3 de maio de 2016 | Esportes | Texto: | Ilustração: Gabriela Sakata
O campeonato do Leicester – ou como a Premier League é o melhor campeonato nacional de futebol

Talvez eu não seja a pessoa apropriada para falar, porque nessa temporada eu vi pouquíssimos jogos do campeonato inglês. Justamente quando foi tão emocionante a corrida pelo título. Pela primeira vez em muito tempo, na corrida para o título, estavam Leicester – um time recém-chegado da segunda divisão e que na temporada passada foi o 14º na classificação geral e o Tottenham, que sempre tá indo pras competições europeias, mas nunca chega de fato a brigar pelo título.
Não briga pelo título porque este sempre fica reservado – pelo menos foi assim nos últimos anos – ao Manchester United, Manchester City e ao Chelsea.
Mesmo com tanta falta de variedade em seus vencedores, o campeonato inglês consegue promover tamanho equilíbrio dentre seus jogos, independente das classificações de seus times na tabela.
Apesar de sempre ter um time que dispara no começo da temporada, como foi o Southampton duas temporadas atrás e anos antes tinha sido o Swansea, eles sempre começavam a desandar conforme ia chegando na metade do campeonato, lá pra dezembro, quando passa a ter jogos às quartas-feiras.
Por isso, essa é uma vitória tão comemorada e tão imprevista, muitos diriam impossível – eu inclusive. Um time que terminou em 14º lugar na temporada anterior e que, antes desta estava na segunda divisão, simplesmente não acontece na premier league. É impensável. Na história do campeonato inglês apenas dois times não-grandes, venceram o campeonato depois de ter subido da segunda divisão: o Nottingham Forest e o Ipswich. E isso antes da era premier league – que começa em 1992.
Você pode pensar: mas o Leicester – e mais um monte de times – não é de um bilionário asiático? É sim, mas se você olhar o elenco dele vai ver que não tem nada de extraordinário, não tem nenhuma mega estrela. Inclusive eu li no jornal inglês The Guardian que o dinheiro gasto em elenco no Manchester United nas últimas duas temporadas é maior que o Leicester já gastou em elenco em seus 132 anos (!).
Como pode um time desse, que ninguém nem levava fé que ia terminar na primeira divisão, não só se manteve, como também ganhou o campeonato mais concorrido da Europa?
A teoria que eu li nessa mesma matéria do Guardian é que pode ser que o Leicester tenha vencido com a garra que os times grandes perderam, devido à celebrização de seus jogadores. Mas isso são só hipóteses. Acontece que o que ocorreu hoje é a verdadeira força do esporte, onde o melhor deveria ganhar. A verdadeira história de superação. Essa é a graça do futebol – e de outros esportes também. Quando o impensável acontece. Que viva o campeonato inglês e o Leicester que virou um gigante.

Georgia Santana
  • Coordenadora de Revisão
  • Colaboradora de Cinema & TV
  • Colaboradora de Esportes

25 anos, do Rio de Janeiro, mas passou a primeira infância em Natal - RN. Estuda Biblioteconomia na UFRJ. Assiste a qualquer tipo de competição esportiva e lê muitas biografias / autobiografias e já chorou de emoção ao comer caldinho de sururu. Odeia barulhos, luz artificial e frio. 90% lufa-lufa, 10% sonserina.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos