28 de março de 2016 | Ano 2, Edição #24 | Texto: | Ilustração: Jordana Andrade
O que é história oral?
historia_oral

Surgida da década de 1950, logo após a invenção do gravador à fita, na Europa, EUA e no México, a história oral é uma metodologia de pesquisa e construção de fontes para estudo da história contemporânea. É um método de extrema importância que, consiste basicamente na realização de entrevistas gravadas com pessoas que testemunharam acontecimentos do passado e também do nosso presente. Atualmente no Brasil além de várias instituições que financiam a realização de projetos de pesquisa nesse método de pesquisa, também possuímos uma Associação Brasileira de História Oral que foi fundada em 1994 e até hoje é um dos maiores órgãos responsáveis por transmitir o conhecimento dessa metodologia, promovendo encontros nacionais e regionais entre pesquisadores. Esse método possibilitou à História uma nova perspectiva de acontecimentos, já que, o que antes era narrado em livros por autores já conhecidos passou a ser visto (e ouvido) com uma nova perspectiva e por testemunhas que antes eram esquecidas ou ignoradas historicamente.

O trabalho com fontes orais, como também são conhecidas, permitiu aos pesquisadores uma ampliação de conceitos de fontes. Somente com essa técnica foi possível que historiadores e antropólogos realizassem uma nova construção de acontecimentos a partir da memória de pessoas que presenciaram os eventos. Ou seja, a história considerada verdadeira e que passaria a ser contada, é construída a partir da memória do entrevistado, memória essa que sofre influências de agentes externos, agentes culturais. A história narrada não é somente os eventos contados…. Não se trata da história em si, mas sim da memória de quem a conta.

Talvez o grande diferencial do trabalho com fontes orais seja que durante a coleta dessas fontes, o pesquisador não se exime da responsabilidade na construção daquela história. A coleta de fontes orais não se resume tão somente ao pesquisador sentar e ouvir a história do entrevistado, é de fato, um trabalho conjunto que envolve quem conta e quem ouve. Mas como isso acontece? Bem… O primeiro passo da produção dessa história se inicia bem antes do momento da coleta, ou seja, a história que será construída começa a ser produzida no instante que o pesquisador pensa a entrevista. É importante que quem irá realizá-la tenha em mente que, seu entrevistado precisa de confiança caso o mesmo deseje adquirir relatos com maior riqueza de detalhes nessa narrativa. Uma técnica muito usada por pesquisadores é a estimulação da memória do entrevistado, com utilização de objetos que vão desde fotografias antigas até roupas ou joias, ou até mesmo a simples menção de um fato marcante já é um diferencial quando trabalhamos com o resgate de memórias. Feito isso, o pesquisador tem a responsabilidade de transcrever e interpretar os eventos narrados para que assim, a história final seja contada e repassada a tantos outros.

A construção da História a partir do método da História Oral foi uma grande revolução, pois resgatar através de fontes orais memórias de lutas, resistência, sofrimentos e alegrias se tornou uma prática importante na construção da história presente, a história de nosso cotidiano, foi somente assim que vozes antes esquecidas fossem ouvidas e que, populações e comunidades ricas culturalmente fossem não só os personagens como também protagonistas e narradores de suas próprias histórias.

Fabiana Pinto
  • Colaboradora de FVM & Culinária

Fabiana Pinto, negra e carioca. Graduanda em Nutrição na Universidade Federal do Rio de Janeiro em tempo integral e, escritora de suas percepções e experimentações do mundo em seu tempo livre.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos