamos ser possíveis. Assim como Marielle fez na política.

Infelizmente, demoramos muito tempo para conhecer as histórias e lutas das mulheres negras que há muito tempo vêm mudando as estruturas da sociedade e é delas que eu quero falar hoje. Nessa lista, falei um pouco sobre as 10 mulheres que vieram antes de mim e que abriram as portas para que eu e outras mulheres negras pudéssemos disputar espaços e que me inspiram. Com certeza, Marielle vai ser para sempre uma delas <3

 

1- Marielle Franco #Presente

Marielle

Antes mesmo de 4 balas tirarem Marielle das nossas vidas, eu já admirava e me inspirava nessa mulher preta de luta e da política. A 5º vereadora mais votada do Rio de Janeiro, a única mulher preta da Câmara de Vereadores da Cidade, defensora dos negros, pobres, lgbts, terreiros etc, Marielle fez a gente acreditar que lugar de mulher negra também é na política. Seu legado continua vivo e somos as sementes da sua vida.

 

2- Sueli Carneiro

Sueli

Sueli Carneiro é uma filósofa, escritora e ativista , sendo  uma das mais importantes intelectuais brasileiras,  principalmente sobre a questão racial no país. Ela  é fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra, que é  primeira organização negra e feminista independente de São Paulo. Teórica da questão da mulher negra, criou o único programa brasileiro de orientação na área de saúde física e mental específico para mulheres negras, no qual mais de trinta mulheres são atendidas semanalmente por psicólogos e assistentes sociais. Ela é uma das mulheres negras que todos temos que conhecer para entender como nossos passos vêm de longe.

 

3- Jurema Werneck

Jurema

Jurema Werneck é médica, pesquisadora e ativista. Atualmente é diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil  e fundadora da ONG Criola, uma organização de mulheres negras no Rio de Janeiro. Com mais de vinte anos de experiência, ela trabalha junto a  organizações, movimentos sociais e ativistas do campo dos direitos humanos, principalmente em temas relacionados à raça, gênero e orientação sexual.

4- Lucia Xavier

Lucia

Lucia Xavier é assistente social e a coordenadora geral da ONG Criola, que tem como foco mulheres negras.  Ela recebeu a Medalha do Reconhecimento Chiquinha Gonzaga conferida pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro e é uma das maiores intelectuais negras do país.

 

5- Conceição Evaristo

Conceição

 

Conceição Evaristo é uma das mais importantes escritoras brasileiras contemporâneas de projeção internacional. Em seus romances, contos e poesias, Conceição traz profundas reflexões acerca das questões de raça e de gênero, com o objetivo  de revelar a desigualdade velada em nossa sociedade e recuperar a memória de um povo. Uma das minhas escritoras preferidas <3

 

6-   Elza Soares

Elza

Elza Soares é uma cantora brasileira, considerada a cantora do milênio pela BBC. Elza é uma mulher negra e feminista que é conhecida no mundo todo como a rainha do samba. Já falamos sobre ela na Capitolina e você pode conferir aqui. Seu próximo álbum, intitulado “Deus é mulher” vai sair ainda esse ano.

7- Djamila Ribeiro

Djamila

Djamila é pesquisadora na área de Filosofia Política e feminista negra. Foi secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo. É uma das maiores ativistas do feminismo negro no Brasil. Em 2017, lançou o livro, “O que é lugar de Fala?” e organizou a coleção feminismos plurais. Não dá para pensar em feminismo contemporâneo sem pensar em Djamila.

8- Joice Berth

Joice

Joice é arquiteta e urbanista de formação e feminista interseccional negra. É colunista do site Justificando, falando sobre temas relacionados a gênero e raça, e ainda este ano lança o livro “O que é empoderamento?”. Nas suas redes, Joice sempre trata de temas importantes e lança debates super necessários, principalmente com recorte de gênero, raça e classe.

9- Giovana Xavier

Giovana

Giovana é professora da Faculdade de Educação da UFRJ, formada em História e idealizadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras. Em 2017, organizou o catálogo “Intelectuais Negras Visíveis”, que elenca 181 profissionais mulheres negras de diversas áreas em todo o Brasil. Ela fala sobre autocuidado, gênero, raça e vida acadêmica nas suas redes e site @pretadotora.  Giovana me ensinou a descolonizar o conceito de intelectualidade e entender que mulheres negras são intelectuais.

10 – Flávia Oliveira

Flavia

Flávia Oliveira é  jornalista, especialista em jornalismo econômico e uma das referências do movimento negro no país. Frequentemente a jornalista aborda temas como questões de gênero, raça e classe na sua coluna. Uma das minha inspirações da profissão e de como transformar o jornalismo em um local de disputa de narrativas.

 

Quem são as mulheres negras que te inspiram? Faltou alguma na lista? Comenta com a gente!

Vicky Régia
  • Conselho Editorial
  • Coordenadora de Se Liga
  • Coordenadora de Esportes
  • Colaboradora de Artes
  • Colaboradora de Sociedade
  • Colaboradora de Educação

Vitória Régia tem 21 anos, estuda jornalismo e acredita no poder da comunicação para mudança social. É nordestina de nascimento, paulista de criação e carioca por opção. Adora conhecer diferentes culturas e é apaixonada pela arte de contar histórias. Dedica a vida a militância nos movimentos feminista, negro e LGBT e acorda todos os dias pensando em como mudar o mundo.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos