25 de julho de 2016 | Cinema & TV, Colunas, Se Liga | Texto: | Ilustração:
Mulheres no esporte nas telas

Ai de quem dizer na minha frente que menina não foi feita pra praticar esportes e que somos o “sexo frágil”. Acho que não existe frase mais machista, irritante e mentirosa que essa. Desde que me dou por gente, eu sempre amei praticar alguma atividade física e nunca fui muito da galera da academia. Eu vivia para a aula semanal de educação física, enquanto a maioria das minhas amigas curtia a aula de alongamento ou até mesmo ir pra casa escondidas no horário. Eu fiquei muito triste no terceiro ano quando não tinha mais tempo pra isso.

Isso claramente influenciou também o meu gosto por filmes de meninas com esportes, sendo Teenagers – As Apimentadas (Bring It On, 2000) um dos meus favoritos de todos os tempos. Mas não só de competições e meninas esportistas vive um roteiro, na maioria dos casos, esses filmes também superam estereótipos, quebram expectativas e combatem esse machismo encalacrado na nossa sociedade. Para falar um pouco de como esses filmes podem ser incrivelmente empoderadores, escolhi cinco dos que mais amo para vocês.

 

Driblando o Destino (Bend it like Beckham, 2002): Jess (Parminder Nagra) é uma menina indiana que mora em Londres e criada de maneira tradicional na cultura de seu povo. Enquanto sua irmã sonha com o seu casamento indiano e espera cozinhar quitutes maravilhosos para seu futuro marido, Jess é apaixonada por futebol e sonha em se tornar profissional no esporte, como seu ídolo, David Beckham. Após conhecer Jules (Keira Knightley), Jess faz um teste e entra para o time local de meninas mesmo sem o conhecimento da sua família. Um ótimo roteiro sobre a quebra de parâmetros e estereótipos sexistas de quem deve e não deve jogar futebol.

Bônus: É um filme muito bom para entender as distinções entre as culturas ocidentais e orientais, além de aprender que a coexistência entre elas é possível e necessária.

 

Ela é o Cara (Shes the man, 2006): Viola (Amanda Bynes), mais uma garota do futebol, se vê sem um time depois que a sua escola resolve fechar o time das meninas e focar só no time masculino. Sabendo que seu irmão gêmeo, Sebastian, vai matar aula na sua nova escola no início do semestre, Viola toma o lugar do irmão para entrar pro time de futebol (que é o maior rival da sua antiga escola) e provar que pode jogar sendo menina sim!

Bônus: Baseada em uma obra de Shakespeare, Twelfth Night, e ele discute bem as questões de gênero e sexo. E Channing Tatum.

shes the man

Teenagers – As Apimentadas (Bring it on, 2000): Torrance (Kirsten Dunst) acaba de assumir a chefia do esquadrão de líderes de torcida bicampeão da sua escola e descobre que a antiga chefe dele tem roubado as coreografias de um esquadrão de estudantes negros de uma escola pública da região nos últimos dois anos. Com isso, ela percebe que toda a sua carreira como líder de torcida foi uma farsa e resolve lidar com esse problema recriando todas as suas coreografias para vencer de forma justa dessa vez.

Não só esse filme fala sobre sororidade entre amigas e rivais, como também tem uma discussão bem boa sobre apropriamento da cultura negra. Como falei ali em cima, eu amo tanto esse que eu já vi literalmente mais de cem vezes, de modo a saber todas as coreografias, falas, músicas e ainda assim chorar (quase) todas as vezes que vejo.

Bônus: Spirit fingers.

bring it on

Virada Radical (Stick it!, 2006): Haley (Missy Peregrym) é uma ex-ginasta que teve um problema com a lei e é obrigada a voltar para o mundo da ginástica como forma de punição. Um ano antes, quando estava na final mundial, ela desistiu e não se apresentou minutos antes do solo, fazendo os Estados Unidos perderem o ouro e a competição. Por isso ela é odiada por todos e precisa ainda assim fazer parte desse mundo que não a aceita mais.

Sem querer dar spoiler, mas… o melhor do filme é ver todas as meninas, lutando contra regras opressoras do esporte e mostrando que mesmo em competições, o importante é estarem juntas.

Bônus: trilha sonora sensacional e Wei Wei diva do hip hop.

Stick It

Whip it! (2009): Bliss (Ellen Page) é uma adolescente de uma cidadezinha texana que resolve ir contra sua mãe, que espera que ela entre em um concurso de beleza e permaneça bela, recatada e do lar, e se inscreve em um time de roller derby, um esporte com patins de 4 rodas muito legal. Feminismo, patins, Ellen Page… como esse filme pode ser ruim?

Bônus: Drew Barrymore e trilha sonora “sensa”.

whip it

Bônus da lista!

 

Make it or Break It (2009-2012): Essa é uma das minhas séries favoritas de toda a vida e é com muito pesar que eu digo que só tiveram três temporadas. Ela conta a história de ginastas americanas que estão treinando para chegarem juntas nas Olimpíadas de 2012. Além de todo o drama de ter que ser sempre a melhor no esporte, a história mostra como é ser atleta profissional no auge da sua adolescência e lidar com tudo o que é esperado de uma adolescente e ainda manter a cabeça no lugar para lidar com as pressões de ser uma ginasta de elite.

 

Depois dos meus cinco filmes (e série), vou dar um bônus pessoal de alguns outros títulos na mesma vibe dos cinco primeiros para muitas horas a mais de diversão esportiva (:

 

Bring it On: All or Nothing (2006) – mais líderes de torcida

Garotas Rivais (2006) – garotas do vôlei

Motocrossed (2001) – garotas de motos

Sonhos no gelo (Ice Princess, 2005) – patinação artística

Uma Equipe Muito Especial (A League of their own, 1992) – garotas do baseball

Bunheads (2012) (série)garotas do balé

Tags:
Nathalia Valladares
  • Colaboradora de Culinária & FVM
  • Colaboradora de Cinema & TV
  • Ilustradora

Sol em gêmeos, ascendente em leão, marte em áries e a cabeça nas estrelas, Nathalia, 24, é uma estudante de Design que ainda nem sabe se tá no rumo certo da vida (afinal, quem sabe?). É um grande paradoxo entre o cult e o blockbuster. Devoradora de livros, apreciadora de arte, amante da moda, adepta do ecletismo, rainha da indecisão, escritora de inúmeros romances inacabados, odiadora da ponte Rio-Niterói, seu trânsito e do fato de ser um acidente geográfico que nasceu do outro lado da poça. Para iniciar uma boa relação, comece falando de Londres, super-heróis, séries, Disney ou chocolate. É 70% Lufa-Lufa, 20% Corvinal e 10% Grifinória.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos