17 de janeiro de 2015 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração: Jordana Andrade
O guia (quase) definitivo da masturbação

Ao longo da matéria, eu trato do prazer das mulheres cis – por relacionar o prazer feminino com estímulos da vagina ou do clitóris. Optei por essa escrita pois o estímulo do pênis é tratado com muita naturalidade e está muito presente na internet, mas, de forma alguma, considero que todas as mulheres têm vagina.

Na minha sala de aula do ensino fundamental, os meninos já conversavam sobre masturbação e sobre a pornografia que eles assistiam para fazer isso. Ao mesmo tempo, na mesma sala, tinha um monte de menina que ou 1) não entendiam sobre o que eles estavam falando ou 2) entendiam sobre o que eles estavam falando e estavam tentando esconder o quão constrangidas ficavam.

Fato é que poucas meninas chegaram a se masturbar e, mesmo as que se masturbaram, não tinham como falar sobre isso com as amigas. A internet também não ajuda muito a gente, porque está recheada de pornografia feita única e exclusivamente para o prazer masculino e heterossexual.

“Mas ué, não é porque as pessoas não se masturbam que elas não sentem prazer, ainda há o sexo a dois.” Sim, há o sexo a dois. Mas me explica como que você vai falar para uma pessoa do que que você gosta, se você não sabe? E também não vamos falar como se sexo a dois fosse tão banal-e-permitido, e como se toda mulher pudesse sair transando com o primeiro cara que ache gato, porque a gente sabe que sexo casual é beeeeeem recriminado quando são mulheres que estão o praticando. O homem é o bonzão, mas a mina é vadia, galinha, (insira algum outro “insulto” machista aqui), etc.

Beleza, então como que faz esse negóço aí de masturbação?

Faz assim, lê isso aqui que eu escrevi com a ajuda de outras meninas da Capitolina, com a sabedoria que meus 19 anos de vida me deram, e com os quadrinhos da Garota Siririca, e também se sinta à vontade para deixar dúvidas nos comentários ou no nosso e-mail! (a gente jura que tenta responder).

Primeiro, eu vou falar sobre a masturbação (com travesseiros, chuveirinho, enfim, coisas que você vai ter em casa), porque é por onde geralmente se começa – apesar de não ser uma regra -, e também porque nem todo mundo pode comprar acessórios por vários motivos. Depois, eu vou falar de algumas coisas que você pode comprar numa sex shop para deixar isso mais divertido e/ou fácil.

Ah, eu também não estou aqui dizendo sobre como você tem que descobrir sua sexualidade, nem que você é uma reprimida-moralista-machista porque nunca se masturbou. Eu estou falando que, em um mundo em que a sexualidade das mulheres é sempre voltada para satisfazer os homens, é difícil achar meios de nos satisfazermos sozinhas (quase não existe um filme pornô feito para excitar mulheres, por exemplo), então a gente precisa se apropriar do nosso prazer de outras formas. Eu estou falando que talvez (só talvez, e aí isso você é quem tem que descobrir) você nunca tenha se masturbado porque, de alguma forma, você acha que é errado, e então, principalmente, eu estou falando que vocês podem se dar prazer, e que não tem absolutamente nada de errado com isso.

Ok, vamos lá:

1) O dedo

Ele serve para um monte de coisa nessa situação. Você pode usar para enfiar no canal da vagina, da mesma forma que um pênis entraria em você (e ai cê pode colocar quantos dedos quiser/conseguir), e também pode usar para estimular seu clitóris. No clitóris não tem muita regra, muita menina diz que “faz o dj” (meio auto explicativo, né), mas sinta-se livre para explorar movimentos e ver qual funciona bem para você.

2)  O chuveirinho

(Fonte)

3) O travesseiro

(Fonte)

4) Com o atrito das coxas
A ideia é esfregar uma coxa na outra, o ritmo e a força é você quem tem que descobrir. Também rola de somar isso à masturbação com a mão, fazendo os dois ao mesmo tempo.
E deve haver outras formas – e, se você souber, conta pra gente nos comentários.
Lembrem que talvez alguma (ou infelizmente, nenhuma) dessas técnicas vá funcionar bem pra você. Tem gente que sente prazer no clitóris, tem gente que sente prazer com penetração, tem gente que ama os dois, tem gente que – por inúmeros motivos, e eu recomendo que você procure ajuda se isso te incomoda –  não sente prazer de jeito nenhum. O importante é que você descubra essas coisas, e cada pessoa tem seu tempo para fazer isso. Também é fundamental que você esteja tranquila enquanto está tentando coisas novas. Talvez você já tenha ouvido que “o orgasmo começa pela cabeça” e, apesar de eu não gostar dessa ideia de que sexo acaba no orgasmo, a afirmação é bem verdadeira.

Vai ser difícil você sentir prazer se você estiver com vergonha do que está fazendo, com medo de que alguém entre no quarto (tranque a porta para garantir privacidade) ou com algum outro bloqueio. Antes de tentar qualquer coisa, dá uma relaxada. Também é legal descobrir as coisas que te excitam (se é só pensar em alguma situação, ou se você prefere estar assistindo pornô, se você curte ouvir música), porque vai tornar tudo bem mais fácil.

Ok, agora os acessórios.

Eu não vou falar sobre todos os acessórios que existem porque eu nem conheço todos. Acho que ninguém conhece todos. Acho que todo dia inventam um novo. Descobri uns vinte que eu não conhecia só pesquisando para essa matéria, o pessoal desse ramo é bem criativo.

Os (famosos) vibradores
Esse daqui cê já conhece, mas talvez você não saiba que existem muitos tipos de vibrador:

O clássico
Não tem muito o que falar dele, né. O formato imita um pênis, é feito de diversos materiais, alguns regulam velocidade e outros não, dentre outras diferenças. Provavelmente você vai curti-lo se você gostar de estímulo no canal da vagina (se no sexo, você curte ser penetrada).

Caso você prefira estimulo no clitóris, temos:

O bullet
Que também é chamado de cápsula. Ele é um vibrador exclusivo pro clitóris, então você provavelmente vai gostar se você for sensível nessa área. Também existem outros tipos de vibradores exclusivos para clitóris, mas este é o mais simples, é comum que seja o primeiro vibrador das mulheres, e tem um bom custo benefício.

Vibrador rotativo
Aí a experiência vai para outro nível, risos. Ele é junção de um vibrador vaginal com um vibrador clitoriano, estimulando as duas áreas. Outros vibradores também fazem isso e eles são chamados de vibradores de dupla função, mas o rotativo tem o atrativo de simular o “vai-e-vem” do sexo vaginal, além de ter vários níveis de velocidade, e também pode ter uma textura que simula a pele.

Butterflies
É um vibrador clitoriano que fica acoplado em uma cinta. Você coloca a cinta e controla a intensidade do vibrador por um mini controle, quem vem vinculado. O intuito é que ele seja usado durante o sexo a dois, para estimular o clitóris enquanto a outra pessoa te penetra.

“Pussy Pump” ou sugador vaginal
Funciona como uma bomba de sucção que é acoplada na vagina. Algumas pessoas dizem que simula o sexo oral, outras dizem que só serve para deixar a região mais sensível para depois fazer outras coisas.
(Fonte)

Existem também alguns tipos de géis que são utilizados para sensibilizar a área vaginal, dentre outros mil tipos de cosméticos e acessórios dos quais eu não trato aqui. A minha intenção não é que este seja um guia definitivo sobre masturbação, porque acredito que coisas novas sempre serão criadas e que as pessoas sempre serão afetadas pela criação dessas coisas, e a partir daí criarão outras mais. Na realidade, tudo o que eu quero com essa matéria é que você sinta vontade e perca a vergonha de conhecer o seu próprio corpo, e que tenha pelo menos uma noção de como começar a fazer isso. Parte desse processo também é composto por olhar a sua vagina no espelho e tocá-la para conhecê-la, porque durante a vida toda nos foi ensinado que era muito feio ficar com a mão “lá”, que a gente tinha que escondê-la (senta com essa perna fechada, menina!), e que, basicamente, nós não podemos nos apropriar de nós mesmas.
Eu, e toda a equipe da Capitolina, dizemos que o corpo é seu, e que conhecê-lo é parte importante do processo de amá-lo, respeitá-lo, e vê-lo como seu lar, o lugar que você tem para passar o resto da sua vida. Então não temos motivo para ter vergonha dele, nem de nada que ele possa nos proporcionar.

Natália Lobo
  • Coordenadora de Ciência
  • Colaboradora de Culinária & FVM

Natália tem 20 anos, casa em dois lugares (ou em lugar nenhum, depende do ponto de vista), gosta de fazer e de falar sobre comida, é feminista desde que se entende por gente.

  • Luiza Leite

    Um dos melhores posts que já li sobre o tema! Comecei a me masturbar com 12 anos (hoje tenho 16) e confesso que nos primeiros dois anos eu me culpava demais por isso. Hoje em dia, me masturbo com orgulho e, depois de termos feito um coletivo feminista na minha escola, grande parte dxs garotxs se sentiram livres para falar sobre o assunto. Eu e minhas amigas até trocamos algumas diquinhas, haha. Me deixa triste saber que masturbação feminina ainda é um tópico regado por tabus e preconceitos, quando é uma prática tão natural e saudável. E acredito que o erro começa dentro das escolas, que na maioria das vezes, não dialogam com as crianças sobre isso, ou seja, intensificam esses escrúpulos enraizados pela sociedade machista e opressora. As famílias também pecam, pois, apesar de saberem que praticamente todo ser humano (incluindo crianças e adolescentes) pratica a masturbação, se fingem de mortas. Com os meninos nem tanto, porque bater punheta é visto como um ato de virilidade, bem naquele estilo ”Esse é o garotão do papai”. Já as meninas que se masturbam, vadias e promíscuas!!! Absurdo.
    Todavia, eu ainda acho que mesmo essa maior liberdade dada aos meninos na realidade é completamente opressora também, visto que essa força que se dá a masturbação masculina tanto na vida juvenil como na adulta nunca está no campo gay. Um homem sempre se sentirá culpado e inibido de praticar a masturbação pensando em outro cara ou estimulando o ânus por exemplo. Papai ensinou que os homens pensam em meninas na hora de bater punheta.
    Seria tão bom se esse tema pudesse ser tratado livremente dentro de famílias, instituições de ensino e até mesmo em círculos de amizades.
    Por sorte estudo numa escola onde sexualidade é um tema aberto, e depois que tivemos o espaço de fazermos um coletivo feminista, o assunto ficou mais natural e integrado a vida dxs alunxs.
    Gostaria de parabeniza-lxs pelo texto incrível, já vou repassar… Beijos!!!

  • Tiazona

    Meu primeiro brinquedinho foi uma caneta de 10 cores… Gosto muito do atrito da minha mão com o papel higiênico no vaso mesmo. Boa sorte galera!

  • Bea Pac

    Existe uma “técnica” que para mim (já que sou muito sensível no canal vaginal) funciona milagrosamente! Ela funciona assim: quando estou com uma vontadezinha de ir fazer xixi, eu tento me excitar, tocar meu corpo, e ficar com tesão. Logo depois, pressiono o lugar onde se localiza o útero e os ovários, e sinto uma prazer enoorme <3. Se você estiver com umx parceirx, você pode pedir para elx te estimular no ponto G enquanto você pressiona essa região. Sério, altos orgasmos.

  • Duda

    Que texto incrível! Eu sei o que é sentir vergonha da masturbação, e é horrível. Acho que mais texto como esse deveriam ser mais compartilhados e abordados com as meninas. Conheço muitos mais velhas que eu e que não tem noção do que é masturbação ou acham que é a coisa mais errada do mundo. A dica do travesseiro é ótima <3

  • Laura

    Melhor texto! Eu me masturbo desde uns 10 anos de idade, nunca tive coragem de falar sobre isso com ninguém, sempre achei que fosse algo errado. Mas com os passar dos anos eu percebi que é algo natural que muitas mulheres fazem.

  • Pingback: Desvendando mitos sobre sexo - Capitolina()

  • Sabrina

    Bom, eu sou uma garota de 12 anos ( quase treze) e esse é meu segundo ciclo menstrual, ou seja, faz pouco tempo. Eu sei várias coisas quando o assunto é sexo afinal minha mãe é professora de biologia, se não soubesse… Então, eu sabia oque era a masturbação mas só agora resolvi tentar, mas ai está o problema! Eu não sinto nada, nem prazer,dor ou qualquer outra coisa, então queria a ajuda do pessoal. Devo me preocupar com isso? É normal? Obrigada pela atenção e adorei o post!!!

    • Victória Regina

      Oi, Sa. Tudo bem? O que você costuma fazer?
      Eu também não costumo sentir, mas geralmente se tentar com o dedo no canal vaginal.

  • Pingback: Prazer e objetificação: os limites do mundo que odeia mulheres — Capitolina()

  • Eu

    Faço isso desde os 3 anos de idade. Ficar emborcada forçando a região íntima contra um tufinho de pano(faz er uma bolinha com lençol ou colocar o travesseiro) é muito bom. Você pode fazer isso, depois variar, cavalgando, p ter um prazer maior.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos