22 de fevereiro de 2017 | Se Liga | Texto: | Ilustração: Sarah Roque
Não tão branco: a diversidade dos indicados do Oscar 2017

O Oscar 2017 não está mais tão branco assim. Pelo menos nas indicações.  Depois da campanha “Oscar so White” (Oscar tão branco) expor a ausência de diversidade entre os indicados nas edições anteriores da premiação – que virou hashtag e levou ao boicote de alguns atores negros  –  esse ano temos o maior número de indicações para filmes e profissionais não brancos desde pelo menos 2007.

Desde a primeira edição do Oscar, apenas 66 negros foram indicados e 16 foram premiados. Enquanto 1617 não-negros foram indicados e 333 deles ganharam uma estatueta.

A presidenta da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, Cheryl Boone Isaacs (a única afro-americana na diretoria de 51 membros,), pontuou em seu discurso no almoço dos indicados em Hollywood, que neste ano “estamos fazendo progressos reais – progressos que, acredito, continuarão no futuro, enquanto nós trazemos a mudança para a Academia e para toda a indústria” sobre a maior diversidade e inclusão de pessoas não brancas entre os indicados. Desde janeiro de 2016, Isaacs vem realizando uma série de mudanças no regulamento para mudar o rosto esmagadoramente branco, masculino e velho do corpo de votantes.

O Oscar 2017 acontece neste domingo, 26, e torço para que essa diversidade entre os indicados se reflita também nos vencedores. Não sabemos o que vai acontecer, mas essa edição do Oscar já marcou muitas primeiras vezes para a população negra e os profissionais negros do meio como:

 

Pela primeira vez, três filmes protagonizados por atores negros (Moonlight – Sob a Luz do Luar, Um Limite Entre Nós e Estrelas Além do Tempo) disputam o prêmio máximo.

Pela primeira vez, batemos o recorde de 6 indicações de atores negros em uma mesma edição.

Pela primeira vez na história da premiação, três atrizes negras concorrem ao prêmio de coadjuvante: Viola Davis (“Um Limite Entre Nós”), Naomie Harris (“Moonlight: Sob a Luz do Luar”) e Octavia Spencer (“Estrelas Além do Tempo”).

Pela primeira vez, três profissionais negros foram indicados na categoria de melhor roteiro adaptado ( August Wilson por “Um Limite Entre Nós” e Barry Jenkins e Tarell McCraney por “Moonlight: Sob a Luz do Luar”)

Pela primeira vez, Barry Jenkins ( “Moonlight: Sob a Luz do Luar”) se tornou o único na história a emplacar indicações em filme, direção e roteiro. E é o quarto diretor negro a ganhar uma indicação em direção

Pela primeira vez uma mulher negra é indicada pela montagem de um filme (Joi McMillon por “Moonlight: Sob a Luz do Luar”)

Pela primeira vez, Viola Davis ( “Fences – Um Limite Entre Nós” ), bateu o recorde de indicações de uma mulher negra na premiação. Ela já foi indicada três vezes.

Pela primeira vez, Denzel Washington (“Fences – Um Limite Entre Nós” ) se torna o ator negro com maior número de indicações. Esse ano ele concorre a melhor ator por sua performance em “Fences – Um Limite Entre Nós” , filme que ele protagoniza e dirige.

Pela primeira vez, quatro documentários que discutem a temática racial ou que tem profissionais negros  estão concorrendo a melhor documentário ( “13ª emenda”, “ Eu não sou seu negro”, “ Life animated” e “O.J. Simpson Made In America”)

Pela primeira vez na história três produtores negros estão indicados nessa categoria. ( sendo um deles Pharrel Williams por “ Estrelas Além do Tempo”)

Como disse Viola Davis, quando recebeu o Emmy 2015 de melhor atriz por ” How To Get Away With Murder “ A única coisa que separa mulheres negras de qualquer outra pessoa é oportunidade. Você não pode ganhar um Emmy por papéis que não existem.” Por isso, é preciso estimular, valorizar e premiar produções negras em qualquer premiação. Espero que o Oscar 2017 faça isso nesse domingo.

 

Veja a lista completa de negros indicados ao Oscar 2017:

Melhor filme

Estrelas além do tempo (produtor Pharrell Williams)

Fences – Um Limite entre Nós (produtor Denzel Washington)

Melhor diretor

Barry Jenkins (Moonlight: Sob a luz do luar)

Melhor ator

Denzel Washington (Fences)

Melhor atriz

Ruth Negga (Loving)

Melhor ator coadjuvante

Mahershala Ali (Moonlight: Sob a luz do luar)

Melhor atriz coadjuvante

Viola Davis (Fences)

Naomi Harris (Moonlight: Sob a luz do luar)

Octavia Spencer (Estrelas além do tempo)

Melhor fotografia

Bradford Young (A chegada)

Melhor roteiro adaptado

Moonlight (Barry Jenkins)

Fences (August Wilson – pseudônimo de Frederick August Kittel)

Melhor documentário

I am no your negro (Raoul Peck, produtor)

13th (Ava DuVernay, produtora)

Melhor edição

Joi McMillan (Moonlight: Sob a luz do luar)

Vicky Régia
  • Conselho Editorial
  • Coordenadora de Se Liga
  • Coordenadora de Esportes
  • Colaboradora de Artes
  • Colaboradora de Sociedade
  • Colaboradora de Educação

Vitória Régia tem 23 anos, é formada em jornalismo e acredita no poder da comunicação para mudança social. É nordestina de nascimento, paulista de criação e carioca por opção. É apaixonada pela arte de contar histórias e dedica a vida a militância nos movimentos feminista, negro e LGBT.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos