11 de outubro de 2014 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração:
Não consigo fazer amigos, e agora?

Construir, e também manter, laços com outras pessoas não acontece naturalmente para a maioria de nós. Amizades vem com o tempo (que as vezes não temos) ou com uma conexão mágica (que as vezes não acontece). Fazer amigos é dificil, não impossível, mesmo com todas nossas expectativas, divergências e obstaculos colocados pela vida cotidiana. Nesse post, coloquei algumas das principais situações que as pessoas enfrentam, e que fazem com que fazer amizades seja uma tarefa muito difícil.

Expectativas: pertencer & se identificar

Ás vezes criamos ideais sobre amizades – amigos que viajam ao redor do mundo juntos, vão em restaurantes e se falam o tempo todo. Amigos que logo formam uma panelinha perfeita.
Claro, existem muitas pessoas que são assim – mas nem sempre é o caso. Temos expectativas de embarcar no colegial, faculdade ou outro ambiente e lacrar amizade eterna com um grupo perfeito de pessoas. Essa expectativa talvez seja motivada pela necessidade de pertencer & se identificar – encontrar pessoas que são parecidas com a gente e fazer amizade com elas.

Hora de ir embora

Mudar de escola é chato, nem sempre mudamos de ambiente porque queremos. Isso não precisa significar o fim das amizades feitas até então – manter contato é dificil, mas ter amigos de longa data e reencontáa-los é uma das melhores sensações do mundo!  Manter contato é um esforço para os dois lados – de quem vai e de quem fica. Com amigos que mudam de escola mas ficam na mesma cidade, às vezes é legal combinar uma data no mês ou semana para se reencontrar. Talvez isso seja mais dificil mudando de cidade, estado ou país, mas uma forma de manter contato de um jeito divertido é trocando cartinhas ou cartões-postais (as colaboradoras da Capitolina são adeptas a isso).

Divergência de opiniões/estilos

É muito difícil fazer amizade em um ambiente em que as pessoas são completamente diferentes de você. Principalmente, em ambientes onde as pessoas tem opiniões TÃO diferentes das nossas que chegam a ser ofensivas. Como dialogar e interagir com um grupo assim? Nesse caso, reina a regra da boa convivência. Não quer dizer que precisamos ocultar nossas opiniões, claro. Mas em casos assim, é melhor buscar assuntos em comum (um bom mantra é lembrar que não precisamos estar sempre certos).

É que sou timida

Raramente a tímida ou introvertida está sozinha. Por isso, uma boa solução é procurar outras tímidas para fazer amizade. Você pode encontrar alguém na sala de aula que curte a mesma banda que você, ou demonstra interesse nos mesmos assuntos – isso é um ótimo gancho para conversa! Muitas vezes, quando me sentia sozinha, descobri amigos em outras pessoas solitárias.

O problema sou eu?

Não sou tímida – sou introvertida em alguns momentos, mas considero minha personalidade expansiva. Ainda assim, sempre tive dificuldade em fazer amizades. Será que o problema sou eu? Em alguns casos, até pode ser: assustei pessoas com meu entusiasmo. Só que hoje, com 24 anos e um pouco mais de confiança do jeito que sou, descobri que o melhor jeito de me sentir aceita é me aceitando, mesmo que as pessoas ao meu redor não me aceitem.

Rejeição acontece e, em alguns casos, é melhor ficar sozinha do que mal acompanhada.

Rebecca Raia
  • Coordenadora de Artes
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Coordenadora Editorial

Rebecca Raia é uma das co-fundadoras da Revista Capitolina. Seu emprego dos sonhos seria viajar o mundo visitando todos museus possíveis e escrevendo a respeito. Ela gosta de séries de TV feita para adolescentes e de aconselhar desconhecidos sobre questões afetivas.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos