3 de maio de 2014 | Ano 1, Edição #1, Estilo | Texto: | Ilustração:
O começo da moda: identificando seu estilo próprio

 

Ilustração: Isadora M

Ilustração: Isadora M

Texto de Nataila Mitiko.

Estudando a história da Moda, podemos observar que as nossas vestimentas nem sempre foram consideradas como “moda” ao longo do tempo. A roupa entrou nessa categoria, digamos, quando ela passou a ter um papel importante na sociedade; o papel de distinguir as pessoas, de criar identidades, tanto a identidade individual, quanto a identidade de um grupo específico.

Passando isso pro nosso mundo de agora, se a formos parar para pensar… Quando a moda começa na nossa vida? Quando ela começa a ser algo importante pra nossa identidade? Bem, no geral, a adolescência é a época em que começamos a nos descobrir de verdade. Deixamos de ouvir só a música que o nosso pai coloca no carro e começamos a escolher o que nós queremos ouvir. Deixamos de usar as roupas que nossas mães escolhem, e às vezes até brigamos com elas para que nos deixem vestir o que queremos. E é aí, no momento em que começamos a decidir quem somos e quem queremos ser, que a moda começa também a fazer parte de verdade na nossa vida. Nesse momento queremos ser originais, nos diferenciar dos outros, mostrar a nossa personalidade, o nosso jeito mais “excêntrico”, que vamos construindo a cada dia.

Mas a adolescência também é um momento em que a nossa cabeça fica cheia de informações, cheia de questionamentos existenciais. “Será que eu realmente quero deixar de ser a menina que gosta da Hello Kitty para usar essas roupas de menina ‘crescida’?” E a nossa cabeça nunca para! Por isso, seguem algumas dicas de como “montar seu estilo próprio” mesmo em meio a tantas mudanças de gostos, de humor e etc.

1. Deixe os estereótipos de lado, ou os adapte a você; nunca o contrário.
Muitas vezes escolhemos vestir alguma coisa só para nos encaixarmos em um grupo ou em algum estereótipo. Se você se identifica de verdade com um deles, ok, isso pode ser bom, mas nunca deixe de dar o seu toque pessoal, por exemplo: se você curte estar no grupo dos roqueiros, mas mesmo assim gosta de um visual girlie, não esconda esse seu lado, junte as duas coisas! Use acessórios, penteados ou peças que combinem as duas coisas. Nunca deixe de lado nenhum dos seus gostos só para se adequar a um grupo. Faça ele se adequar a você.

2. Não pense muito como o senso comum: tudo pode combinar com tudo.
Faça anotações das coisas que você gosta, seja em questão de moda mesmo ou de filmes, visuais de bandas e coisas do tipo. Depois, tente pegar pontos chaves como estampas, padronagens, cores que se repetem e tente combinar essas coisas entre si.
Um exemplo: Você pode ser uma garota que curte grunge dos anos 90, mas ao mesmo tempo gosta de cores pastel e coisas fofinhas. Juntando tudo isso, podemos chegar a algo mais ou menos assim:

post moda capitolina
(Um visual com penteados e o xadrez que remete ao Grunge, mas com candy colors. Dá super certo!)

3. Pense bem antes de comprar: não se deixe levar pelo estilo da loja, ou da tendência do momento.
Leve essas anotações quando você for comprar roupas e tente achar coisas que você gosta e que tenham relação com as suas anotações. Nem que sejam coisas com detalhes que lembrem algum filme que você anotou, ou alguma estampa que você goste.
Mesmo assim, não leve isso tão a sério, escolha e compre o que você gostar e o que for confortável. Mas se você olhar aquela imensidão de tecidos e não souber o que escolher, ter essas anotações pode te ajudar!

Com o tempo tudo fica mais claro – e a nossa identidade, nossa “marca pessoal”, começa a ficar mais bem delineada na nossa cabeça, e você conseguirá se vestir sempre sendo fiel a você mesma. E lembre-se: Moda é o que você quiser pra você! Diversão, conforto, beleza, alegria… Você escolhe!

Nataila Mitiko é estudante de Moda, vegana, com um gosto musical que vai desde bossa nova, CSS, até aquelas coisas japonesas que você não conhece, louca por coelhos, unicórnios, bruxas e RuPaul’s Drag Race. Tem 1,52 cm de altura mas não é um hobbit.

capitolina

A Capitolina é uma revista online para garotas adolescentes, que procura ser acessível e inclusiva, abrindo um diálogo com as leitoras. Somos MUITAS garotas, de idades variadas e de lugares variados, divididas em várias áreas e funções.

  • Izabele Renata

    Amei esse post. Quinta feira fui classificada como uma garota sem estilo, fiquei indignada, eu me achava bem
    descolada. Parei e olhei as minhas roupas, que eu não gostava muito, mas eram as únicas que eu tinha, e a garota estava certa realmente, eu não sabia me definir. Esse post me ajudou bastante!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos